O preço do sucesso

A maior parte das pessoas gostaria de falar inglês sem estudar; gostaria de tocar o piano sem praticar. Alguns jovens gostariam de ser atletas sem treinar. Outros gostariam de ter o peso ideal sem fazer exercícios e cuidar da alimentação. E por fim, muitos gostariam de prosperar sem pagar o preço do sucesso. A diferença entre quem vence e quem fracassa está na capacidade de cada um de fazer as escolhas certas, e, depois, de ser incansável até alcançar a meta almejada. Assim, o sucesso é resultado de muito preparo, empenho, dedicação, disciplina e confiança em si mesmo.

Os atletas desafiam diariamente seus limites nas quadras esportivas. Convivem com dores intensas, provocadas pelo esforço físico, e travam uma batalha interior para dominar a mente e se manter focados em seus objetivos. Acredito que, além do talento natural, a vitória é resultado de um conjunto de fatores que são vivenciados no dia a dia, como a rotina de treinos, a busca pela superação, a convicção e o equilíbrio emocional para não desistir a cada dificuldade encontrada pelo caminho.

Quando decidi empreender, mesmo sem recursos, sabia que teria muitos obstáculos pela frente. Me sacrifiquei muito, mas muito mesmo. Abri mão do conforto e do prazer imediato para colher algo maior no futuro. Não frequentava restaurantes, não viajava, não comprava carro novo, não fazia loucuras em compras nos shoppings, gastava o estritamente necessário nos supermercados. Porém, essa consciência de fazer sacrifícios agora para colher algo melhor no futuro não é comum para a maior parte das pessoas e é uma das razões do porque a maioria não vence financeiramente.

O mesmo raciocínio vale para quem quer perder peso. Imagine acena de você com os amigos diante de uma feijoada com ótimo aroma. A feijoada está ali e te dará prazer imediato, mas você tem uma meta pessoal e precisa decidir entre aproveitar o prato ou evita-lo para atingir o peso ideal no médio prazo. Qual é a sua escolha? Será movido pela emoção ou pela razão?



O empresário vive batalhas parecidas. Desde que comecei empreender, passei a conviver com esse cenário de escolhas diariamente. Planejava cada detalhe do projeto, controlava custos, gerenciava pessoas, pensava em novas formas e atrair clientes e buscava aumentar o faturamento para sobreviver no mercado, e conquistar a liderança do setor. Era meu lado racional falando mais alto. Ao mesmo tempo, convivia internamente com uma série de emoções, algumas delas conflitantes, que iam do medo à certeza de que eu realmente venceria; do receio de apostar em uma oportunidade e colocar tudo a perder, na dúvida se eu estava ou não no caminho certo; da tristeza de perder uma negociação à convicção de que logo outra oportunidade surgiria à minha frente, embora não soubesse exatamente onde.

Quando me perguntam como consegui superar essas barreiras e vencer no mundo dos negócios, respondo com convicção: além do meu talento natural como empreendedor, eu soube buscar o equilíbrio quase que perfeito entre razão e emoção. Além disso, sou uma pessoa extremamente focada na busca de resultados. Finalmente, tenho uma disciplina que me ajuda a vencer os obstáculos encontrados pelo caminho. Enfim, uma disposição natural de pagar o preço do sucesso.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago


Sobre o autor

Carlos Wizard Martins, 64 anos, é empresário, controlador do Grupo Sforza Holding, escritor e empreendedor social.


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.