O plano tributário

O plano tributário

O governo começa a dar traços do que pretende no plano tributário. O ministro Paulo Guedes surpreendeu a todos voltando a falar de uma espécie de CPMF, da ordem de 0,2% para o comércio online. Até pelo peso e péssima imagem que a denominação carrega, a equipe econômica rechaça veementemente a alcunha. Mas o novo imposto é o que é, focado em movimentações financeiras. Seu alvo primordial são os pagamentos eletrônicos. A nova contribuição não incidiria sobre saques e depósitos, por exemplo. O texto ainda está em fase de acertos, segue para a Casa Civil e, mais adiante, desembarca no Congresso. Empresários torcem para que dessa vez algum tipo de desoneração e de diminuição da carga estejam no radar. A versão de reforma do governo, a ser levada em forma de projeto lei deve unificar tributos federais, como PIS/Cofins, na Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) – um novo tributo a ser aplicado sobre valor agregado, cobrado em todas as transações de bens e serviços. Guedes quer criar com isso uma fonte de receita para desonerar a folha de pagamentos de todos os setores da economia. Seria um toma-lá-dá-cá, no sentido fiscal. De todo modo, o que espanta e conta com veemente resistência, especialmente entre os parlamentares, é a nefasta ideia de um tributo nos moldes da CPMF. Para o ministro, está longe de ser comparado ao famigerado imposto do cheque. Mal comparando, está virando realmente, uma teimosia nos moldes daquela demonstrada por Bolsonaro com a cloroquina. Em ambos os casos, as drogas não surtiram efeito desejado em experiências anteriores, mas seus defensores teimam em encará-las como uma panaceia. Imaginar um imposto com esse tipo de alíquota, em tempos de juros baixos e de inflação controlada, é um castigo que vai recair de forma devastadora sobre desempregados e empreendedores quebrados. Nunca deu certo em lugar nenhum do mundo, ate por ser um tributo injusto, em cascata e com peso maior sobre os pobres do que sobre os ricos. Guedes joga com a falsa dicotomia aventada inicialmente por Bolsonaro: “o trabalhador vai ter de decidir se quer menos direitos e emprego ou todos os direitos e desemprego”. Guedes está focado no corte do custo produtivo, mas distribui a conta para aqueles que não têm como pagar. E não para por ai sua ambição nesse sentido. Ele pensa também em resgatar a malfadada proposta da capitalização da Previdência, na qual cada trabalhador é quem tem de poupar para poder usufruir da aposentadoria. Isso foi rejeitado no debate da reforma previdenciária, mas ele volta à carga. Guedes quer arrombar a porta das casas dos brasileiros com o seu plano tributário, custe o que custar.

Carlos José Marques,
diretor editorial

Veja também

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Sobre o autor

Carlos José Marques é diretor editorial da Editora Três e escreve semanalmente os editoriais da revista DINHEIRO


Mais posts

Começaram pelo fim

A grande indagação que fica desse início da trajetória da votação da Reforma Tributária, que finalmente o governo entregou ao [...]

A ameaça ao teto

Ninguém esconde mais, nem dentro do Governo, nem no Congresso, muito menos entre entidades que pressionam por recursos, o movimento [...]

Reforma em fatias

Há algo de muito desarticulado nas prioridades definidas pelo Governo. Mais de um ano e meio de gestão depois se tomou conhecimento, [...]

O grande desafio do agronegocio

Na verdade, trata-se de um desafio mortal de imagem, como bem classificou o economista José Roberto Mendonça de Barros. E a questão [...]

A perda do dinheiro verde

Nos últimos dias o País foi tomado pela notícia de que o mundo não irá mais tolerar os abusos de desmatamento e queimadas praticados [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.