O plano de saída

O plano de saída

Setores produtivos começam a ficar inquietos. Trabalhadores reclamam da falta de renda. Negócios vão à falência. A roda da economia brasileira precisa voltar a girar e se depara ainda com os efeitos arrastados e dramáticos da pandemia. Não há como privilegiar o PIB em detrimento da vida, mas até que ponto um e outro não estão também intimamente ligados? Sem recursos, muitos não terão como se alimentar, pagar as contas, viver. No timing perfeito da transição das duas realidades, sustenta-se o futuro do País e do mundo. Para não ficar atrás e sair em busca do atraso é que os governos estaduais e federal, as instituições privadas e até corporações da indústria, do comércio e das finanças começam a preparar a toque de caixa seus respectivos planos de saída da crise. Na maioria deles, um denominador comum: sem o recuo da doença não há como prosperar. Nos EUA e na Europa, por exemplo, já ficou devidamente acertado que o fim do isolamento somente se dará após o registro de 14 dias consecutivos com queda no número de vítimas fatais e aumento gradativo na quantidade de leitos de UTIs disponíveis para internações. Da combinação desses dois fatores resulta a senha da quebra da quarentena. A partir daí, cada um traça os seus planos de segurança e prevenção – desde o uso massivo de máscaras até a abertura gradual de alguns estabelecimentos. No todo e em parte, o objetivo é o mesmo: garantir crescimento suficiente para cobrir as perdas.

Há uma estimativa média de colossais quedas do PIB globalmente – ficando todos os mercados em índices negativos. O Instituto de Pesquisa Aplicada (Ipea) avalia que realmente um “Plano Marshall” à brasileira precisa sair com urgência e trabalha com uma alternativa a ser entregue ao Ministério da Economia nos próximos dias. Do documento da entidade deverá constar uma cifra geral de despesas, ainda não consolidada, para o reparo dos danos e incentivo à retomada. Quatro eixos devem nortear o relatório do Ipea: o primeiro será o da criação e indução de crédito para reerguer a atividade produtiva e reconstituir as cadeias de operação. O segundo se concentrará nas linhas de recursos para a normalização das exportações, incluindo também um trabalho de promoção no exterior e de diversificação da pauta de produtos vendidos. O terceiro eixo focará investimentos em infraestrutura, mediante o BNDES, envolvendo a remodelagem de parcerias público-privadas. O quarto e último item concentrará esforços nos programas sociais com atenção em políticas de emprego. Com planejamento desse tipo, pensando estruturalmente nos meios, é crível imaginar que as soluções aparecerão de maneira gradativa. O segundo tempo dessa guerra está apenas começando.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

O dia seguinte às eleições

Já virou tradição no manual da política o governo começar a trabalhar somente depois de passada as eleições e, ao que tudo indica, dessa vez não será diferente. A apatia de medidas, negociações e mobilizações que prevaleceu até aqui não pode ter outra razão que a do temor das consequências nas urnas. Candidatos e seus […]

O isolamento como opção

Se a ideia é acabar de vez com qualquer possibilidade de o Brasil permanecer como um player relevante no tabuleiro das nações,o governo Bolsonaro e seus achegados estão no caminho certo. O rebento zero três, Eduardo Bolsonaro, resolveu por esses dias pregar mais uma estaca no muro que está distanciando o País da boa relação […]

Valentia fora de hora

Como se já não estivessem bem estremecidas as relações do governo brasileiro com organismos multilaterais e a comunidade internacional, [...]

O Brasil na era Biden

Dois cenários concretos estão montados a partir da confirmação de troca de comando na Casa Branca. Dentro do governo brasileiro, a [...]

A casa da mãe Joana

Ninguém se entende mais dentro do poder central e o clima de animosidade vai aumentando à medida que os sinais de crise financeira vão [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.