Edição nº 1104 18.01 Ver ediçõs anteriores

O plano bilionário da Apple

O plano bilionário da Apple

A Apple não poupou dinheiro em 2018 para recomprar suas ações e tentar dar mais estabilidade ao preço dos papeis negociados na bolsa. De acordo com o jornal americano The Wall Street Journal, a companhia de Cupertino desembolsou US$ 62,8 bilhões com a prática. A soma pode ter sido ainda maior, já que a publicação ressalta que esse valor foi gasto somente nos três primeiros trimestres de 2018. Primeira empresa de tecnologia a ultrapassar a marca de US$ 1 trilhão em valor de mercado, a Apple viu suas ações perderem valor nos últimos meses de 2018. Na terça-feira, a gigante comandada por Tim Cook estava avaliada em US$ 775,3 bilhões. Um ano atrás, o valor da fabricante do iPhone era de US$ 863,2 bilhões.

(Nota publicada na Edição 1102 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A Amazon quer jogar

A companhia de Jeff Bezos está de olho no mercado de streaming. E isso não significa apenas investir no Prime, o seu serviço de [...]

Ovo popular

A internet é uma caixinha de surpresas. E de bizarrices. A prova mais recente disso foi dada no Instagram. Publicada no dia 4 de [...]

Carga perigosa

Os Correios vão adotar um processo mais rigoroso para o envio de itens eletrônicos por encomendas. A estatal brasileira vai passar a [...]

Era uma casa…

Quarta maior fabricante de smartphones do planeta, a Xiaomi quer ir além das telinhas. Na sexta-feira 11, a gigante chinesa informou [...]

11 milhões

É o número de baterias de iPhones que foram substituídas pela Apple em 2018. Em 2017, foram menos de 2 milhões de componentes trocados (Nota publicada na Edição 1104 da Revista Dinheiro)

Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.