O PIB de 0,81% e os R$ 500 do FGTS

O PIB de 0,81% e os R$ 500 do FGTS

A economia brasileira definha não é de hoje. E há tempos os empresários aguardam boas notícias para que tenham condições de investir, gerando mais empregos e arrecadação, o que criaria uma onda positiva para o País. Como mostram as revisões do PIB para este ano (agora em míseros 0,81% e caindo), os anúncios da equipe econômica não têm mostrado força suficiente para mudar os ânimos. Nem mesmo a folgada aprovação da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados consolidou a confiança dos setores que movem a economia. Houve sim, um avanço no mercado de capitais, com a valorização recorde do índice Bovespa e uma ligeira apreciação do real frente a outras moedas. Mas, até agora, nada de substantivo foi posto em prática para estimular o crescimento nos níveis desejáveis.

A reforma da Previdência, evidentemente, interessa muito mais ao próprio governo, que deixará de gastar em dez anos perto de R$ 1 trilhão com pensões e aposentadorias. Essa economia ajudará a sanear as contas públicas, mas seu efeito colateral é reduzir a renda de boa parte da população – o que significa menos consumo no longo prazo. A reforma que poderia destravar a economia e o PIB, como se sabe, é a tributária, sobre a qual ainda não há qualquer consenso entre o governo, o Congresso e os empresários. Enquanto ela não vem, só resta colocar mais dinheiro em circulação. Ele sairá de contas ativas e inativas do FGTS, que poderão ter saques anuais. Com isso, Até o final de 2020 serão R$ 42 bilhões. Parece muito, mas cada trabalhador só poderá tirar da conta R$ 500.

A estratégia repete a do então ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, no primeiro ano do governo Michel Temer. Em dezembro de 2016, ao liberar saques de contas inativas do FGTS, R$ 30 bilhões voltaram para o consumo. É bom lembrar que em 2015 o PIB havia sido negativo em 3,5%, número que se repetiu no ano seguinte. Em 2017, ficou positivo em 1,1%. Mas a liberação do FGTS não foi a única medida para chegar a esse resultado. O governo Temer reduziu a taxa Selic, os juros básicos da economia, de 14,25% para 6,50% ao ano. A inflação, que havia superado 10% em 2015, caíra para 2,95% ao final de 2017. Tudo isso contribuiu para que o Brasil saísse da recessão. Agora o cenário é outro. O País precisa crescer, e rápido. A equipe econômica sabe disso. Resta saber que milagre R$ 500 farão no bolso de quem pode sacar o FGTS.

(Nota publicada na Edição 1131 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Receita abre consulta a segundo lote de restituição de IR, o maior da história
+ Homem encontra chave de fenda em pacote de macarrão
+ Baleias dão show de saltos em ilhabela, veja fotos!
+ 9 alimentos que incham a barriga e você não fazia ideia
+ Modelo brasileira promete ficar nua se o Chelsea for campeão da Champions League
+ Cuide bem do seu motor, cuidando do óleo do motor
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança


Sobre o autor

Carlos José Marques é diretor editorial da Editora Três e escreve semanalmente os editoriais da revista DINHEIRO


Mais posts

A perda do dinheiro verde

Nos últimos dias o País foi tomado pela notícia de que o mundo não irá mais tolerar os abusos de desmatamento e queimadas praticados [...]

Cadê o dinheiro?

O Banco Central anunciou com pompa e circunstância medidas para a ampliação da oferta de crédito. Estavam ali computados nada menos que [...]

O mais lento

O Brasil deve apresentar uma retomada mais lenta do que 90% dos países afetados pela pandemia. Em outras palavras: nove em cada dez [...]

O pior dos piores

Mais um título nada honroso para a galeria de feitos econômicos do Brasil. Pelo levantamento e análise do Banco Mundial, o Brasil deve [...]

Economia e abertura

Não há como desatrelar a retomada da economia do combate ao coronavírus. Sem controle da pandemia, as chances de recuperação seguem [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.