O passado e o futuro do Value Investing

O passado e o futuro do Value Investing

De 1964 até 2020, o valor de mercado de uma ação da Berkshire Hathaway avançou 2.810.526%; no mesmo período, o índice S&P 500 teve uma evolução de pouco mais de 23.454%. Claramente, a filosofia de investimentos baseada na avaliação do valor intrínseco das ações, comprando-as somente quando o preço de mercado estiver substancialmente abaixo dele e garantindo uma margem de segurança razoável gera, sem dúvida, retornos extraordinários no longo prazo.

É quase uma programação mental que procura nos desviar das distrações de curto prazo e buscar oportunidades de investimento em empresas com modelos de negócio robustos, histórico de boa geração de fluxo de caixa e que, por capricho do mercado, não fazem parte do glamour do momento. Em geral, o portfolio de um value investor não é, por assim dizer, “sexy”. É, na maioria das vezes, um portfolio de ações meio enfadonho, sem charme e fora das rodas de conversa – mas com grande potencial. A performance da Berkshire Hathaway prova isso. Isso não quer dizer, no entanto, que ela seja uma filosofia de investimentos parada no tempo. Os princípios não mudam, mas, de tempos em tempos, as paredes precisam de pintura, o encanamento precisa sair do bronze e a fiação elétrica precisa de renovação. Este é o momento pelo qual o value investing está passando.

Analisando a espetacular performance do preço das ações da Berkshire Hathaway, o investidor vai perceber períodos bastante distintos antes e depois da década de 90. Até seu trigésimo ano de operação, a Berkshire Hathaway havia, de fato, produzido retornos excepcionais e extraordinários. De 1975 a 1984, a ação produziu retornos acumulados, já descontada a performance do S&P500, de quase 800%. Mesmo na década seguinte, a performance foi de 450%. Os retornos nas duas décadas que se seguiram, no entanto, apesar de superiores aos do S&P, não chegam a impressionar. No período entre 2015 e 2020, a performance é negativa. De fato, os últimos dez anos foram especialmente difíceis para os value investors tradicionais.

gráfico zaiet value investor
Fonte: Carta aos Acionistas da Berkshire Hathaway, fev. de 2021 / Elaboração: Picea Value Investors (Crédito:Fonte: Carta aos Acionistas da Berkshire Hathaway, fev. de 2021 / Elaboração: Picea Value Investors)

Seria tentador concluir que o value investing não funciona mais, que é coisa de nonagenário. Nada poderia estar mais longe da verdade.



Na introdução do livro Value Investing: From Graham to Buffett and Beyond (Greenwald Bruce C, Judd Kahn, Erin Bellissimo, Mark A. Cooper, e Tano Santos.  Hoboken, NJ: Wiley, 2021, segunda edição), os professores Bruce Greenwald e Judd Kahn atribuem essa queda de performance, parcialmente, à mudança estrutural do centro da atividade econômica do setor industrial para o setor de serviços. Isso faz com que o valor intrínseco de um negócio deixe de ser calculado, na sua maior parte, pelo valor dos seus ativos tangíveis (estoques, recebíveis, equipamentos) e passe a ser avaliado, primordialmente, pelos seus ativos intangíveis (pessoal especializado, desenvolvimento de produto, treinamento, marketing, etc). Esses itens não são facilmente extraídos de um balanço.

Além disso, a queda vertiginosa dos juros mundiais nesse período também explica a predileção do mercado por ações que privilegiam crescimento, dado que o desconto a valor presente dos fluxos de caixa gerados no futuro tem mais importância quanto menores forem as taxas de juros.

Ao final, não dá para ignorar que a tecnologia transformou tudo: como compramos, vendemos, produzimos, entregamos, recebemos, e até mesmo a moeda. Ser value investor hoje em dia é bem mais difícil do que no século passado: não dá mais para ignorar o valor dos ativos intangíveis e seguir em frente impunemente. O exemplo mais dramático disso veio no final do mês de abril, com a notícia de que o renomado value investor Charles de Vaulx, 59 anos, um dos fundadores da empresa ‘International Value Advisors’ e fiel ao perfil tradicionalista do value investing, pulou do décimo andar do prédio de seu escritório em Manhattan quase dois meses depois de haver liquidado seus fundos.

Na Berkshire, Buffett e Munger promoveram uma adaptação, ainda que parcial, aos novos tempos. A Apple é uma de suas empresas favoritas e uma de suas maiores alocações. Seus negócios principais ainda são energia e seguros, mas as paredes de algumas salas começaram a tomar um outro tom de cor em Omaha. Muitos outros value investors já fizeram a reforma geral. Para quem ainda não fez, o livro do professor Greenwald é um excelente guia. Vale a pena ter na escrivaninha.

Os fundamentos não mudam, mas as condições de contorno sim. Que venham os próximos dez anos.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago


Sobre o autor

Norberto Zaiet é economista formado pela Universidade de São Paulo e com MBA pela Columbia Business School, em Nova York. Depois de passagens como executivo pelo banco alemão WestLB e pelo português Banco Espírito Santo de Investimento (BESI), Zaiet foi CEO do Banco Pine. Hoje vive em Nova York, onde é sócio-fundador da gestora de investimentos Picea Value Investors. Com foco no conceito de Value Investing, a Picea Value Investors nasceu em 2019 com alcance global e atuação principal no mercado de ações norte-americano. Mais informações em www.piceavalue.com


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.