Edição nº 1108 15.02 Ver ediçõs anteriores

O parque dos índios

O parque dos índios

Após uma disputa de 17 anos, a Justiça Federal julgou improcedentes as duas ações movidas pelo Governo de São Paulo contra os índios da etnia Guarani Mbya, para a reintegração de posse do Parque Estadual de Intervales, que é localizado entre os municípios de Ribeirão Grande, Guapiara, Sete Barras, Eldorado e Iporanga. Laudos periciais e relatórios apresentados pela Funai e pelo Ministério Público Federal (MPF) comprovaram a conservação correta do local, tal como a busca por um equilíbrio ecológico do parque por parte dos Guaranis. A Fundação Florestal, pertencente ao Governo do Estado, avalia se irá recorrer da decisão.

(Nota publicada na Edição 1086 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A culpa não é de São Pedro

Os últimos dias no Rio de Janeiro foram os mais difíceis em muitos anos. Na noite da quarta-feira 6, um temporal devastou a capital [...]

Vale perde prestígio na B3

A B3, empresa resultante da fusão entre BM&FBovespa e Cetip, informou na noite da quinta-feira 7 que as ações da mineradora Vale [...]

Mudança climática é a principal ameaça

Qual é a maior ameaça e o principal fator de risco para o mundo? Com essa questão em mente, o instituto de pesquisas americano Pew [...]

A XP investe na base curricular

A corretora de valores XP Investimentos decidiu patrocinar o projeto social Educação Garantida, que é desenvolvido pelo Instituto da Criança, uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) que beneficia alunos em situação de vulnerabilidade econômica com bolsas de estudos integrais em instituições de ensino particulares. Até o final de 2019, a empresa terá […]

Lama da Vale invade o rio Paraopeba

O tsunami de lama de mineração liberado pelo rompimento da Barragem 1 da mina de Córrego do Feijão, na cidade mineira de Brumadinho, [...]
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.