Edição nº 1108 15.02 Ver ediçõs anteriores

O para-choque da Plascar

Não é novidade para ninguém que a Plascar, uma das maiores empresas de autopeças do Brasil, tem passado por sérias dificuldades nos últimos anos. De acordo com o balanço mais recente, divulgado em junho deste ano, suas dívidas são de R$ 838,9 milhões e ela tem um patrimônio líquido negativo de R$ 332,7 milhões. E, depois de procurar alguns dos maiores escritórios de reestruturação do País, a empresa agora está contando com a ajuda do grupo Fiat Chrysler Automobiles (FCA). Há quem afirme que a FCA estaria assumindo a companhia. Mas fontes que conhecem a operação afirmam que a montadora está apenas auxiliando nas negociações com os bancos. Detalhe: em 2007, o valor de mercado da companhia era de R$ 1,56 bilhão e, na semana passada, ela era cotada a R$ 26,1 milhões.

(Nota publicada na Edição 1085 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Hugo Cilo)


Mais posts

Cimed encontra a fórmula do crescimento

Crescer, em tempos de concorrência acirrada, não é uma tarefa simples. Mas a farmacêutica mineira Cimed diz ter encontrado uma fórmula [...]

Frase da semana

“Eu preciso que as pessoas venham aos EUA para administrar fábricas, gerenciar empresas e atuar nas indústrias” Donald Trump, [...]

A recuperação da Paranapanema

Desde o início de 2017, a Paranapanema, maior produtora nacional de cobre refinado, tem concentrado seus esforços em retomar a [...]

Como vencer a matriz (sem perder o emprego)

A subsidiária brasileira da Gi Group, multinacional italiana de recursos humanos, superou a matriz em 2018, ao registrar um crescimento [...]

A maré está alta para Frescatto

Maior indústria de pescados do país, a septuagenária Frescatto Company está surfando na mudança dos hábitos de consumo dos brasileiros. [...]
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.