Edição nº 1126 20.06 Ver ediçõs anteriores

O otimismo no radar

O otimismo no radar

No plano das intenções, o que está desenhado para a economia brasileira em 2019 pode ser encarado como o melhor dos mundos. Do setor público ao privado, a palavra de ordem parece ser uma só: investir, com todos os efeitos positivos decorrentes desse movimento. É uma disposição que, em muitos casos, já evoluiu à prática. Ainda no apagar das luzes do ano passado, a FGV foi a campo checar o estado de confiança industrial e trouxe números reluzentes. Das corporações pesquisadas, nada menos que 31% delas informaram ter certeza de que realizarão investimentos ao longo do atual exercício.

Várias entre essas confirmaram já estar executando os desembolsos. Outras 43,1% se disseram “quase certas” de novas inversões. No universo consultado encontravam-se companhias de diversos setores, dos transportes ao de máquinas pesadas, siderúrgicas, mineradoras etc. A melhora no ambiente para fazer negócios parece ser uma sensação que predomina majoritariamente nas empresas ouvidas. E as condições positivas nesse sentido vão da inflação controlada aos juros em patamares quase civilizados, estoque de reservas cambiais confortáveis e, principalmente, a mudança de governo. Há uma declarada aposta na gestão que se inicia e ela está ancorada em pressupostos que o mercado compra como ideais.

O programa liberal do ministro Paulo Guedes, por exemplo, que inclui privatizações em série e desafogo tributário para as corporações, soa como música à produção. Foi essa a tese econômica que os empreendedores compraram na eleição e é ela que eles querem ver adotada o quanto antes. O roteiro otimista de crescimento inclui, obviamente e como pilar basilar, a reforma da Previdência. A premissa de que tanto o mandatário Jair Bolsonaro como o seu ministro Guedes darão prioridade máxima ao assunto trás uma certa tranquilidade aos agentes econômicos. Se tudo correr bem, dentro do script, eles acreditam em um avanço da ordem de 2,5% a 3% no PIB no ano. Seria a confirmação de que a estabilidade se consolidou após o longo período recessivo.

Alguns receios ainda permanecem especialmente quanto ao impacto de eventuais crises externas. O FMI tem falado sistematicamente em recuo do crescimento no mundo. As mexidas de rumo nos EUA preocupam. As diferenças já manifestadas com a China, também. O concerto das Nações no âmbito do Mercosul deve sofre novo solavanco a partir da intenção do presidente Bolsonaro e de Guedes de rever os modelos de parceria. São fatores que não podem ser desconsiderados. Mas, se ao final deste primeiro semestre, o Governo tiver conseguido avançar ao menos na implantação das reformas e na recuperação dos empregos, já terá tido uma vitória digna de nota e fará jus, com louvor, às expectativas depositadas nele pelo empresariado.

(Nota publicada na Edição 1102 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O gás que faltava

Após o lote de revezes econômicos e as más notícias em cascata, eis que a confirmação de uma extraordinária descoberta de poços de gás [...]

A moeda do “sur-real”

Soou como a mais nova piada econômica produzida por delírios de governantes que não enxergam nada mais à frente do que o oportunismo [...]

Na base do decreto

Um antigo e recorrente expediente ganhou status de arma fatal do governo Bolsonaro. O Decreto-lei passou a ser a fórmula usual de [...]

Além da reforma

Está bem evidente o risco de se apoiar toda a virada econômica brasileira no fio tênue da reforma da Previdência, como até recentemente [...]

Enquanto isso, na economia…

Estagnação, deflação, recessão. Chame-a de acordo com as características técnicas que quiser, o fato é que ela está voltando sobre os [...]
Ver mais