Dinheiro em Ação

O novo horizonte da Vale

Crédito: Julio Bittencourt/Valor/Folhapress

Papéis avulsos

Fábio Schvartsman, o novo CEO da Vale, conseguiu uma vitória, na terça-feira 27, ao obter a aprovação dos acionistas para as mudanças na governança da mineradora. Hoje, a Vale é controlada pela Valepar, holding pertencente ao Bradesco, ao grupo japonês Mitsui, a fundos de pensão e ao BNDES. Com a mudança, a Vale deve incorporar a Valepar, e se tornará uma empresa sem controle definido. Pelas novas regras, se um acionista possuir mais de 25% das ações, ele terá de fazer uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) pelo restante do capital, o que deve desestimular a concentração. Para os analistas, isso deverá reduzir a influência do governo nas decisões, o que vai melhorar os resultados no longo prazo. Todas as ações preferenciais serão convertidas em ordinárias. Os acionistas vão receber 0,9342 ação ON para cada ação PNA. O prazo para adesão vai até 11 de agosto.

 

Touro x Urso

O Índice Bovespa encerrou o primeiro semestre com uma valorização de apenas 3,3%, abaixo dos 5,6% de oscilação dos juros de mercado, medidos pelo CDI, nesse período. Os preços das ações ainda não se recuperaram do baque do dia 18 de maio, primeiro pregão após a divulgação da delação de Joesley Batista, CEO da holding J&F. Para os analistas, o índice pode voltar a subir em breve, devido ao fluxo de recursos internacionais para o mercado.

 

Quem vem lá

IPO do Carrefour pode atingir R$ 5,6 bi

Agendada para 20 de julho, a abertura de capital do Carrefour pode levantar até R$ 5,6 bilhões, sem considerar ofertas suplementares. A faixa de preço para o lançamento ficou entre R$ 15 e R$ 19 por ação ordinária. Serão vendidas 205,8 milhões de novas ações e 91,2 milhões de ações já existentes, que pertencem ao Carrefour e à Península. A family office de Abilio Diniz é a terceira maior acionista do grupo francês.

 

Quem não vai lá

CVM suspende OPA do Banco Indusval

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) suspendeu, na terça-feira 27, a oferta pública de aquisição (OPA) para fechamento de capital do Banco Indusval. Na véspera, o banco havia divulgado estar negociando uma “parceria estratégica”, que não envolvia a venda do controle. A CVM determinou que o banco envie informações atualizadas até o dia 26 de outubro. Caso contrário, a OPA poderá ser cancelada. No ano, as ações do Indusval sobem 10,1%.

 

Destaque no pregão

A saída americana da Gerdau

A alternativa da Gerdau à retração da economia brasileira são os investimentos nos Estados Unidos. André Gerdau Johannpeter, CEO da siderúrgica, disse a analistas em Nova York, na quarta-feira 28, que a expectativa da empresa é faturar 3% mais, neste ano, em suas operações americanas. Elas já são responsáveis por 40% da receita do grupo. Nos últimos três anos, a companhia está desinvestindo. Vendeu siderúrgicas na Espanha, na Guatemala e na Colômbia, e ainda deve sair de outros países. O Brasil e os Estados Unidos vão permanecer como os pilares da estratégia da siderúrgica. As ações da Gerdau estão entre as principais recomendações do setor de várias casas, como Eleven e Citi. No ano, as ações recuam 4,9% e fecharam a quarta-feira 28 a R$ 10,27.

Palavra do analista:
Os analistas do Citi consideram positiva a intenção da empresa de reduzir sua dívida e direcionar recursos para os dividendos. Para o Citi, as ações podem ter um impulso. O banco recomenda a compra dos papéis, e estabeleceu um preço-alvo de R$ 13,50, com alta potencial (upside) de 31,5%.

 

Telefonia

Anatel multa Oi em R$ 50 milhões

A Anatel multou a operadora de telefonia Oi em R$ 50 milhões, valor máximo permitido para uma multa da agência. A justificativa para a punição foi a Oi ter cobrado por serviços sem autorização dos assinantes. A operadora admitiu 780 mil casos de cobrança de serviços de terceiros, como SOS Fone, Sorriso Premiado, Seguro em Casa e Super Seguro Premiado Individual, entre janeiro e março de 2006. No ano, as ações da Oi avançam 48,4%.

 

 

Mercado em números

BRASILCAP
R$ 1,2 bilhão – É a meta de receita da empresa de capitalização do BB em 2017. Ela atingirá esse número com a venda de títulos de capitalização para empresas, que hoje respondem por 14% do total de negócios.

ROSSI RESIDENCIAL
R$ 110 milhões – Foi o valor da dívida paga pela incorporadora à RB Capital, mediante a doação de imóveis prontos, em diversas regiões do Brasil. Eles correspondem a 10% do estoque já construído.

AREZZO
R$ 21,5 milhões – É quanto a empresa de calçados pagará a seus acionistas, sob a forma de juros de capital próprio, referentes ao primeiro semestre do ano. O valor será de pouco menos de R$ 0,24 por ação.

SARAIVA
21,6% – Foi a alta das ações preferenciais da empresa de varejo na terça-feira 27, devido a rumores não-confirmados de interesse da americana Amazon pela empresa. A Saraiva não comentou.

CEMIG
2,5 vezes – É o novo limite de endividamento, considerando a geração de caixa, medida pelo Ebitda, da estatal energética mineira. O limite anterior era de duas vezes o Ebitda.