O novo Bugatti de US$ 9 milhões

O novo Bugatti de US$ 9 milhões

A Bugatti decidiu homenagear um dos seus carros esquecidos dos anos 90, o EB110. O Bugatti Centodieci foi desenhado para ser um versão contemporânea do veículo, mas utilizando a base do Chiron. Criado em 1991, o EB110 era equipado com motor V12 quatro turbos de 3,5 litros e um dos mais rápidos do seu tempo, competindo diretamente com o McLaren F1. O motor no novo carro, no entanto, é W16 de 8,5 litros com turbocompressor, reajustado para produzir 1577 cavalos de potência, quase 100 a mais do que o Chiron. O peso também foi reduzido para modestos 44 quilos, o que dá mais potência ao Centodieci. O veículo vai de 0 a 100 km/ h em 2,4 segundos e atinge velocidade máxima de 380 km/h. A Bugatti fabricou apenas 10 unidades e todas já foram vendidos por US$ 9 milhões cada.

(Nota publicada na Edição 1136 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O Dalmore de R$ 300 mil

O Dalmore de R$ 300 mil O malte único deste uísque de 51 anos foi originalmente destilado em 1966. Por aí, já dá para saber que se [...]

O Lamborghini mais vendido (e valente) do mundo

Para os meros mortais, pode parecer inacreditável a informação de que há uma fila de espera, de três meses, para comprar um carro de R$ [...]

Estilo aos seus pés

Uma das maiores grifes do esporte global, a americana Nike tem como marca registrada os seus tênis inovadores. Lançados num passado [...]

Horas de requinte

Hoje em dia, ninguém precisa mais de relógio para ver as horas. Os celulares cumprem muito bem essa função. Mas ter um acessório lindo [...]

Uma boutique Gucci só para eles

A Gucci acaba de anunciar que abrirá mais uma loja nos Estados Unidos. Trata-se de uma boutique em Beverly Hills, cidade dos ricaços e [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.