Edição nº 1104 18.01 Ver ediçõs anteriores

“O nome do jogo é informação”, diz presidente da Acrefi

“O nome  do jogo é informação”, diz presidente da Acrefi

Hilgo Gonçalves acaba de ser reeleito para comandar por mais dois anos a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), que reúne mais de 58 associados. Ele conversou com a coluna sobre o que pretende fazer na nova gestão, por que o crédito ainda é tão caro e como baratear as taxas. Acompanhe:

O que o senhor pretende fazer neste novo mandato?
Quando assumi a Acrefi, pela primeira vez, em maio de 2016, vim com uma experiência de mais de 40 anos no mercado financeiro. Comecei como contínuo e cheguei a ser presidente do banco Losango. Na época, vim para representar melhor o setor e também para buscar a sustentabilidade do crédito, para o uso consciente das informações. É ter mais informações. Do lado do consumidor, a educação financeira para tomar o crédito certo para a necessidade certa. Do lado do banco, dar mais informações ao tomador de crédito. Vamos continuar incentivando isso.

A taxa Selic cai e o crédito continua caro. O que acontece?
Cada vez mais tenho dito que a principal carga do crédito ainda é o custo da inadimplência. Para combater isso, a melhor maneira é a educação financeira. Quando você conhece melhor o consumidor e o consumidor conhece melhor os produtos do banco, a inadimplência é menor. Outra bandeira nossa é o Cadastro Positivo, que já deveria estar funcionando. Ele trará maior conhecimento do cliente que está cumprindo os seus compromissos. O fator risco diminuirá e, consequentemente, a inadimplência será reduzida e o crédito ficará mais barato.

Reduz a inadimplência em quanto?
Vou te dar o exemplo do Chile. Há estudos que mostram que a inadimplência do país foi reduzida em cerca de 40%. Outra coisa importante: a relação crédito/PIB no Chile alcança 100%, enquanto no Brasil essa relação é de 46%. Por que isso acontece? Porque há informações. Com isso, eles emprestam mais e a taxas menores. Portanto, o nome do jogo é informação.

(Nota publicada na Edição 1066 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Pedro Arbex)


Mais posts

Multilaser agora fala mandarim

Em 2002, a China entrou no roteiro de Alexandre Ostrowiecki, CEO da brasileira Multilaser, marca que vende desde computadores e [...]

História sem fronteira

A Dentro da História, uma startup de Campinas que já vendeu 250 mil livros personalizados em dois anos de operação, vai em busca do [...]

Duplicatas do trilhão

A regulamentação da duplicata eletrônica deve impulsionar o mercado de crédito. Segundo a Central de Registro de Direitos Creditórios (CRDC), o estoque de empréstimos lastreados em duplicatas pode chegar a R$ 1,215 trilhão ao ano em 2023, crescimento de 43% contra os R$ 849 bilhões no fim de 2018. “A duplicata eletrônica vai facilitar o […]

Escola de empreendedorismo

Segundo números divulgados pelo IBGE, em outubro de 2018, o Brasil acumula três anos seguidos de saldo negativo de empresas formais. De [...]

Charge da semana

(Nota publicada na Edição 1104 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Carlos Eduardo Valim, Felipe Mendes e Moacir Drska)
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.