O negócio nada virtual de João Appolinário

O negócio nada virtual de João Appolinário

O empresário João Appolinário, fundador e CEO da Polishop, uma das maiores empresas de varejo do Brasil, se prepara para vender mais do que os produtos que anuncia em seus catálogos, em seus programas de televisão, no site e em suas mais de 250 lojas espalhadas pelo Brasil. Appolinário agora vai comercializar soluções de realidade aumentada e realidade virtual. O empresário é dono de 40% da Flex Interativa, uma agência especializada nesse tipo de produto, e vinha testando todas as tecnologias desenvolvidas pela companhia dentro da Polishop. “Foi o nosso laboratório para poder oferecer para outras empresas”, diz Appolinário. “Nos últimos seis meses, colocamos realidade aumentada e virtual nos produtos que estavam na loja e na nossa revista”, diz Appolinário. Basta baixar um aplicativo e apontar para o produto: ou vem um holograma com uma mensagem ou um vídeo explicando as funcionalidades do objeto.

 

Do Brasil para o mundo

Com o uso constante da tecnologia e maior envolvimento com a Flex Interativa, Appolinário resolveu botar o projeto debaixo do braço e já está contatando alguns varejistas de seu relacionamento. “Custa entre R$ 50 mil e R$ 150 mil com o desenvolvimento do aplicativo e cinco ações incluídas. O que torna mais caro é se o cliente quiser animação em 3D”, diz o empresário, que conheceu a agência em um dos episódios do programa Shark Tank Brasil, do canal Sony, no qual é um dos jurados. “Num primeiro momento, investi comprando 20% da companhia. Depois, resolvi comprar mais 20% do negócio.” A aposta é tão alta que, recentemente, Appolinário se reuniu com varejistas americanos nos Estados Unidos para mostrar as soluções da Flex. No Brasil, diz o empresário, empresas como Ipiranga e Henkel já usaram a tecnologia em produtos e treinamentos.

(Nota publicada na Edição 1081 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Carlos Eduardo Valim, Márcio Kroehn e Moacir Drska)

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

Operação Colômbia

Uma das maiores companhias brasileiras em sistemas de gestão de risco corporativo, a Luz Soluções Financeiras desembarcou na Colômbia [...]

Lotados nas férias

“Espetacular”, é como o presidente do Grupo Tauá de Hotéis, Daniel Ribeiro, define o desempenho da empresa nos últimos dois meses. [...]

Siemens não perde a esperança

De crises, economia bagunçada e política que se assemelha a um espetáculo tragicômico os italianos entendem bem. Pode ser por isso que [...]

Injeção de ânimo

Se depender da capacidade instalada da indústria brasileira, não vão faltar agulhas e seringas para a vacinação em massa contra a [...]

Otimismo à francesa

Enquanto empresas como Sony, Mercedes-Benz e Ford fecham fábricas e encerram suas operações no Brasil, um estudo da Câmara de Comércio França-Brasil (CCIFB-SP), divulgado com exclusividade à MOEDA FORTE, mostra as multinacionais francesas interessadas em ampliar suas operações no País. Para 32% dos presidentes e CEOs consultados, o mercado brasileiro está entre os três principais […]

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.