Edição nº 1113 22.03 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Antonio Carlos Pipponzi, presidente do Instituto para Desenvolvimento do Varejo

O negócio físico não sobrevive sem o virtual. E vice-versa

Murillo Constantino

O negócio físico não sobrevive sem o virtual. E vice-versa

Depois de transformar a Droga Raia em um dos maiores grupos farmacêuticos do mundo, o líder da entidade varejista luta junto ao governo por regras adequadas para o e-commerce e pela redução da informalidade

Felipe Mendes
Edição 01/03/2019 - nº 1110

Engenheiro de formação, o empresário Antonio Carlos Pipponzi, 66 anos, encontrou no mercado de farmácias a fórmula para o sucesso. Assumiu, em 1977, o controle da Droga Raia, fundada por seu avô, quando a empresa tinha apenas sete lojas e era conhecida como Droga Pan. Encabeçou a oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da Raia em 2010 e, no ano seguinte, liderou uma das fusões mais bem-sucedidas do varejo brasileiro, que culminou com a criação da Raia Drogasil, rede de 1.849 lojas que faturou R$ 14,8 bilhões em 2018. O grupo farmacêutico assinou, na terça-feira 26, um novo acordo para a aquisição da rede Onofre, controlada pela gigante americana CVS Health.

Quando recebeu a DINHEIRO na sede do Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV), em São Paulo, Pipponzi estava em uma movimentação atípica. Parou a conversa diversas vezes para falar ao telefone. Do outro lado da linha estava o pediatra Antonio Sérgio Petrilli, cofundador do Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (Graacc). O intuito era nobre. “Uma mãe que veio do Paraguai para o Brasil nos procurou porque tem uma filha de dois anos que está com quadro de leucemia. Não tínhamos o remédio que essa mãe precisava na 4Bio [bandeira de medicamentos especiais da Raia Drogasil]. A Pfizer também não. Mas o Dr. Petrilli conseguiu. Foi uma história com um final feliz”, diz Pipponzi, que deixará a presidência do IDV em abril, após mais de dois anos em um dos cargos mais importantes para o varejo no País.

DINHEIRO – A Onofre é a rede de farmácias líder em vendas no e-commerce brasileiro. Hoje, 45% da receita dela vêm desse canal. O objetivo da aquisição é ampliar a oferta de serviços digitais da Raia Drogasil utilizando essa expertise?

ANTONIO CARLOS PIPPONZI – Nós temos investido para aprimorar o nosso e-commerce, mas a Onofre já investe nisso há muito tempo. É onde a empresa é forte. Eles têm a capacidade de reunir muitos pedidos numa mesma entrega por conta do volume que vendem na internet. Isso diminui os custos, o que acaba sendo bom para a competitividade. Acho que podemos fazer bom uso do centro de processamento de pedidos que a Onofre tem na Mooca, zona leste de São Paulo. Isso vai alavancar a nossa operação no e-commerce e de entregas de modo geral.

DINHEIRO – Além da operação do e-commerce, a Onofre é uma rede com 50 lojas físicas, sendo que 47 delas operam em São Paulo, principal mercado da Raia Drogasil.

PIPPONZI – As lojas da Onofre estão em bons pontos e são bem localizadas. Nós entendemos que o negócio seria uma grande oportunidade por conta do preço e por termos a possibilidade de usar a estrutura da Onofre para agregar ao nosso e-commerce.

“Temos a possibilidade de usar a estrutura da Onofre para alavancar o nosso e-commerce”Elizangela Kioko, CEO da Onofre desde 2015, foi a responsável por liderar a transformação digital da empresa, adquirida pela Raia Drogasil (Crédito:Claudio Gatti)

DINHEIRO – A aquisição vinha sendo costurada desde o Natal. A CVS, inclusive, procurou concorrentes e fundos de investimento que pudessem assumir a operação da Onofre no País. Como foi esse processo?

PIPPONZI – Foi um processo direto e muito rápido, tratado na alta cúpula da CVS, lá em Nova York. Começamos a conversar com a CEO da Onofre, Elizangela Kioko, no Brasil e, depois, tivemos duas reuniões nos Estados Unidos. O processo de negociação demorou cerca de 40 dias e foi finalizado na última terça-feira. Foi uma transação interessante. Os valores, infelizmente, nós não podemos divulgar por conta de um pedido da CVS Health.

DINHEIRO – Existem hoje 76 mil farmácias no Brasil. Esse mercado não está saturado?

PIPPONZI – As pessoas enxergam esse mercado como um setor em consolidação, seja pelo aumento da taxa de envelhecimento, o que vai propiciar um crescimento na venda de medicamentos, seja pelo lado da renda, que também ajuda a alcançar um aumento da demanda no segmento de beleza e higiene. É um mercado de tamanho muito expressivo, mas a Raia Drogasil, mesmo na posição de líder, tem apenas 13% de participação. Nos Estados Unidos, a consolidação se deu com dois players que têm 20% de presença cada um. Eu acredito que existem muitas farmácias , as redes partiram para um processo violento de crescimento. Nós fizemos isso organicamente, fomos para outros mercados com cuidado, construímos uma marca e crescemos com muita saúde.

DINHEIRO – O que o IDV pode fazer para melhorar o País? Como está sendo o trabalho junto à equipe econômica liderada por Paulo Guedes?

PIPPONZI – Nossa atuação com o governo está relacionada a três temas: o tributário, o financeiro e o tema de simplificação. Em linhas gerais, essas são as nossas pautas. Ao mesmo tempo, estamos trabalhando com o Centro de Liderança Pública (CLP) em outros temas, como o da Previdência e o da reforma do Estado. Uma vez que nós estabelecemos o que iríamos defender, marcamos uma conversa com o Paulo Guedes e fomos muito bem recebidos. Já foram dois encontros, um no dia 26 de dezembro e outro mais recente, há poucas semanas.

DINHEIRO – O que tem sido discutido com o novo governo?

PIPPONZI – O governo tem uma pauta enorme de reformas, é liberal e ciente das travas que precisam ser retiradas do País. Minha sensação é de que nós temos uma equipe econômica extraordinária, capaz de reformular esse País dentro de uma tese liberal. Não sei se “reconstruir” seria uma palavra forte, mas precisamos mudar a ordem econômica do Brasil. O que nós percebemos do Paulo Guedes, do discurso liberal dele, é que ele é pró-descomplicação, pró-revogação de medidas que hoje emperram o crescimento. Nossa intenção é participar desse movimento de retomada do País com o novo governo. Levamos uma pauta dividida em três temas: o de simplificação, o tributário e o financeiro. Expusemos isso em linhas gerais e estamos procurando cada um dos secretários para apresentar essas propostas em detalhes, para que possamos construir juntos.

DINHEIRO – Vários empresários estão atuando mais ativamente na política hoje. Você também pretende aderir a esse movimento?

PIPPONZI – Acho que já estou na política. Quando você está à frente de um instituto que representa os interesses do varejo, isso já significa uma atuação política. Admiro muito o Salim Mattar, que é apaixonado pela Localiza. Convivo muito com ele no Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC). Acho admirável ele ter deixado sua empresa para enfrentar o desconhecido, numa fase em que poderia estar gozando de um conforto muito maior. Estou procurando exercer uma influência sobre a classe empresarial do varejo. Mas nunca pensei em ter um cargo no Poder Legislativo ou no Executivo. O meu grande aprendizado foi o do empreendedorismo. Isso é o que eu quero devolver para a sociedade. Hoje, eu divido a minha vida entre a Raia Drogasil, como presidente do conselho de administração, e trabalhando sem qualquer tipo de remuneração em vários institutos.

DINHEIRO – Qual é a sua visão sobre a proposta de reforma da Previdência apresentada?

PIPPONZI – Eu acho que é a reforma adequada, é agressiva. Está falando em economizar R$ 1 trilhão. Ela se baseia no equilíbrio entre o setor público e o privado. Acho que existe um grande discurso para mobilizar a sociedade, para entender que nós temos um desnível que precisa ser corrigido. É preciso entender que o País vai envelhecer. Vamos ter uma etapa difícil de negociações, porque existe um corporativismo muito grande no Brasil e cada grupo vai procurar se defender. Mas acho que ela, de uma forma geral, está sendo bem tocada. Estamos em contato com o secretário especial da Previdência e Trabalho, procurando entender de que forma nós podemos apoiar. Estamos prontos para exercer o nosso papel.

“A informalidade sempre existiu e se acentua ainda mais em tempos de crise”Criado em 2004, o Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV) preconiza o combate à informalidade no setor

DINHEIRO – Em 2018, a taxa de desemprego caiu em 18 das 27 unidades da federação, segundo números do IBGE. Isso é reflexo da reforma trabalhista?

PIPPONZI – A reforma foi muito positiva. O problema é que ainda existe uma insegurança jurídica muito grande. A atuação do IDV às vezes chega ao nível do Poder Judiciário, porque temos feito esforços para debater com os juízes temas que foram implementados pela reforma, mas que ainda não foram referendados. Um bom exemplo disso é o trabalho intermitente. A informalidade já existe. Quando você vai a um restaurante no fim de semana vê vários garçons trabalhando. Você acha que todos eles são funcionários registrados? Não são. Falar de trabalho intermitente é importante para ajudar a formalizar determinadas atividades em que você tem uma variação da demanda muito grande ao longo da semana. Quem escolhe o horário do varejo não é o dono da loja, é o consumidor.

DINHEIRO – Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a crise fechou 226,5 mil lojas em todo o País. O quanto disso é culpa do mercado informal?

PIPPONZI – A informalidade sempre existiu e se acentua ainda mais em momentos de crise. Temos uma preocupação especial em relação ao varejo virtual, aos marketplaces. Quando falamos num regime de tributação de base, essas novas modalidades de negócios nos preocupam muito.

DINHEIRO – As ofertas agressivas do e-commerce chegam a ser desleais para a sobrevivência das lojas físicas?

PIPPONZI – Nem sempre. É preciso entender que a tecnologia transformou o mundo. O varejo foi um dos primeiros setores a ser impactados com isso. O consumidor está na nossa porta, olhando as promoções e comparando pelo celular com os preços oferecidos na internet. Existe uma percepção, no mundo do varejo, de que o negócio físico não sobrevive sem o negócio virtual, e vice-versa. Um exemplo disso é o Walmart, uma rede extremamente capilar, que começa a investir muito no comércio eletrônico nos Estados Unidos. Do outro lado, você tem a Amazon, que começa a se consolidar e a comprar cada vez mais lojas. Cada um precisa entender a natureza do seu negócio.

DINHEIRO – E como fazer isso?

PIPPONZI – Em cada segmento, existem empresas que estão se destacando exatamente por entender o momento atual do varejo. Acabei de voltar da NRF, maior evento do varejo mundial, em Nova York. Para mim, ficou claro que as varejistas precisam investir para propiciar uma experiência de compra diferenciada. É preciso ser hábil, mapear a jornada do cliente e entendê-lo cada vez mais. Para isso, os dados dos clientes se tornam mais importantes. O desafio do varejo moderno é buscar ofertas cada vez mais customizadas.

DINHEIRO – O Brasil tem amarras que variam de estado a estado. Isso dificulta uma expansão a nível nacional?

PIPPONZI – Existe esquizofrenia entre os estados. O sistema é totalmente remendado e simplificá-lo é fundamental. Isso é percebido pelo secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, com quem nós já tivemos uma conversa. Uma reforma tributária, além de trazer a simplificação, aumentará a base de arrecadação e será eficaz no que se refere ao combate da ilegalidade e sonegação. A primeira medida deve ser cobrar de quem não paga impostos e não cobrar mais de quem já paga.

DINHEIRO – De acordo com o IBGE, o mercado varejista cresceu 2,9% no ano passado, números aquém do que era projetado. O que podemos esperar para 2019?

PIPPONZI – Em 2018, a taxa de crescimento do varejo realmente não foi nada entusiasmante. A nossa taxa de crescimento, das empresas que compõem o IDV, ficou em torno de 4,5%. Acho que, de forma geral, existe um clima muito mais de otimismo do que aquele clima de apreensão, de pessimismo, que tomou o consumidor às vésperas das eleições. Um otimismo maior reflete em uma retomada no índice de vendas.

DINHEIRO – O que falta ser aprimorado na relação entre varejo e indústria?

PIPPONZI – O varejo é um grande captador de dados. E isso dá grandes possibilidades de parcerias, para que a indústria possa formular seus produtos e, ao mesmo tempo, estabelecer sua estratégia de venda com o varejo. A indústria quer saber como está o cliente ante os produtos dela. É necessário avançar o sistema de compartilhamento de dados, para que o varejo e a indústria usem a mesma base e sejam mais competitivos nos pontos de venda.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Anatel inicia bloqueio de celulares em 15 estados

prêmio de US$ 1 milhão

Queniano é eleito melhor professor do mundo


NEGÓCIOS & CARREIRA


GM diz que iria investir R$ 10 bilhões após receber incentivo em São Paulo

GM diz que iria investir R$ 10 bilhões após receber incentivo em São Paulo

Depois da ameaça de abandonar o Brasil, a montadora ganha incentivo do governo paulista e anuncia um investimento de R$ 10 bilhões

Novo dress code corporativo dá liberdade, mas pede bom senso

Novo dress code corporativo dá liberdade, mas pede bom senso


Editorial

O que vem com os 100 mil pontos

por Carlos José Marques

por Carlos José Marques

O que vem com os 100 mil pontos

É naturalmente mais que uma mera barreira psicológica. A aposta na Bolsa que rompeu de maneira histórica um patamar extraordinário e que segue levantando os números para uma escala nunca antes experimentada – se fala em até 130 mil pontos, caso a Reforma da Previdência passe em sua plenitude, sem descaracterizações ou rastros de privilégio


Tecnologia


América Movil compra Nextel e promove Claro a vice-líder do setor no Brasil

Telefonia

América Movil compra Nextel e promove Claro a vice-líder do setor no Brasil

América Movil, dona da Claro, compra Nextel por R$ 3,4 bilhões. Com isso, operadora ultrapassa a Tim e crava a vice-liderança do setor no Brasil

Myspace perde 50 milhões de arquivos. De artistas anônimos a famosos

Foi pro espaço

Myspace perde 50 milhões de arquivos. De artistas anônimos a famosos

Esses caras já foram o Facebook do começo do milênio. Acabam de perder 50 milhões de arquivos de 14 milhões de contas. De artistas anônimos a famosos


Entrevista

Federico Schumacher, presidente do PayPal para a América Latina

Federico Schumacher, presidente do PayPal para a América Latina

"Pagamento on-line é a chave para desenvolver o Brasil"

A empresa americana de meios de pagamento digitais, com mais de 10 milhões de contas na América Latina, anuncia investimento de US$ 750 milhões em ações do Mercado Livre e procura novos parceiros para crescer


Finanças


Seu nome vai entrar no cadastro positivo, quer você queira ou não

Cadastro positivo

Seu nome vai entrar no cadastro positivo, quer você queira ou não

A partir de agora, seu nome vai entrar no cadastro positivo, quer você queira ou não. Mas há dúvidas se isso vai, enfim, derrubar o spread bancário. A resposta: no curto prazo, não

Nova Previdência pode gerar receitas de R$ 388 bi por ano aos bancos

Reforma

Nova Previdência pode gerar receitas de R$ 388 bi por ano aos bancos

Reforma da Previdência pode gerar receitas de R$ 388 bilhões por ano para gerir os recursos


Estilo

Palácio Tangará adere a eventos corporativos e turbina os lucros

Hotelaria

Hotelaria

Palácio Tangará adere a eventos corporativos e turbina os lucros

O hotel paulistano que cobra diárias de até R$ 38 mil aposta em eventos corporativos na expectativa de faturar R$ 100 milhões este ano


Negócios

O plano da Aena para o Brasil

após leilões

O plano da Aena para o Brasil

Estatal espanhola que é a maior operadora de terminais do mundo paga ágio de 1.010% em leilão de aeroportos no Nordeste. Como ela pretende lucrar?

Os muitos destinos da CVC

expansão digital

Os muitos destinos da CVC

A operadora de viagens de lazer adquire nove empresas – duas na Argentina – e agora busca o público corporativo e a consolidação do seu canal digital

O salto digital da Algar Tech

novo perfil

O salto digital da Algar Tech

Braço de serviços de tecnologia do grupo Algar, a empresa investe para dar um novo perfil aos tradicionais call centers


Economia


Mercados desabam após prisão do ex-presidente Michel Temer

Após ação da Lava Jato

Mercados desabam após prisão do ex-presidente Michel Temer

Mercados desabam com a decisão da Lava Jato, que aponta o ex-presidente como “líder de uma organização criminosa”

Governo mantém status diferenciado para militares na Previdência

Reforma

Governo mantém status diferenciado para militares na Previdência

Ao atrelar a reforma dos militares a uma revisão da carreira da categoria, governo Bolsonaro mantém status diferenciado para as Forças Armadas


Blog

Marilisa Allegrini, a embaixadora dos vinhos do Vêneto

Por Suzana Barelli

Por Suzana Barelli

Marilisa Allegrini, a embaixadora dos vinhos do Vêneto

Da sexta geração da família produtora de vinhos italianos, ela demorou a entrar no mundo do vinho por achar que os irmãos assumiriam o negócio


Colunas


A operação interna da Bradesco Saúde

Moeda forte

A operação interna da Bradesco Saúde

Apple põe tecnologia ‘de lado’ para ser Netflix

Dinheiro em bits

Apple põe tecnologia ‘de lado’ para ser Netflix

Aquecimento do Ártico já é irreversível

Sustentabilidade

Aquecimento do Ártico já é irreversível

Braskem vai distribuir R$ 2,67 bi em dividendos

Dinheiro em ação

Braskem vai distribuir R$ 2,67 bi em dividendos

Indian movida a Jack Daniels

Cobiça

Indian movida a Jack Daniels


Artigo

Prepare-se para a viagem mais transformadora da sua vida profissional

Por Hélio Gomes

Por Hélio Gomes

Prepare-se para a viagem mais transformadora da sua vida profissional

A edição 2019 do SXSW atraiu 1.700 brasileiros, entre as mais de 300 mil pessoas que compareceram às centenas de palestras, debates e apresentações desse evento vulcânico — em intensidade extrema

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.