Edição nº 1066 20.04 Ver ediçõs anteriores

“O mercado de luxo nunca esteve tão forte”

Entrevista com Matthew Upchurch, CEO da Virtuoso

“O mercado de luxo nunca esteve tão forte”

O executivo Matthew Upchurch, nascido no México de pais americanos, comanda a maior rede de agências de viagens de luxo do planeta, com faturamento de US$ 21 bilhões no ano passado. Ele viaja o mundo em busca de novos clientes e mapeando oportunidades de negócios. Em uma dessas viagens, em Las Vegas, falou à DINHEIRO sobre o Brasil e como a indústria do luxo atravessou a crise. Acompanhe sua entrevista:

O Brasil perdeu relevância no mapa-múndi do mercado do turismo de luxo?
A crise brasileira prejudicou muito o crescimento do setor, mas não fez o País andar para trás. Apenas não houve crescimento. O Brasil é o segundo destino dos clientes da Virtuoso na América do Sul, atrás do Chile. Depois de um período de estagnação, entre 2015 e 2016, as vendas aumentaram 11% no ano passado. Seja com crise ou sem crise, o Brasil é sempre atraente para viajantes de luxo por sua diversidade de cultura e de destinos. Há muita arte, cultura, história e gastronomia. Posso te garantir que, tanto no Brasil como no mundo, o mercado de luxo nunca esteve tão forte.

As agências tradicionais não irão desaparecer com a popularização das vendas pela internet?
No mercado de luxo, a internet impacta menos do que nas outras categorias. Mesmo assim, a internet tem se tornado um aliado. O cliente entra no site, escolhe o pacote de luxo que mais lhe agrada e, em seguida, procura por um dos nossos agentes de viagem. Nada substitui o contato humano, o sorriso, a confiança de um especialista, o olho no olho. Nossas agências se especializam em um destino, um estilo de viagem que não é possível determinar pela internet.

Os consumidores estão mudando seus hábitos de consumo?
Não. Estão sofisticando seus gostos e, cada vez mais, buscando novas experiências. Não apenas novos destinos. Por isso, o mercado de luxo terá de se aprimorar para sempre oferecer algo de novo, algo fora do convencional. O futuro do nosso setor dependerá disso.

(Nota publicada na Edição 1052 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Rachel Rubin e Machado da Costa)


Mais posts

As empresas viajam

Não é novidade que a Flytour, uma das maiores empresas de turismo do Brasil, com faturamento de R$ 5,5 bilhões, cresceu 11% em 2017. [...]

A iGUi mergulha nos EUA

Aos poucos, a marca de piscinas iGUi, de Gravataí, no Rio Grande do Sul, vai ganhando o mundo. De suas 570 lojas, 170 estão espalhadas [...]

“O nome do jogo é informação”

Hilgo Gonçalves acaba de ser reeleito para comandar por mais dois anos a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento [...]

Um novo capítulo para o Citi

Desde que vendeu sua operação de varejo para o Itaú Unibanco por R$ 710 milhões, o Citi passou a trabalhar na transição de suas 71 [...]

Inteligência artificial, crescimento real

A inteligência artificial vem ganhando um espaço cada vez maior dentro das empresas e os resultados da Stefanini, uma das maiores [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.