“O mercado de luxo nunca esteve tão forte”

Entrevista com Matthew Upchurch, CEO da Virtuoso

“O mercado de luxo nunca esteve tão forte”

O executivo Matthew Upchurch, nascido no México de pais americanos, comanda a maior rede de agências de viagens de luxo do planeta, com faturamento de US$ 21 bilhões no ano passado. Ele viaja o mundo em busca de novos clientes e mapeando oportunidades de negócios. Em uma dessas viagens, em Las Vegas, falou à DINHEIRO sobre o Brasil e como a indústria do luxo atravessou a crise. Acompanhe sua entrevista:

O Brasil perdeu relevância no mapa-múndi do mercado do turismo de luxo?
A crise brasileira prejudicou muito o crescimento do setor, mas não fez o País andar para trás. Apenas não houve crescimento. O Brasil é o segundo destino dos clientes da Virtuoso na América do Sul, atrás do Chile. Depois de um período de estagnação, entre 2015 e 2016, as vendas aumentaram 11% no ano passado. Seja com crise ou sem crise, o Brasil é sempre atraente para viajantes de luxo por sua diversidade de cultura e de destinos. Há muita arte, cultura, história e gastronomia. Posso te garantir que, tanto no Brasil como no mundo, o mercado de luxo nunca esteve tão forte.

As agências tradicionais não irão desaparecer com a popularização das vendas pela internet?
No mercado de luxo, a internet impacta menos do que nas outras categorias. Mesmo assim, a internet tem se tornado um aliado. O cliente entra no site, escolhe o pacote de luxo que mais lhe agrada e, em seguida, procura por um dos nossos agentes de viagem. Nada substitui o contato humano, o sorriso, a confiança de um especialista, o olho no olho. Nossas agências se especializam em um destino, um estilo de viagem que não é possível determinar pela internet.

Os consumidores estão mudando seus hábitos de consumo?
Não. Estão sofisticando seus gostos e, cada vez mais, buscando novas experiências. Não apenas novos destinos. Por isso, o mercado de luxo terá de se aprimorar para sempre oferecer algo de novo, algo fora do convencional. O futuro do nosso setor dependerá disso.

(Nota publicada na Edição 1052 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Rachel Rubin e Machado da Costa)

Veja também

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+Conheça os 42 anos de história da picape Mitsubishi L200

+ Remédio barato acelera recuperação de pacientes com covid-19

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

Se não há passageiro, leva encomendas

A Buslog, empresa de logística e transporte do Grupo JCA, acelerou a estratégia de diversificação de produtos e ampliou o segmento de [...]

Foco no Brasil

A fabricante de óculos GO Eyewear está avançando para novos segmentos. A empresa acaba de adquirir a PHD, empresa de aparelhos [...]

Multinacional com dupla cidadania

A multinacional americana ReachLocal, especializada em soluções integradas de marketing digital, conquistou cidadania brasileira. A operação local, com faturamento de R$ 51 milhões em 2019, passou a ter controle 100% nacional após a aquisição pelos empreendedores Leonardo Simão (ex-CEO da Bebê Store) e Thiago Santos, especializados em marketing digital, e-commerce e varejo. Para a nova […]

O vendedor é quem escolhe

A PayGo, empresa de meios de pagamentos do C6 Bank, começa a oferecer uma maquininha que permite ao lojista escolher qual o adquirente [...]

Dormir é sempre um bom negócio

A estreia da marca alemã de colchões Emma no País, no começo deste ano, não poderia ter sido em melhor hora. Com a explosão da [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.