O megaleilão de R$ 112 bilhões

O megaleilão de R$ 112 bilhões

Já desponta como a mais promissora notícia deste primeiro ano de Governo o megaleilão do excedente da cessão onerosa do petróleo do pré-sal, que deve ocorrer no mês que vem, com previsão de arrecadação na casa de R$ 112 bilhões. Será, em se confirmando, um resultado tão extraordinário que pode significar a redenção orçamentária do Estado. O Tribunal de Contas da União acaba de aprovar um acórdão com determinações relacionadas à operação. Foi o primeiro e importante passo, definido pelo secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, como “um passo histórico”.

Tamanho marco econômico deve impactar fortemente os resultados de emprego e renda mais adiante e significar uma guinada positiva para a retomada da economia. O objetivo declarado do ministro Paulo Guedes, que está à frente da empreitada, é “desentupir” o mercado de óleo e gás, ao mesmo tempo em que reduz a participação da estatal Petrobras nos processos de exploração e extração. Ao final e ao cabo, procura-se atrair empresas privadas de diversos países gerando, por tabela, maior arrecadação de recursos aos cofres públicos.

A expectativa do Executivo é de receber o dinheiro ainda em dezembro, “cash”. Sem o aval do TCU que saiu agora, o leilão não poderia ir adiante, nem avançar nas demais fases de definição. O endosso dado na quarta-feira 9 permite maior segurança jurídica aos players interessados e aumenta a atratividade das áreas disponíveis para compra. No Senado, se discutiu um modelo de partilha do bolo arrecadado. Serão 67% para a União, 15% para os estados, 15% para os municípios e 3% adicionais para o Rio de Janeiro, que é o produtor. Ainda existem alguns conflitos sobre esses percentuais.

Deputados querem rever as participações. Há uma espécie de guerra de posições entre as duas casas congressuais. No entender da Câmara, a União deve ficar com menos do que o sugerido pelo Senado. Serão oferecidos quatro blocos e, do total arrecadado, um montante da ordem de R$ 33,6 bilhões serão repassados diretamente à Petrobras. Uma das determinações do acórdão firmado pelo TCU é que, no caso de o leilão não alcançar o sucesso almejado — deixando de fora alguma área que será disponibilizada — a estatal Pré-Sal Petróleo (PPSA) seja responsável por dar sequência aos procedimentos necessários, identificando e delimitando as partes que caberão à União nas respectivas jazidas.

A estatal PPSA ainda está em vias de formatação. Orçamento para o seu pleno funcionamento também vem sendo discutido. O TCU quer acompanhar todas as fases, como essa, que antecedem o leilão marcado para o dia 6 de novembro. No calendário governamental não há nada mais importante no momento. Superando inclusive o tema da reforma da Previdência.

(Nota publicada na Edição 1142 da Revista Dinheiro)


Sobre o autor

Carlos José Marques é diretor editorial da Editora Três e escreve semanalmente os editoriais da revista DINHEIRO


Mais posts

Brasil despenca

Na escala de desempenho econômico, o Brasil acaba de cravar sua pior marca. No universo avaliado de 190 países, ele está ocupando uma [...]

A morte da economia

Pode parecer por demais dramático, mas os números não deixam muita margem a dúvidas. Quando da noite para o dia uma indústria inteira [...]

A salvação das empresas

A convicção está se formando em todos os ramos de atividade. Não há mais como negar o inevitável: a pandemia do coronavírus está [...]

O pró-Brasil dos gastos

Despesas para atender a estratégias populistas sempre estiveram nos planos eleitoreiros de governantes. Em tempos de crise, então, para [...]

O plano de saída

Setores produtivos começam a ficar inquietos. Trabalhadores reclamam da falta de renda. Negócios vão à falência. A roda da economia [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.