Negócios

O médico que soube reinventar a roda

Há 40 anos, doutor Carlos dava os primeiros passos para trocar a medicina pela revenda de carros. Nos últimos doze meses, a Caoa Chery, um dos muitos negócios de seu conglomerado, cresceu 152% em vendas

Crédito: Jf Diorio/AE

O FUTURO DOS AUTOMÓVEIS Por estar ligado a montadoras de três países (China, Japão e Coreia do Sul), o Grupo Caoa, fundado por presidido pelo dr. Carlos, consegue trazer para o Brasil tecnologias de ponta. “Logo estaremos vendo modelos da Caoa Chery com reconhecimento facial, realidade aumentada e outros avanços” (Crédito: Jf Diorio/AE)

Poucos brasileiros sabem vender carros tão bem como o paraibano Carlos Alberto de Oliveira Andrade, mais conhecido no mercado de automóveis como dr. Carlos — referência à sua formação médica. Em quatro décadas de atividade como empresário dedicado à comercialização e produção de automóveis, ele transformou as iniciais de seu nome — CAOA — em um dos ativos mais poderosos do setor. Primeiro, a sigla virou sinônimo de concessionárias da montadora Ford no Brasil. Depois, ganhou velocidade na condição de grupo importador e distribuidor das marcas Subaru (a partir de 1998) e Hyundai (1999). Desde 2007, as empresas que integram o Grupo Caoa, do qual hoje o fundador é presidente do Conselho de Administração, passaram a acumular outra atividade: a fabricação de automóveis, incluindo utilitários leves.

O sucesso do investimento na produção pode ser confirmado pelos resultados da montadora sino-brasileira Caoa Chery, da qual o Grupo Caoa detém 50,7% desde 2018. Nos últimos 12 meses, as vendas da marca cresceram 152%. “Até o fim de dezembro ultrapassaremos 135 mil veículos vendidos no ano, o que garantirá à CAOA presença no Top 10 das marcas mais vendidas do Brasil”, diz dr. Carlos. Segundo ele, essa performance, bem superior ao crescimento do mercado brasileiro, se deve à confiança do consumidor — o que inclui negócios com seminovos — e ao extraordinário desempenho de vendas da Caoa Chery, “a nova marca brasileira sensação do momento”.

“Os jornalistas especializados são as pessoas que mais entendem de carros do ponto de vista dos consumidores. Nós apenas levamos ao grande público o que eles dizem a respeito de nossos carros quando comparados com os concorrentes”

Em outubro, o modelo Tiggo 5X, carro-chefe da Chery, foi recordista de vendas no segmento. O Tiggo 7, top de linha, também vem ganhando posições no ranking. Ambos são produzidos em Anápolis, interior de Goiás, e traduzem o espetacular avanço da indústria automotiva chinesa. “A China é hoje o maior mercado e o mais avançado polo de tecnologia do mundo”, afirma dr. Carlos. Para ele, a tecnologia de ponta chinesa, combinada à tradição de qualidade e alto nível dos serviços de pós-venda da Caoa tornam a marca Caoa Chery “o futuro do automóvel no Brasil”. A afirmação pode parecer um tanto exagerada, mas tem seus fundamentos. Há tempos a China deixou de fazer cópias do que fabricantes desenvolviam em outros países para liderar a inovação na indústria automotiva. Uma prova disso é a compra da sueca Volvo pela chinesa Geely. Desde que o negócio foi fechado, os carros da marca escandinava, que sempre foi símbolo de segurança, passaram a ameaçar a soberania dos alemães do ponto de vista tecnológico.

Dois dos principais vetores de desenvolvimento da indústria automotiva, a eletrificação e a direção autônoma, tornaram-se quase uma obsessão dos chineses. “A China é hoje líder mundial na produção de carros elétricos. Quando o Brasil tiver infraestrutura para esse tipo de energia, vamos assumir a liderança nesse setor, sem dúvida”, afirma. E não é só. “Logo estaremos vendo modelos da Caoa Chery apresentando aos brasileiros carros com reconhecimento facial, realidade aumentada e outros avanços, com veículos adequados às chamadas ‘cidades inteligentes’”.

Uma das vantagens competitivas do Grupo Caoa é o acesso às atualizações do setor em três países — China, Japão e Coreia do Sul — todos com ênfase em tecnologia. Para comunicar ao consumidor final as qualidades dos modelos que comercializa o Grupo Caoa se apoia no valor das avaliações técnicas feitas pela própria imprensa. “Nossa propaganda na mídia impressa é simples, direta e didática. Reproduz a avaliação que os jornalistas especializados fazem de nossos carros. É informação de formador de opinião para formador de opinião. E o consumidor mais exigente reconhece isso”, afirma dr. Carlos, que não abre mão de orientar pessoalmente todos os anúncios das marcas do Grupo. “Os jornalistas especializados são as pessoas que mais entendem de carros do ponto de vista dos consumidores. Nós apenas levamos ao grande público o que eles dizem a respeito de nossos carros quando comparados com os concorrentes. Com isso facilitamos a escolha dos consumidores com informação legítima, honesta e verdadeira. Isso ajuda a tornar uma marca conhecida e respeitada”.