Edição nº 1088 21.09 Ver ediçõs anteriores

O “mea culpa” de Mark Zuckerberg

Em post em sua página pessoal, o fundador do Facebook admite os erros da sua rede social e diz que sua meta é consertá-lo em 2018

O “mea culpa” de Mark Zuckerberg

Mark Zuckerberg, CEO do Facebook

Desde 2009, o fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg se propõe cumprir a uma meta pessoal de Ano Novo. Entre os propósitos estiveram aprender mandarim, ler um livro a cada 15 dias e construir um robô de inteligência artificial para organizar sua casa.

Neste ano, a meta de Zuckerberg tem pouco de pessoal. Ela é, simplesmente, “consertar o Facebook”.  Você não leu errado. É isso mesmo. O jovem bilionário admite oficialmente que há problemas na rede social.

“Não vamos prevenir todos os deslizes ou abuso, mas atualmente cometemos muitos erros ao aplicar nossas políticas e ao prevenir o mal-uso de nossas ferramentas. Se tivermos sucesso neste ano, vamos terminar 2018 em uma trajetória muito melhor”, escreveu Zuckerberg em sua página pessoal no Facebook.

Sua missão será resolver os problemas com relação ao abuso, discurso de ódio e disseminação de notícias falsas. Todas elas são pragas do mundo moderno que se potencializam com o uso de ferramentas de internet. A mais poderosa delas, não há dúvida, é o Facebook.

O curioso de se notar neste desejo de Ano Novo é que Zuckerberg faz um “mea culpa” sobre o papel do Facebook na proliferação dessas pragas modernas ao admitir que a rede social fundada por ele cometeu muitos erros.

A preocupação de Zuckerberg demonstra de forma transparente o quanto o discurso de ódio e as notícias falsas (fake news) são uma ameaça real ao modelo de negócio do Facebook.

À medida que a rede social pode ser manipulada por grupos ou países, como aconteceu na eleição americana, ela perde não só a credibilidade, como a sua relevância. O passo seguinte pode ser o abandono de usuários.

Não há segredo no modelo de negócio do Facebook. Quanto mais gente, mais espaço para mostrar publicidade. Quanto mais as pessoas usam a rede social, mais Mark Zuckerberg sabe sobre seus hábitos – o que o torna mais assertivo para mostrar anúncios.

Reza a lenda que um velho barão da mídia tradicional gostava de dizer que “sem bilheteria, não tem circo”. A meta de Zuckerberg não é só “consertar o Facebook”. É fazer com que o palhaço continue sendo engraçado.


Mais posts

Herdeiro do Itaú investe em startup de saúde

O médico José Luiz Setúbal, um dos acionistas do banco Itaú Unibanco, é um dos investidores da startup Amparo Saúde

Monashees e XP investem em fintech de crédito

A Rebel, dos empreendedores André Botelho Bastos, Daniel Shteyn e Rafael Pereira, está acertando os últimos detalhes de um aporte série A

Simpress, agora, aposta na terceirização de computadores e smartphones

Companhia, que atua na terceirização de impressoras e multifuncionais, espera “alugar” 100 mil equipamentos em 2019 com nova área

Dotz cria empresa independente de incentivos

A Dotz Incentivos nasce com 30 clientes e mais de 150 mil participantes. Em três anos, a meta é faturar R$ 100 milhões

OLX testa meio de pagamento em seu marketplace

A ideia é criar uma plataforma que permita que seus usuários possam pagar pela compra dos produtos diretamente pelo portal, assim como [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.