Semanal

O maior IPO do ano virá do agro e a operação pode impactar todo o setor

Crédito: Divulgação Syngenta

Uma das principais fabricantes de agroquímicos do mundo, a Syngenta vai abrir seu capital em Xangai e a operação pode ser a maior do ano (Crédito: Divulgação Syngenta)

Aqui no Brasil já se especula que o maior IPO do ano – e possivelmente um dos maiores da história da B3 – será protagonizado pela Raízen, gigante nos setores de produção de combustíveis e energia. O agro também estará no centro de outra abertura de capital importante: a Syngenta planeja listar suas ações na bolsa de Xangai em uma operação que pode levantar US$ 10 bilhões. Com isso, a empresa pode ser avaliada em US$ 60 bilhões e o IPO será o maior do ano.

Uma das maiores companhias de sementes e insumos do mundo, a Syngenta foi comprada pelo conglomerado chinês ChemChina em 2016 por US$ 43 bilhões, maior aquisição estrangeira da China até hoje. Hoje, ela integra a Syngenta Group, que inclui as operações da Sinochem, outra gigante do setor de agroquímicos, e a israelense Adama, que desenvolve soluções de proteção a cultivares.

BRF faz aporte de US$2,5 mi na Aleph Farms para produzir em 2024 carne cultivada

É importante acompanhar os desdobramentos desse IPO por uma série de razões. Toda a estratégia chinesa envolvendo a Syngenta aponta para um interesse em reforçar a produção local de grãos. Não é à toa que a aquisição da empresa foi a maior já feita pela China: com a tecnologia de sementes e agroquímicos desenvolvida pelos laboratórios da companhia, o governo chinês quer empoderar os agricultores locais no disputado mercado de commodities.



A Syngenta afirmou também que parte dos recursos captados na abertura de capital será utilizada para acelerar a estratégia de aquisições. E a empresa é conhecida como uma das mais corporações mais ativas em termos de investimento e aquisições no agronegócio. Em 2018, por exemplo, comprou a startup brasileira Strider, reforçando sua atuação na agricultura digital. No ano passado, comprou a italiana Valagro, que desenvolve soluções biológicas. A startup ucraniana de monitoramento Cropio e as americanas FarmShots e AgConnections, de gestão da propriedade, são outras das compras recentes. Dessa forma, a Syngenta vai expandindo sua atuação e cobrindo diversas áreas do setor. 

Além disso, há uma possibilidade de que a atenção recebida pela gigante do agro aumente o interesse dos investidores por outras empresas do setor. E não faltam opções de empresas do setor agrifoodtech se preparando para abrir o capital. Entre as startups de alimentos inovadores a sueca Oatly, conhecida pelos leites vegetais, e a Eat Just, que desenvolve substitutos à base de plantas para ovos, são apenas duas delas. São exemplos de startups conhecidas na bolha agtech, mas que podem ganhar ainda mais relevância após os IPOs.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago