Tecnologia

O “LinkedIn do futebol” consegue US$ 6,2 milhões em rodada de investimento

O Tonsser pretende ser uma rede social para conectar jogadores a clubes e olheiros. Nele, aspirantes postam vídeos mostrando suas habilidades com a bola, atualizam suas estatísticas e criam um perfil

O “LinkedIn do futebol” consegue US$ 6,2 milhões em rodada de investimento

LinkedIn do Futebol. Esse foi o apelido que o aplicativo dinamarquês Tonsser recebeu da imprensa internacional. Sua proposta é simples: ele pretende ser uma rede social para conectar jogadores a clubes e olheiros. Nele, os aspirantes postam vídeos mostrando suas habilidades com a bola, atualizam suas estatísticas e criam um perfil de fácil acesso para que possam entrar no radar de grandes equipes, principalmente da Europa.

Na busca para aumentar seu alcance na busca do próximo Mbappé ou Neymar, a Tonsser abriu uma rodada de investimentos série A (quando a empresa já tem modelo e clientes consolidados e buscam a expansão dos negócios), que captou US$ 6,2 milhões.

Apesar de já ter 800 mil jogadores cadastrados e mais de 5 milhões de partidas registradas, os fundadores da empresa Peter Holm e Simon Hjære ainda não encontraram maneira de monetizar sua operação. Independente disso, o “LinkedIn do futebol” já entrou no radar de gigantes do esporte, e fechou parceria com a Nike, que tem canal próprio no app, onde posta conteúdos de sessões de treino com profissionais.

Atualmente o Tonsser está presente na Dinamarca, Suécia, Espanha, Itália, Alemanha, Noruega e França – país onde 86% de seus times sub-15 e sub-19 estão registrados no app. O dinheiro arrecadado no aporte será usado para que o aplicativo comece a atuar na Inglaterra, onde será lançado no outono de 2019. Se o sucesso na terra da rainha for grande, é possível que o Tonsser chegue ao Brasil rapidamente.