O liberalismo virou suco

O liberalismo virou suco

A resposta do Planalto ao intento de Paulo Guedes e sua trupe de transformar o Estado brasileiro em um ser enxuto, eficiente e funcional foi implacável. O plano liberal não vai acontecer. Foi jogado para as calendas. Virou suco, moído na onda populista de um governante que agora não enxerga mais impeditivo algum para seus mirabolantes desejos de conquistar base eleitoral nas camadas pobres, com o cultivo do voto de cabresto. A disciplina fiscal obedecida e alardeada aos quatro ventos por Guedes não passará de quimera. O ministro queria alinhar os planos políticos do chefe às necessidades e possibilidades econômicas do setor público. Preparou uma grande cerimônia para anunciar o que vinha classificando como um “big bang” de medidas, o “Dia D” da retomada do desenvolvimento pós covid. Não conseguiu. Bolsonaro tratou de transformar a ideia em um fiasco. Atropelou o subordinado implacavelmente. Primeiro, por não ter atendido aos seus anseios, adiou sem nova data o referido evento, previsto para acontecer na última terça-feira, 25. Depois acabou por cancelar a maior das bandeiras prevista para ser hasteada na ocasião: o esperado programa do Renda Brasil, uma descarada reinterpretação do Bolsa Família da era Lula, que tinha por objetivo atender a um contingente com oito milhões de famílias a mais do que o universo atualmente coberto. Bolsonaro desistiu. No seu furor marqueteiro disse que não iria “tirar do pobre para dar ao paupérrimo”. A fala veio em resposta à sugestão do ministro de retirar deduções do Imposto de Renda para turbinar os benefícios bolsonaristas. O mandatário não gostou da artimanha. Mandou abortar o projeto como um todo. Guedes foi assim humilhado em praça pública. Bolsonaro fez críticas abertas ao trabalho do Ministério. O antes czar da Economia, o “posto Ipiranga”, no qual Bolsonaro recorria para qualquer consulta, murchou. O presidente quer catequizá-lo na direção do populismo. Já enterrou todo e qualquer resquício de agenda liberal que existia ali no seu governo. Limpou da frente a turma que queria a privatização e a Reforma Administrativa. Está firme realmente na direção de estimular uma “debandada” do bloco que pensa diferente. Nem Guedes é mais indispensável. Ao contrário. É tirado dele o que lhe resta de reputação e credibilidade. Qualquer um no seu lugar já teria pedido o boné. Bolsonaro está seguindo o mesmo roteiro que adotou com todos aqueles que foram por ali por uma boa causa, lhe emprestando status que não tinha. Usou, abusou e depois jogou fora. Deu o troco em referências nacionais fritando a imagem de cada um deles. Preferiu ficar com os quadros mais sintonizados ideologicamente. Guedes, com a respeitabilidade que construiu no quesito econômico, não é mais vital. Está evidente. No entender do Planalto, ele atrapalha a agenda político/eleitoreira do capitão. Até as pedras que cercam o Palácio sabem disso. O czar, que diminui de tamanho e perde espaço dia a dia, se ficar é porque cedeu por completo às vicissitudes do mandatário e abandonou os fundamentos nos quais acredita. Valerá tamanho desgaste? Talvez, somente Paulo Guedes ainda acredite que o presidente lhe tem apreço.

Carlos José Marques, diretor editorial

Veja também

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+Conheça os 42 anos de história da picape Mitsubishi L200

+ Remédio barato acelera recuperação de pacientes com covid-19

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Sobre o autor

Carlos José Marques é diretor editorial da Editora Três e escreve semanalmente os editoriais da revista DINHEIRO


Mais posts

Lá vem o buraco fiscal

O primeiro sinal veio em forma de flexibilização da regra do teto, em uma área específica, já no corrente ano. O Congresso Nacional [...]

O cartão vermelho da economia

A pasta da economia está tendo de fazer uma rearrumação geral para pegar no tranco. Depois do “passa fora” do presidente Bolsonaro, que [...]

O impacto do raio

É do ministro Paulo Guedes a avaliação figurativa, dias atrás, sobre o tamanho da queda do PIB, comparável, no seu entender, ao impacto [...]

O tamanho da queda

De novo em recessão técnica com o tombo gigante movido a pandemia, o Brasil tortura os números para mostrar que não estaria tão mal [...]

A farra do orçamento

Na esquizofrênica gestão econômica do presidente Bolsonaro, as Forças Armadas merecem mais dinheiro do que o setor de Educação. Aliás, [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.