Edição nº 1134 19.08 Ver ediçõs anteriores
Lucas Ferraz, Secretário de Comércio Exterior

Entrevista

Lucas Ferraz, Secretário de Comércio Exterior

O isolamento levou o Brasil a perder competitividade

O isolamento levou o Brasil a perder competitividade

Um dos responsáveis por destravar o acordo entre o Mercosul e a União Europeia, o economista fala sobre as vantagens de integrar o País com o comércio global

Leonardo Motta
Edição 19/07/2019 - nº 1130

A aprovação do acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia foi a maior conquista do governo Bolsonaro. O texto vinha sendo negociado há vinte anos, sem perspectiva de sair do papel. Para concluir o acordo, a equipe de comércio internacional do Ministério da Economia adotou uma postura pragmática: “Fizemos uma série de modificações nos quesitos de regra de origem”, afirma Lucas Ferraz, Secretário de Comércio Exterior. Os próximos passos serão discutir uma revisão do Mercosul e acordos comerciais com o Japão e os Estados Unidos, como ele antecipa nesta entrevista.

DINHEIRO – O acordo entre o Mercosul e a União Europeia era considerado difícil de sair do papel até pouco tempo. O que mudou?

LUCAS FERRAZ – Várias coisas aconteceram. Temos um governo na Argentina e outro no Brasil alinhados numa agenda liberal e de aumento da inserção internacional dos países do Mercosul que estava parada. Hoje, o comércio internacional é diferente do que era no século passado, onde tudo era produzido localmente e se buscava muita competitividade dos produtos. O mundo hoje é fragmentado, os produtos são “made in the world.” Além disso, há uma Europa que anseia por avançar na agenda de acordos internacionais. Não posso dizer que o acordo foi uma resposta da Europa à guerra comercial dos EUA. Sou economista, não cientista político. Mas acho natural que a Europa busque a abertura de novos mercados, e esse acordo com o Mercosul é um exemplo. A expectativa é que ele entre em vigor em cerca de um ano e meio.

DINHEIRO – Houve mudança no texto do acordo para conseguir destravá-lo?

LUCAS FERRAZ – Fizemos uma série de modificações nos quesitos de regra de origem. Inserimos o Brasil e o Mercosul num comércio mais moderno e flexibilizamos esse ponto. A Europa já é um continente muito integrado às cadeias globais de produção, então negocia acordos com regras de conteúdo local. Isso, há muitos anos, travava a conclusão desse acordo.

DINHEIRO – Tivemos de abrir mão de alguma coisa por um ganho maior?

LUCAS FERRAZ – Não. O Brasil ganhou, o Mercosul ganhou e a União Europeia também. É importante constatar: a Europa está abrindo 100% do seu mercado para as exportações do Mercosul, enquanto o Mercosul está abrindo apenas 91%. Além disso, os produtos foram divididos em cestas de negociação. Algumas serão liberalizadas entre quatro anos e 15 anos. A Europa irá zerar as tarifas para todos os produtos agrícolas e industriais brasileiros em até 10 anos. Todas. O Mercosul, em boa parte das cestas, terá até 15 anos para isso.

DINHEIRO – Mas haverá um sistema de cotas para os produtos do Mercosul, certo?

LUCAS FERRAZ – De fato, no setor agrícola, eles [os europeus] são muito protecionistas e colocaram algumas cotas. Consideramos, ainda assim, uma grande vitória para o nosso agronegócio. Falar de cotas sempre tem uma conotação negativa porque dá uma ideia de restrição de comércio. No caso do açúcar, serão 180 mil toneladas. Para se ter uma ideia, o nordeste, que é o maior produtor brasileiro, exportou para a União Europeia apenas 22 mil toneladas. Para carne bovina, conseguimos 99 mil toneladas. O Brasil sozinho já era responsável por 40% da carne comprada pela Europa. Isso é cerca de 7 vezes mais o que os EUA e Austrália exportam de carne bovina para o continente. O Mercosul vai responder por 82,3% de toda carne comprada pela Europa.

“O grande beneficiário é o consumidor brasileiro que vai ter acesso a bens mais baratos, de maior qualidade e variedade” (Crédito:Daniel Leal-Olivas / AFP)

DINHEIRO – O Mercosul tem as maiores tarifas de importação industriais do mundo. Como isso vai ficar?

LUCAS FERRAZ – O acordo, sob o ponto de vista mais amplo, é muito balanceado e vai trazer benefícios importantes para as duas regiões. Vale ressaltar: o grande beneficiário é o consumidor brasileiro que vai ter acesso a bens mais baratos, de maior qualidade e maior variedade.

DINHEIRO – Os agricultores europeus se disseram decepcionados e classificaram o Mercosul como um bloco protecionista. Como responder a essas críticas?

LUCAS FERRAZ – Há um certo exagero. Não houve, da parte da Europa, uma abertura de 100% do mercado agrícola, na questão de tarifas. Eles vão reduzir 82% [dos impostos de importação]. O mercado europeu interno é muito grande e tem muito espaço para se vender carne. São mais de 500 milhões de consumidores. O Mercosul é uma potência agrícola, a gente sabe disso, mas quando você analisa friamente os números envolvidos, o produtor europeu não fica comprometido em nada.

DINHEIRO – Eles não têm razão em dizer que o Mercosul não é uma área de livre comércio, como a União Europeia?

LUCAS FERRAZ – A questão do Mercosul não ser uma área de livre comércio perfeita é menor. O Brasil hoje é a economia que representa mais de 80% do PIB do bloco. Somada à economia da Argentina, que também tem um peso significativo, estarão totalmente abertas ao comércio com os europeus. É um acordo que tem benefícios aos dois lados.

DINHEIRO – Por considerar o custo de produção local muito alto, a indústria brasileira teme a competição com a estrangeira…

LUCAS FERRAZ – O problema da competitividade industrial passa pelo chamado “Custo Brasil”. A reforma tributária está na agenda desse governo e será feita com a simplificação e redução de tributos. Há ainda uma agenda de melhoria da nossa infraestrutura, que atualmente também diminui a competitividade. E, sobretudo, o governo tenta regularizar os seus gastos e focar naquilo que de fato gera retorno social.

DINHEIRO – Existe um plano para aumentar a competitividade da indústria nacional?

LUCAS FERRAZ – Existe um ponto que é fundamental e pouco mencionado: o nosso próprio isolamento comercial foi um fator importante para a nossa perda de competitividade. O processo de inserção internacional da economia brasileira, em geral, vai fortalecer a competitividade. Um outro ponto é que esse acordo prevê a queda tarifária num intervalo de tempo de 15 anos para vários produtos. Portanto, há tempo mais do que suficiente para que outras reformas voltadas pra impulsionar a competitividade interna da indústria sejam implementadas.

DINHEIRO – Quais os próximos passos para o comércio exterior brasileiro?

LUCAS FERRAZ – A intensificação das negociações de novos acordos comerciais. O Brasil e o Mercosul negociam hoje acordos com Canadá, Cingapura, Coreia do Sul e EFTA (países europeus que não integram a União Europeia). E queremos mais. O Brasil já está em conversas exploratórias sobre um possível acordo de livre comércio com os EUA e também com o Japão. Outra medida, naturalmente interligada com a primeira, é a questão da reforma do bloco. Temos hoje um diagnóstico claro de que o Mercosul não serviu ao seu propósito de aumento da inserção internacional dos países que o compõem. E para isso, o primeiro ponto seria reduzir a nossa tarifa externa comum. Hoje, a média tarifária no mundo é ao redor de 6%. A nossa tarifa externa comum, em média, tá ao redor de 13%.

“O Brasil já está em conversas sobre um possível acordo de livre comércio com os EUA e também com o Japão” (Crédito:Divulgação)

DINHEIRO – A China é a maior compradora do Brasil, mas passa por um processo de desaceleração. Existe um plano B, caso a demanda chinesa caia?

LUCAS FERRAZ – Não trabalhamos com uma ruptura significativa das taxas de crescimento da China, pelo menos no curto e médio prazo. Mas eu acredito que a melhor estratégia para diminuir a dependência de um único parceiro comercial é a abertura. Estamos fazendo um acordo de livre comércio com a segunda economia mais importante para o comércio, que é a União Europeia. Isso, por si, já é uma estratégia de diversificação.

DINHEIRO – Na questão dos Estados Unidos, como será possível negociar um acordo de livre-comércio com o presidente Donald Trump, que tem uma posição protecionista?

LUCAS FERRAZ – Hoje, os EUA são um dos países mais abertos do mundo, apesar das tarifas colocadas sobre os chineses. O que existe em termos de diálogos exploratórios está voltado para um acordo não-tarifário, voltado para melhoria da nossa facilitação do comércio, novas disciplinas para serviços, compras governamentais e, principalmente, convergência regulatória. E aí eu me refiro particularmente às chamadas barreiras não-tarifárias. Vários estudos mostram que elas são mais relevantes até do que as tarifas de importação.

DINHEIRO – Mas é possível ultrapassar as barreiras não tarifárias dos EUA?

LUCAS FERRAZ – Sim. Em um acordo comercial, se você adotar o reconhecimento mútuo das legislações vigentes nos países, haverá redução dos custos de exportação e importação e o incremento do comércio. É a chamada agenda de desburocratização de uma forma mais ampla.

Trump anuncia acordo comercial ‘de princípio’ com o Japão

COMÉRCIO INTERNACIONAL

Trump anuncia acordo comercial ‘de princípio’ com o Japão


Economia


Banco do Brasil pode adotar linha de crédito imobiliário atrelada ao IPCA

Financiamento

Banco do Brasil pode adotar linha de crédito imobiliário atrelada ao IPCA


Farol DINHEIRO

Allianz compra a SulAmérica por R$ 3 bilhões

Negócios

Allianz compra a SulAmérica por R$ 3 bilhões

O negócio também permite investimentos adicionais em tecnologias digitais e disruptivas para potencializar o setor e continuar a oferecer as melhores soluções para corretores e clientes no Brasil

SulAmérica quer saúde nos números

Finanças

SulAmérica quer saúde nos números

A SulAmérica completa sua opção por ser uma operadora de planos de saúde e previdência. Basta olhar os números do mercado para saber o que os investidores preferem


Walmart processa Tesla após painéis solares da empresa pegarem

nos eua

Walmart processa Tesla após painéis solares da empresa pegarem

Segundo o Walmart, sete lojas tiveram problemas com placas solares da Tesla, que pegaram fogo de maneira espontânea

CEO da Volkswagen tem interesse em comprar participação na Tesla

Manager Magazin

CEO da Volkswagen tem interesse em comprar participação na Tesla

Apesar da intenção da Volkswagen, uma eventual compra da Tesla teria que passar pelo crivo das famílias proprietárias da montadora, os Piechs e os Porsches


Novo iPhone terá três câmeras e será lançado em setembro, afirma site

Smartphone

Novo iPhone terá três câmeras e será lançado em setembro, afirma site

Segundo a Bloomberg, vendas devem começar até o fim do próximo mês. Modelos novos terão terceira câmera na parte traseira

Mercedes-Benz usa GPS de carros para localizar clientes em débito

Tática

Mercedes-Benz usa GPS de carros para localizar clientes em débito

Rastreamento e apreensão de veículos com base nos sistemas de localização reascendeu debate sobre direito a privacidade. Marca afirma que prática é feita em casos específicos


Macron acusa Bolsonaro de ‘mentir’ e França se opõe ao acordo UE-Mercosul

tensão

Macron acusa Bolsonaro de ‘mentir’ e França se opõe ao acordo UE-Mercosul

Putin promete “resposta simétrica” a teste de míssil dos Estados Unidos

corrida armamentista

corrida armamentista

Putin promete “resposta simétrica” a teste de míssil dos Estados Unidos

Huawei: China exige libertação de executiva da empresa ao Canadá

filha do fundador

filha do fundador

Huawei: China exige libertação de executiva da empresa ao Canadá

Líderes estudantis de Hong Kong convocam greve universitária

Mobilização

Mobilização

Líderes estudantis de Hong Kong convocam greve universitária

A interminável milonga Argentina

Editorial por Carlos José Marques

Editorial por Carlos José Marques

A interminável milonga Argentina

Lamentavelmente, desde os aos 1950 a Argentina vem em solavancos, experimentando em média um ano de recessão para cada três de ajuste. Nos últimos tempos, a equação se inverteu

João Pedro Paro Neto, CEO da Mastercard Brasil

João Pedro Paro Neto, CEO da Mastercard Brasil

"Queremos 60% dos pagamentos feitos em meios eletrônicos até 2024"

O executivo, que comanda a operação da americana no Brasil, tem apostado em tecnologia de autenticação por comportamento

A batalha do Brasil na China

internacional

A batalha do Brasil na China

Em meio à guerra comercial do país asiático com os EUA, Empresários brasileiros garantem investimentos de US$ 24,8 bilhões em rodadas de negociações com bancos e companhias chinesas

A nova casa da Joli

reforma de portfólio

A nova casa da Joli

Rede de materiais de construção reforma o porfólio para incluir itens de decoração e investe R$ 9 milhões para inaugurar sua maior unidade. Três novas operações estão previstas para 2020

Lição Walmart: não basta ser grande

gigante varejista

Lição Walmart: não basta ser grande

O fracasso da operação brasileira e o fim da marca no País mostram que nome não ganha jogo no disputado varejo nacional


Por que o ouro voltou à moda

capa

Por que o ouro voltou à moda

Combinação entre aumento da tensão política e desaceleração da economia aumenta os riscos de inflação, elevando o interesse pelo metal dourado

Sem legítima defesa

demora no cade

Sem legítima defesa

Demora do presidente Bolsonaro em indicar novos membros para o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) paralisa negócios de mais de R$ 100 bilhões


A reinvenção da mão de obra

indústria nacional

A reinvenção da mão de obra

Nem tudo são más notícias na indústria brasileira. Mapa do trabalho indica que o setor contratará mais profissionais preparados para a indústria 4.0

CPMF, não!

reforma tributária

CPMF, não!

A recriação de um imposto sobre movimentações financeiras aparece nos esboços da reforma tributária que deverá ser apresentada pelo governo ao congresso. Renegada por empresários e por grande parte da sociedade, essa taxação cria distorções — e pode impedir a retomada do crescimento

MP da Liberdade Econômica pode ajudar. Mas não vai resolver

resumo dos fatos

resumo dos fatos

MP da Liberdade Econômica pode ajudar. Mas não vai resolver


As armas do futuro já estão entre nós

segurança

As armas do futuro já estão entre nós

E elas movimentam fortunas, como prova a chinesa Hikvision, Líder em produtos inovadores para segurança. Com 34 mil colaboradores e fábricas na Índia e no Brasil, ela fatura US$ 7,5 bilhões ao ano

Vou pintar na sua firma

epson

Vou pintar na sua firma

Fabricante de impressoras quer repetir no mercado corporativo a “blitzkrieg” que promoveu no mercado doméstico

Adeus, preço médio

RLP

Adeus, preço médio

Novo produto da B3, o RLP promete revolucionar a forma como o investidor pessoa física opera no mercado

Árvores de dinheiro

investimento social

Árvores de dinheiro

Enquanto o desmatamento cresce, engajamento do mercado com investimentos socialmente responsáveis vem aumentando

Espaço aéreo VIP

Espaço aéreo VIP

Jatos de até US$ 71,5 milhões exibidos na Labace, maior evento da aviação de negócios da América Latina, mostram que nem o céu é o limite para os brasileiros


Como o sucesso pode levar sua empresa a não inovar

por Ulisses Zamboni

por Ulisses Zamboni

Como o sucesso pode levar sua empresa a não inovar


Publieditorial XP Investimentos

Descubra a maior cidade da América Latina

São Paulo

Descubra a maior cidade da América Latina

Facilidade de acesso e variedade de opções de transporte complementam os diferenciais do Centro de Convenções

Saiba como chegar ao Transamerica Expo Center

Mobilidade

Saiba como chegar ao Transamerica Expo Center

Facilidade de acesso e variedade de opções de transporte complementam os diferenciais do Centro de Convenções

Dicas de hospedagem, diversão e serviços próximos ao Transamerica Expo Center

Turismo

Dicas de hospedagem, diversão e serviços próximos ao Transamerica Expo Center

Plataforma Robbyson: uma nova forma de gerir, reconhecer e engajar para bons resultados

Robbynson apresenta:

Robbynson apresenta:

Plataforma Robbyson: uma nova forma de gerir, reconhecer e engajar para bons resultados

Tenho um bom número de pessoas para gerir, muitos deles são Millennials, conectados, ágeis, com universo e linguagens próprios. E agora?

Joice, nova inteligência artificial da OI aprimora atendimento aos clientes

Oi apresenta:

Oi apresenta:

Joice, nova inteligência artificial da OI aprimora atendimento aos clientes

Fazer o bem está no nosso sangue

Lojas Americanas apresenta:

Lojas Americanas apresenta:

Fazer o bem está no nosso sangue

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Digital Agro apresenta:

Digital Agro apresenta:

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Entre 11 e 13 de junho, feira voltada à tecnologia no campo vai discutir integração de soluções para aumento de resultados