O “instrumentalismo existencial” na gestão com pessoas

O “instrumentalismo existencial” na gestão com pessoas

Líderes e gestores devem perceber que o autoconhecimento transcende a inserção do indivíduo no âmbito corporativo e profissional

Nem sempre nos damos conta, mas as palavras são extremamente poderosas. Elas são não apenas aquilo que nos permite pensar, como também definem nossa forma de ser, de existir.
Aristóteles definia o ser humano como um “animal dotado de palavra”. Já João, autor do quarto Evangelho, afirma em seu primeiro versículo: “No princípio era o Verbo”, a Palavra.
É preciso, portanto, sermos cuidadosos com o uso que fazemos das palavras, pois, caso sejamos levianos em seu emprego, corremos o risco de traí-las. E, ao traí-las, estamos traindo não só os outros, mas nós mesmos.
Uma das formas mais comuns de trairmos as palavras (e, portanto, nós mesmos) é permitindo e contribuindo – ainda que inconscientemente – para a sua banalização. Um exemplo emblemático dessa banalização é o uso que damos atualmente à palavra amor.
Nascida para expressar uma atitude caracterizada pelo comprometimento radical com o bem do próximo, amor – que, segundo Dostoiévski, “é toda uma ciência e uma arte” -, passou, com o tempo, a significar coisas tão diversas e divergentes do seu sentido original que acabou perdendo potência, tornando-se uma palavra banal e por vezes traiçoeira.
Fenômeno semelhante ocorre com palavras hoje muito utilizadas no universo corporativo, como propósito, autoconhecimento e autorrealização. Vocábulos associados a princípio à dimensão mais profunda da existência humana, estes termos, ao serem apropriados pelo jargão de uma psicologia meramente instrumental e tecnicista, acabaram não só sendo banalizados como também (e justamente por isso) perdendo seu potencial humanizador e libertador.
No atual contexto, ter um propósito, buscar o autoconhecimento e autorrealizar-se passou a significar simplesmente “reposicionar-se” no âmbito do mercado e da vida profissional, como se a identificação com uma marca, um produto e um modelo de negócios fosse suficiente para garantir o sentido da nossa existência.
Dentro de uma perspectiva autenticamente humanizada, líderes e gestores devem perceber que o processo de autoconhecimento, despertador do sentido de propósito e autorrealização, antecede e transcende a inserção do indivíduo no âmbito corporativo e profissional, e que a instrumentalização de tais valores para fins estritamente utilitários, se, num primeiro momento, pode trazer vantagens imediatas, no médio e longo prazo acaba mostrando-se desastrosa.
O engajamento e comprometimento com a humanização, por meio de conteúdos e propostas existenciais, não pode ser banalmente instrumentalizado, pois o malogro nesse território não apenas é rapidamente percebido, como também provoca um efeito deletério para o colaborador e a organização.
Abrir mão do “instrumentalismo existencial” no âmbito da gestão com pessoas é um passo importantíssimo na construção de uma proposta de humanização nas empresas.
Se quisermos ajudar nossos colaboradores no caminho do autoconhecimento e da autorrealização, devemos propiciar uma autêntica experiência de mergulho nas instâncias profundas do ser. E isso não pode ser feito com recursos técnicos de treinamento comportamental e reprogramação neurolinguística, mas apenas e somente com uma autêntica experiência estética e reflexiva, que só as artes e as humanidades podem proporcionar.
Investir na pessoa antes de instrumentalizar o profissional, resgatando o sentido original das palavras: eis a autêntica humanização.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago



Sobre o autor

Doutor em História pela USP, Dante Gallian é professor da EPM-Unifesp, coordenador do Laboratório de Leitura e colaborador da Responsabilidade Humanística. Publicou o livro A Literatura como Remédio – Os Clássicos e a Saúde da Alma (Martin Claret)


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.