O inferno astral do Uber

O inferno astral do Uber

No Brasil, as queixas contra o serviço aumentam. No mundo, a concorrência fica mais dura. Agora, o Uber enfrenta um novo e nada dignificante problema. Susan Fowler Rigetti, ex-engenheira de tecnologia do aplicativo americano de compartilhamento de veículos, afirma ter sofrido assédio sexual de seu gerente durante os 12 meses em que trabalhou na companhia.

No sábado 18, Susan escreveu em um blog que, logo no primeiro dia de trabalho, o chefe lhe contou que tinha um casamento aberto e fez investidas para ter relações sexuais com ela. Ela fez várias de denúncias para o RH da companhia, mas afirma que nada aconteceu.

Travis Kalanick, CEO do Uber, informou que determinou uma investigação sobre o caso e afirma que nunca teve conhecimento de reclamações nesse sentido. “Nós nos esforçamos para fazer do Uber um local de trabalho justo para todos”, afirmou Kalanick.

(Nota publicada na Edição 1007 da Revista Dinheiro)



Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km


Sobre o autor


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.