Edição nº 1142 14.10 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Rodolfo Riechert, presidente do banco Brasil Plural

O Índice Bovespa pode chegar a 130 mil pontos no fim de 2019

GABRIEL REIS

O Índice Bovespa pode chegar a 130 mil pontos no fim de 2019

O economista Rodolfo Riechert, 51 anos, começou a sua carreira na mesa de operações do banco Pactual em 1998, onde coordenou posteriormente a equipe de mercado de capitais e liderou a área de investimentos. Em 2010, optou pelo voo solo e, junto com executivos egressos do Pactual, fundou o banco Brasil Plural, que se concentra em assessoria financeira para empresas e gestão de fortunas.

Priscilla Arroyo

Há dois anos, o Brasil Plural lançou a plataforma de distribuição de produtos financeiros Genial, que já responde por metade dos cerca de R$ 40 bilhões administrados. Otimista, Riechert diz acreditar que a aprovação da reforma da Previdência deve trazer maior confiança aos investidores e atrair mais estrangeiros para o País. Nesta entrevista à DINHEIRO, além de projetar uma alta acentuada do Ibpvespa, ele aponta o patamar de apenas R$ 3,20 para o dólar no fim do ano. Neste caso, a razão para o recuo da divisa é expectativa de diminuição do ritmo de aperto monetário nos Estados Unidos.

DINHEIRO – O ano de 2018 foi muito complicado para o investidor. A eleição e a greve dos caminhoneiros provocaram muita turbulência no mercado e comprometeram o crescimento. Agora, os prognósticos são de um crescimento de 2,8% em 2019. Qual sua visão para o ano?

RODOLFO RIECHERT– Estou otimista. Na nossa avaliação, a economia deve crescer até 3,5%. O que justifica isso é que a inflação deve ficar controlada. Estamos sendo beneficiados pela queda no preço do petróleo, que já recuou 11,7% desde o início do ano. E também pelos custos da energia elétrica. Devemos operar menos com a bandeira vermelha.

Abertura de capital da PagSeguro, em Nova York, em janeiro: aporte de US$ 2,3 bilhões (Crédito:Richard Drew)

DINHEIRO – Essa é sua única razão para estar otimista?

RIECHERT – Os prognósticos para a reforma da Previdência também são muito positivos. Não será a reforma dos sonhos, mas aquela que for possível fazer. Alguns pontos, como a mudança na idade mínima, já foram aceitos pela população. E com isso devemos ter uma injeção de otimismo no mercado. Outro ponto positivo é a equipe econômica. O novo governo indica que vai reduzir o tamanho do Estado e dar espaço ao setor produtivo. Alguns dizem que é difícil aprovar mudanças. Tudo é difícil. Ainda bem que entraram pessoas novas, porque com as antigas não estávamos conseguindo fazer nada. O discurso é bom, a equipe econômica é excepcional e aguerrida, não é um pessoal de passagem.

DINHEIRO – Como o senhor avalia a escolha de Roberto Campos Neto para comandar o Banco Central?

RIECHERT – Acho muito bom. O Ilan Goldfajn fez um trabalho excepcional no BC. Mas ele é um economista, que dava as diretrizes macroeconômicas para o Itaú. Já o Roberto sentava-se à mesa de operações do Santander e acompanhava o dia-a-dia do mercado. Claro que o Ilan deixou um legado importante, como a melhora da governança no Banco Central. Mas o que precisamos agora é uma pessoa mais mão na massa, menos teórica. O câmbio, por exemplo, tem de ser flutuante, mas às vezes o BC precisa atuar com mais força.

DINHEIRO – Como assim?

RIECHERT – Nós vimos neste ano que o BC deixou o câmbio disparar, o que cria uma expectativa ruim. Isso estabelece novos níveis para a moeda, que não volta mais aos patamares anteriores. O Roberto deve saber operar melhor isso, deixar o câmbio
mais estável. Há, ainda, o fator da competição. Não acho que seja possível criar competição com uma canetada. É preciso criar condições para competir. O Banco Central é muito engessado.

DINHEIRO – Qual deve ser o impacto dessas mudanças na economia e no governo sobre os juros, o câmbio e a Bolsa?

RIECHERT – O consenso do mercado é de uma taxa Selic ao redor de 8% no fim de 2019, mas nossa estimativa aqui no banco está abaixo disso. Pelas nossas contas, o dólar deve terminar o ano em R$ 3,20 e o Índice Bovespa pode chegar a 130 mil pontos, devido ao aumento da entrada de dólares no País.

DINHEIRO – Os investidores estrangeiros vão voltar?

RIECHERT – A bolsa está barata e a alocação dos investidores, tanto brasileiros quanto estrangeiros, está baixíssima. O brasileiro coloca pouco dinheiro na bolsa e o estrangeiro ainda não vai comprar Brasil enquanto não sair ao menos a reforma da Previdência. Tudo gira em torno dessa expectativa. Pois quando esse investidor foi para a Argentina e para o México, ele não se deu bem. Os estrangeiros estão olhando para os emergentes com cautela para não repetir esse erro.

DINHERO – Os empresários vão voltar a poder captar dinheiro na bolsa?

RIECHERT – Sim, mas o empresário que quiser listar sua empresa não pode perder tempo. Ele terá uma janela de seis meses para abrir capital. No segundo semestre, os recursos disponíveis deverão ser atraídos para os grandes lançamentos de empresas estatais que o governo deve realizar. Esperamos que sejam listadas partes das estatais, como Caixa Seguridade, Caixa Cartões e Banco do Brasil Cartões. Devem ser ofertas robustas, todos querem olhar e entrar. Por isso, acho que vai ter uma competição grande com o governo no segundo semestre.

DINHERO – Qual seu prognóstico para as aberturas de capital, conhecidas pela sigla em inglês Initial Public Offering, ou IPO?

RIECHERT – Haverá um grande aumento dos IPOs. Deve haver mais de 20 lançamentos de ações. Só aqui no banco estamos preparando quatro. Um deles é público, o do banco BMG. Temos outras quatro operações, cujos nomes eu não posso comentar. Duas são de tecnologia, com empresas que atuam em mobilidade urbana e em big data. Em uma delas, queremos ir direto para a Nasdaq [mercado eletrônico americano que engloba ações de tecnologia]. Tivit e Agibank também estão na fila.

DINHEIRO – Por que a escolha pelo mercado americano?

RIECHERT – As empresas de tecnologia, especialmente as de mais alto crescimento, não têm tanta confiança do investidor típico brasileiro. O brasileiro vai olhar para a empresa e duvidar que o empresário entregue o resultado que prometeu. No caso dos Estados Unidos, há mais demanda por esse tipo de empresa.

DINHEIRO – A empresa de meios de pagamento PagSeguro levantou US$ 2,7 bilhões nos Estados Unidos. Ela não teria conseguido captar isso no Brasil?

RIECHERT – Ela não teria levantado tudo. Quando a PagSeguro abriu capital na Nasdaq, ela tinha 30% do tamanho da Cielo, mas seu valor de mercado era o dobro. Essa avaliação também vale para a empresa de meios de pagamento Stone, e para a empresa de educação Arco. Ambas escolheram captar recursos nos Estados Unidos. Essa tendência de pegar empresas de alto crescimento para listar lá fora é uma boa alternativa para os empresários. Eles conseguem preços mais justos. Se o empresário conseguir entregar o que promete, a ação continua subindo. Se não entregar, a ação despenca.

DINHEIRO – Vamos falar dos riscos para o investidor. Que fatores domésticos podem afetar esses prognósticos positivos?

RIECHERT – Temos de ver como a economia vai se comportar em meio ao crescimento. Temos muito desemprego e capacidade ociosa, mas isso não é uma garantia de que a inflação não poderá subir. A crise espremeu as margens das empresas. No passado, quando as crises passaram, elas reajustaram os preços para compensar as perdas. Isso pode pressionar a inflação, especialmente nos setores em que a concorrência é menor. Por isso, a inflação talvez não fique tão baixa. Isso vai dificultar a queda dos juros, quebrando um pouco a dinâmica de recuperação.

Jerome Powell, presidente do Federal Reserve: taxa de juros sob controle (Crédito:Andrew Caballero Reynolds )

DINHEIRO – E a relação do presidente eleito Jair Bolsonaro com o Congresso?

RIECHERT – Esse é um governo no qual as pessoas têm opiniões fortes, então alguns pequenos desencontros podem acontecer. Isso talvez seja o maior ruído. Outro ponto é que o governo vai encontrar um Congresso relativamente desconhecido. Eu acho que a necessidade de aprovação da reforma da Previdência é um consenso, mas negociar com o Congresso é sempre um risco. Você nunca sabe como os parlamentares vão abordar os temas. Porém, o Brasil é bastante presidencialista e quem tem a caneta sempre tem poder. Apesar de o Bolsonaro não ter escolhido os ministros na base do toma-lá-dá-cá, ele pode promover as emendas. E como os Estados estão quebrados, há menos espaço para deputados e senadores fazerem gracinhas.

DINHEIRO – Quais os maiores riscos no cenário externo?

RIECHERT – O maior problema para o Brasil é a economia americana superaquecida com desemprego zero, que provocaria uma escalada descontrolada de juros nos Estados Unidos. Mas esse não parece ser o caso. Os economistas estão prevendo apenas dois aumentos das taxas americanas para o ano que vem, em vez das três que previam anteriormente, o que é excepcional para nós.

DINHEIRO – Uma alta de juros nos Estados Unidos não pode provocar uma fuga de capital do Brasil?

RIECHERT – Temos de diferenciar. Há o capital especulativo, que vem para cá tentando ganhar com a diferença entre os juros americanos e brasileiros. E há o capital de longo, prazo, as empresas que vão fazer investimentos de cem anos por aqui. Todo o dinheiro é bom, mas o capital de longo prazo é o mais importante.

DINHEIRO – Como atrair esse investidor de longo prazo?

RIECHERT – O principal fator de atração é o petróleo. Os campos do pré-sal têm uma produtividade fantástica. O leilão de excedentes da cessão onerosa vai atrair, de saída, US$ 30 bilhões. Depois as empresas terão de fazer investimentos que são quatro vezes esse montante. São US$ 150 bilhões injetados na economia. Essa é a grande aposta do Brasil, mas estamos dando pouco valor a ela. Parece que o Brasil não enxerga a dimensão desse negócio.

DINHEIRO – A guerra comercial entre Estados Unidos e China preocupa?

RIECHERT – Não vejo ganhador para essa batalha. Se a China continuasse crescendo com a mesma força, ela se tornaria a maior economia global. E isso não agrada muito quem está na liderança. Ainda mais se os Estados Unidos avaliarem que o crescimento chinês decorre de uma política de concorrência desleal. A discussão é justa, mas eles vão se acertar, pois ambos perdem com essa guerra. E o mundo também vai perder.

DINHEIRO – A Genial Investimentos lançou no mês passado o primeiro fundo de investimentos em criptoativos do Brasil. Quais as expectativas para esse segmento?

RIECHERT – No futuro não vão existir ações, e sim moedas das empresas. As chamadas security tokens, que têm lastro em um negócio, são as mais promissoras. São ativos reais transformados em ativos virtuais, e isso tende a ganhar uma escala. Elas serão usadas para investimento. Isso pode ocorrer logo, ou ainda pode demorar um pouco, é difícil prever. As autoridades de diversos paises estão discutindo regulação, mas não acredito que isso seja necessário. Quem se auto-regula é o próprio mercado.

 



Pesquisa do BC

Mercado financeiro reduz estimativa de inflação para 3,28% em 2019

Guerra comercial

OMC dá autorização formal para EUA impor sanções à UE por caso Airbus


Dinheiro da semana

Bolsonaro bate boca com Bivar e racha com PSL

Crise no partido

Crise no partido

Bolsonaro bate boca com Bivar e racha com PSL

O estopim teria sido a declaração dada, na manhã da própria quarta, pelo presidente da legenda, o deputado federal Luciano Bivar, segundo quem a relação de Bolsonaro com o partido estava em estado terminal. “Ele já está afastado”, acrescentou Bivar


Internacional


Jane Fonda é detida em protesto pelo clima na sede do Congresso dos EUA

Ativista

Ativista

Jane Fonda é detida em protesto pelo clima na sede do Congresso dos EUA

A sinuca do presidente Macri para as eleições de 27 de outubro

Argentina em crise

Argentina em crise

A sinuca do presidente Macri para as eleições de 27 de outubro

Carne e peixe artificiais estão perto de chegar aos nossos pratos

Ciência

Ciência

Carne e peixe artificiais estão perto de chegar aos nossos pratos


Editorial

O megaleilão de R$ 112 bilhões

Por Carlos José Marques

Por Carlos José Marques

O megaleilão de R$ 112 bilhões

Já desponta como a mais promissora notícia deste primeiro ano de Governo o megaleilão do excedente da cessão onerosa do petróleo do pré-sal, que deve ocorrer no mês que vem, com previsão de arrecadação na casa de R$ 112 bilhões. Será, em se confirmando, um resultado tão extraordinário que pode significar a redenção orçamentária do Estado

Investidor é como boxeador. Se estiver domado não produz nada

Felipe Miranda, estrategista-chefe da Empiricus

Felipe Miranda, estrategista-chefe da Empiricus

Investidor é como boxeador. Se estiver domado não produz nada

O principal nome do site de recomendações financeiras que mais barulho causou no Brasil nos últimos anos fala sobre os resultados que obteve a partir de estratégias de marketing incisivas e explica por que sua empresa optou por uma postura mais zen


Tecnologia

Sono hype

O foco agora é na cama

O foco agora é na cama

Sono hype

A indústria do bem-estar chega à era pós-fitness e alimentação saudável: a hora de dormir


Acerto de contas

JBS

Acerto de contas

Com desembolso de R$ 5 bilhões, JBS conclui o pagamento da totalidade das dívidas com bancos públicos reguladas pelo Acordo de Normalização, de 2018

O plano elétrico da Renault

Mobilidade

O plano elétrico da Renault

A marca francesa acelera suas vendas fortalecendo parcerias com governos e entidades dedicadas a popularizar os motores carbono zero


Ambiente competitivo estimula Santander

Expansão

Ambiente competitivo estimula Santander

Além do avanço por canais digitais, banco pretende ampliar rede de agências que atendem a cadeia do agronegócio, desde fornecedores, produtores até a agroindústria

Juro baixo destrava ofertas de ações

Onda de IPOS's

Juro baixo destrava ofertas de ações

Volume financeiro em operações iniciais e de aumento de capital por companhias abertas já ultrapassa R$ 60 bilhões neste ano. A perspectiva é encerrar o quarto trimestre com movimentação total superior a R$ 70 bilhões — um recorde


Colunas


O que aprendi sobre chatbots na China

Eduardo Henrique

Eduardo Henrique

O que aprendi sobre chatbots na China

Conheci de perto cerca de 20 empresas durante esse período, já que o motivo principal dessa viagem era observar iniciativas chinesas disruptivas em diversos setores, em especial aquelas que focam na Inteligência Artificial para serviços de interação e suporte aos clientes


Publieditorial