Edição nº 1117 18.04 Ver ediçõs anteriores

O importante é se programar

O importante é se programar

Com 130 unidades no Brasil, 15 em Portugal e uma em Angola, a Happy Code, a maior rede de programação e robótica voltada a crianças e adolescentes do País e a terceira maior no mundo, dará o pontapé inicial a um ousado plano de expansão internacional em 2019. A empresa pretende abrir unidades na França, Espanha, China e no México, segundo Rodrigo Santos, CEO da Happy Code. “O cenário para 2019 é de otimismo. No Brasil, acreditamos em uma pequena recuperação do PIB, na queda na taxa de inflação e a recomposição do poder de compra dos salários. A expectativa positiva em relação ao ensino de tecnologia no mundo vem levando os investidores internacionais a nos procurar”, diz. Hoje com 50 endereços, o plano é abrir 200 unidades ainda no primeiro trimestre deste ano.

(Nota publicada na Edição 1103 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Wessel na China

Um dos maiores especialistas em carnes do País, o empresário István Wessel, dono da fabricante de hambúrgueres que leva seu sobrenome, [...]

Carlos Wizard não perde o apetite

O bilionário Carlos Wizard Martins, dono do Grupo Sforza e controlador de redes como Pizza Hut, Taco Bell e KFC, parece não perder a [...]

Tranquilidade na terceira idade

Em um país com cerca de 35 milhões de pessoas com mais de 60 anos e cuja projeção é atingir 58 milhões em 2060, serviços voltados para [...]

A mulher por trás dos rótulos

A executiva Isabela Monteiro Galli, comandante da americana Avery Dennison no Brasil, se tornou uma fonte de motivação para os mais de [...]

Mais dinheiro para a baixa renda

De olho em um público com dificuldades em obter empréstimos, a Firgun, plataforma de investimentos coletivos, quer ampliar o número de [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.