O importante é se programar

O importante é se programar

Com 130 unidades no Brasil, 15 em Portugal e uma em Angola, a Happy Code, a maior rede de programação e robótica voltada a crianças e adolescentes do País e a terceira maior no mundo, dará o pontapé inicial a um ousado plano de expansão internacional em 2019. A empresa pretende abrir unidades na França, Espanha, China e no México, segundo Rodrigo Santos, CEO da Happy Code. “O cenário para 2019 é de otimismo. No Brasil, acreditamos em uma pequena recuperação do PIB, na queda na taxa de inflação e a recomposição do poder de compra dos salários. A expectativa positiva em relação ao ensino de tecnologia no mundo vem levando os investidores internacionais a nos procurar”, diz. Hoje com 50 endereços, o plano é abrir 200 unidades ainda no primeiro trimestre deste ano.

(Nota publicada na Edição 1103 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A contraprova da Roche

O grupo suíço Roche, um dos maiores conglomerados de medicamentos e equipamentos médicos do mundo, com receita de US$ 57 bilhões no [...]

Sol contra a crise

Para a espanhola STI Norland, uma das líderes mundiais em energia fotovoltaica, a cura para a crise na economia está na luz do sol. A empresa, que chegou no País há cinco anos, prevê faturamento R$ 1 bilhão para 2020, sendo que só no primeiro trimestre deste ano a empresa já fechou mais de R$ […]

Sem vagas para a Covid-19

A canadense Four Seasons, líder mundial em hotelaria de luxo, fez uma parceria com o Instituto Johns Hopkins Medicine para elaborar um [...]

De Araraquara para o mundo

O empresário Renato Bolzan, CEO da Invillia, empresa de tecnologia que atende fintechs popstars como C6 Bank, Pag Seguro, iFood, 99 e [...]

Streaming é cultura

O distanciamento social mudou drasticamente o comportamento das pessoas. Um levantamento da fintech Vee registrou crescimento de 303% [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.