O impacto do raio

O impacto do raio

É do ministro Paulo Guedes a avaliação figurativa, dias atrás, sobre o tamanho da queda do PIB, comparável, no seu entender, ao impacto de um raio que caiu em abril e que somente agora fez barulho. Sobre as vítimas do raio, nenhum comentário. Ele próprio desponta como o mais afetado pelo fenômeno. Guedes já não é mais o mesmo. Não professa pelo ideário liberal e, ao contrário, até prega ideias antes impensáveis em se ouvir da boca dele. O ministro passou a falar, por exemplo, no aumento do teto salarial do funcionalismo público, dentro do intuito de valorizar a “meritocracia”. Como assim? O czar da economia, o “Posto Ipiranga” que defendia ardorosamente o enxugamento da máquina, o fim dos benefícios e privilégios, o tratamento equânime de servidores e profissionais da iniciativa privada, resolveu dar um cavalo de pau nas convicções para defender o que abominava? A troco de quê? Muitos apontam que o convicto do “Estado mínimo” cedeu lugar ao auxiliar eleitoral do chefe. Mero consultor e atendente de suas vontades. Em toda a Esplanada e mesmo entre as pedras que cercam o Palácio do Planalto, não há quem duvide do encolhimento da missão a Guedes atribuída. Quem manda hoje efetivamente na pauta fala em aumento dos gastos em obras, do congelamento de medidas tributárias incômodas, do tratamento diferenciado para militares, juízes e quetais. Na interlocução com o Congresso, não é mais Guedes quem dá o tom. Seus palpites sequer são considerados.

O rompimento – dessa vez parece definitivo – com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, selou seu prestígio por ali. A conversa agora está em outra esfera. Antigos desafetos como Rogério Marinho, que comanda a pasta do Desenvolvimento Regional, passaram à condição de mandachuva e interlocutor preferencial. Generais, e a caserna, que cercam Bolsonaro não dão mais ouvidos ao antes poderoso ministro. O mandatário em pessoa também faz pouco caso do subordinado. Já o considera até substituível e aguarda apenas o momento adequado para fazer a troca. Nesse contexto, o mercado alimenta o receio crescente de uma nova cadência nas hostes da gestão econômica. Temem a possibilidade de o presidente virar, por assim dizer, “uma nova Dilma”, vindo a gastar mais do que pode. Seria um desastre. Não apenas do ponto de vista da saúde das contas da União. A pedalagem levaria ao caos e, provavelmente, ao impedimento. Guedes, antigo guardião da disciplina fiscal e financeira, não possui mais os instrumentos e a respeitabilidade para garantir a meta, o teto, e frear os abusos. O raio de abril pode e deve ter feito um ruído tardio, mas o estrondo de uma hecatombe dessa magnitude será sentido na hora e com um impacto, certamente, muito mais avassalador.

Carlos José Marques, diretor editorial

Veja também

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+Conheça os 42 anos de história da picape Mitsubishi L200

+ Remédio barato acelera recuperação de pacientes com covid-19

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Sobre o autor

Carlos José Marques é diretor editorial da Editora Três e escreve semanalmente os editoriais da revista DINHEIRO


Mais posts

Lá vem o buraco fiscal

O primeiro sinal veio em forma de flexibilização da regra do teto, em uma área específica, já no corrente ano. O Congresso Nacional [...]

O cartão vermelho da economia

A pasta da economia está tendo de fazer uma rearrumação geral para pegar no tranco. Depois do “passa fora” do presidente Bolsonaro, que [...]

O tamanho da queda

De novo em recessão técnica com o tombo gigante movido a pandemia, o Brasil tortura os números para mostrar que não estaria tão mal [...]

O liberalismo virou suco

A resposta do Planalto ao intento de Paulo Guedes e sua trupe de transformar o Estado brasileiro em um ser enxuto, eficiente e [...]

A farra do orçamento

Na esquizofrênica gestão econômica do presidente Bolsonaro, as Forças Armadas merecem mais dinheiro do que o setor de Educação. Aliás, [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.