Edição nº 1142 14.10 Ver ediçõs anteriores

O impacto da crise na Venezuela

O impacto da crise na Venezuela

O fracasso na entrega da ajuda humanitária, de alimentos e remédios, às vítimas do regime de Nicolás Maduro na Venezuela suscita várias questões de ordem prática e consequências, inclusive, de natureza econômica. Qual o próximo passo e em que termos? Qualquer iniciativa militar, de afronta ou intervenção em território independente, pode ser condenada pelas Nações Unidas. De outro lado, a quase paralisia da maioria das atividades produtivas, virada de rotina dos cidadãos e transformação do país em palco de guerra e protestos incessantes precisa ter fim. A economia venezuelana foi demolida. A fome e a miséria passaram a imperar.

Cenas de pessoas catando comida nos caminhões de lixo viraram rotina. A hiperinflação, na casa dos 400% no semestre, torrou todo e qualquer poder de compra dos consumidores. Não se encontra paralelo nem mesmo na débâcle da Alemanha dos anos 1920, que levou à Segunda Grande Guerra. A Venezuela, com a extraordinária bacia de petróleo, da ordem de 302 bilhões de barris – bem mais que os 266 bilhões de barris da Arábia Saudita, só para se ter uma ideia –, é naturalmente alvo de interesse internacional e praticamente paralisou a sua produção, limitada hoje a cerca de 1,1 milhão de barris/dia, menos de um terço do que já conseguiu. Esse recuo tem abalado não apenas o preço do combustível como também a matriz de oferta global.

Ameaças de Maduro foram lançadas contra o Brasil, sob a forma de possível cancelamento de entrega de combustível e energia nas cidades de fronteira. É, ainda sim, o menor dos riscos. A balança comercial entre os dois países desabou, de US$ 6 bilhões para meros US$ 740 milhões no ano passado. E essa proporção se repete praticamente com todos os demais parceiros. Ninguém, naturalmente, quer vender para lá ou comprar mercadorias de um fornecedor que não oferece garantias mínimas de entrega. Na situação limite, os conterrâneos de Maduro são as maiores vítimas e correm às fronteiras em fuga, na procura por ajuda. Não será possível prolongar tamanho quadro de caos por muito tempo, indefinidamente.

Uma saída diplomática é tratada nos gabinetes de organismos multilaterais, mas o ditador se mostra resistente e mesmo o governo paralelo de Juan Guaidó parece sitiado diante do uso de força militar pelo adversário. Ele chegou a ser impedido de retornar ao País depois de um encontro de cúpula latino-americana na Colômbia. Como presidente cujas credenciais são reconhecidas mundialmente, que conta com o apoio da população, mas não tem ainda os instrumentos para governar, Guaidó precisa se valer de ajuda externa para a transição. Há um conflito iminente em gestação e as crescentes assimetrias entre as necessidades do povo e os interesses do ditador levam a crer que o impacto dessa ruptura trará prejuízos de toda natureza e para todas as partes.

(Nota publicada na Edição 1110 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O megaleilão de R$ 112 bilhões

Já desponta como a mais promissora notícia deste primeiro ano de Governo o megaleilão do excedente da cessão onerosa do petróleo do [...]

Quanto é preciso crescer?

A crise econômica, para além das estatísticas, tem feições muito duras e visíveis nos rostos dos trabalhadores desempregados, dos [...]

O otimismo como motor de arranque

Desde a posse do presidente Jair Bolsonaro ocorreu uma clara e concreta mudança de humor entre empresários e executivos da produção. [...]

Petróleo em xeque e em choque

Foi mais do que um mero atentado a uma refinaria saudita. As contas de produção do petróleo estão invariavelmente comprometidas. Os 5% [...]

O delírio de Cintra com a CPMF

Era por demais previsível a queda do titular da Receita Federal, Marcos Cintra, que acabou acontecendo na última quarta-feira 11, em [...]
Ver mais