Edição nº 1104 18.01 Ver ediçõs anteriores

O hotel butique de Guilherme Paulus

O hotel butique de Guilherme Paulus

O empresário Guilherme Paulus, um dos maiores acionistas da operadora de turismo CVC e dono do grupo hoteleiro GJP, vai abrir um novo hotel na avenida Cidade Jardim, em São Paulo. Ele acaba de comprar o icônico prédio onde já funcionou a agência de publicidade DPZ. Ali, ele pretende criar um hotel butique com 65 apartamentos, rooftop e restaurante com espaço para eventos. O nome da bandeira ainda é um mistério. “Estamos pensando em criar algo novo”, diz Paulus, presidente do conselho da companhia, com exclusividade à coluna. Atualmente, o grupo GJP conta com 12 hotéis espalhados pelo Brasil com as bandeiras Wish, Prodigy, Linx e Saint Andrews.

(Nota publicada na Edição 1085 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Hugo Cilo)


Mais posts

Multilaser agora fala mandarim

A China é crucial na estratégia da Multilaser de oferecer um portfólio de 3,5 mil produtos a preços que caibam no bolso dos [...]

História sem fronteira

A Dentro da História, uma startup de Campinas que já vendeu 250 mil livros personalizados em dois anos de operação, vai em busca do [...]

Duplicatas do trilhão

A regulamentação da duplicata eletrônica deve impulsionar o mercado de crédito. Segundo a Central de Registro de Direitos Creditórios (CRDC), o estoque de empréstimos lastreados em duplicatas pode chegar a R$ 1,215 trilhão ao ano em 2023, crescimento de 43% contra os R$ 849 bilhões no fim de 2018. “A duplicata eletrônica vai facilitar o […]

Escola de empreendedorismo

Segundo números divulgados pelo IBGE, em outubro de 2018, o Brasil acumula três anos seguidos de saldo negativo de empresas formais. De [...]

Charge da semana

(Nota publicada na Edição 1104 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Carlos Eduardo Valim, Felipe Mendes e Moacir Drska)
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.