Edição nº 1096 15.11 Ver ediçõs anteriores

O hotel butique de Guilherme Paulus

O hotel butique de Guilherme Paulus

O empresário Guilherme Paulus, um dos maiores acionistas da operadora de turismo CVC e dono do grupo hoteleiro GJP, vai abrir um novo hotel na avenida Cidade Jardim, em São Paulo. Ele acaba de comprar o icônico prédio onde já funcionou a agência de publicidade DPZ. Ali, ele pretende criar um hotel butique com 65 apartamentos, rooftop e restaurante com espaço para eventos. O nome da bandeira ainda é um mistério. “Estamos pensando em criar algo novo”, diz Paulus, presidente do conselho da companhia, com exclusividade à coluna. Atualmente, o grupo GJP conta com 12 hotéis espalhados pelo Brasil com as bandeiras Wish, Prodigy, Linx e Saint Andrews.

(Nota publicada na Edição 1085 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Hugo Cilo)


Mais posts

Lugar de empresa é no parque

O Instituto Semeia, ONG criada pelo co-fundador da Natura, Pedro Passos, quer aproveitar a onda pró-privatizações do futuro governo [...]

Não é fácil ganhar R$ 120 milhões

O médico e empresário Adiel Fares, dono da rede de clinicas médicas que leva seu sobrenome, já está com o balanço financeiro de 2018 [...]

O ‘delay’ da crise

Pesquisa da Fundação Dom Cabral (FDC) pode ajudá-lo a entender a dinâmica da economia. Lívia Barakat, coordenadora do estudo [...]

Missão quase impossível

Um grupo formado por 70 empresas credoras do consórcio Sinopec/Galvão Engenharia acaba de ser constituído para tentar uma missão quase impossível: reaver cerca de R$ 120 milhões. O consórcio formado entre a chinesa Sinopec e a brasileira Galvão Engenharia era responsável pela construção da fábrica UFN 3 (unidade de fertilizantes nitrogenados), em Três Lagoas (MS). […]

Frase da semana

“Não há guinada à direita. O PSDB é um partido de centro. É importante para o Brasil ter um partido longe dos extremos. Um partido de [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.