O hotel butique de Guilherme Paulus

O hotel butique de Guilherme Paulus

O empresário Guilherme Paulus, um dos maiores acionistas da operadora de turismo CVC e dono do grupo hoteleiro GJP, vai abrir um novo hotel na avenida Cidade Jardim, em São Paulo. Ele acaba de comprar o icônico prédio onde já funcionou a agência de publicidade DPZ. Ali, ele pretende criar um hotel butique com 65 apartamentos, rooftop e restaurante com espaço para eventos. O nome da bandeira ainda é um mistério. “Estamos pensando em criar algo novo”, diz Paulus, presidente do conselho da companhia, com exclusividade à coluna. Atualmente, o grupo GJP conta com 12 hotéis espalhados pelo Brasil com as bandeiras Wish, Prodigy, Linx e Saint Andrews.



(Nota publicada na Edição 1085 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Hugo Cilo)


Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?


Sobre o autor

Hugo Cilo é editor de negócios da Revista DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright ©2021 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.