Edição nº 1109 22.02 Ver ediçõs anteriores

O Google jogou a toalha

O Google jogou a toalha

A rede social do Google pode finalmente ter chegado ao seu fim. Na segunda-feira 8, a empresa de Mountain View informou que o Google+ ficará fechado durante 10 meses. O anúncio foi feito horas depois do jornal americano The Wall Street Journal noticiar que, entre 2015 e 2018, informações pessoais de 500 mil usuários da rede social haviam sido expostas na internet. Entre os dados divulgados estavam nomes, endereços, datas de nascimento, fotos de perfil, estados civis e profissões dos internautas. Em nota, a empresa comandada por Sundar Pichai não confirmou se o ataque teve relação direta com a ação tomada, apenas disse que a interrupção foi motivada por “índices baixos de uso e engajamento”. Com o anúncio, as ações do Google recuaram 3,2% na segunda-feira, fazendo a companhia ser avaliada em US$ 799,3 bilhões, o menor valor desde julho.

(Nota publicada na Edição 1091 da Revista Dinheiro)


Mais posts

China e EUA se estranham e UE pode pagar a conta do 5G

Tradicional, histórico e leal aliado americano, o Reino Unido – e de resto toda a Europa – enfrenta um dilema e tanto para prestar [...]

Emojis e emoticons são provas para a Justiça

Pensou que fosse apenas um iconezinho inocente? Esqueça. O uso de emoji e emoticon como provas em tribunal já aparece em mais de 30% [...]

Índia quer controle da internet

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, parece querer se aproximar dos padrões chineses de controle de conteúdo da internet. Seu [...]

O IPO da Uber

Feliz aniversário, Uber! A empresa que mudou a semântica relacionada à mobilidade está prestes a fazer dez anos (em março) e deverá [...]

50 bilhões

É o número de fotos compartilhadas no INSTAGRAM. A rede tem 1 bilhão de contas ativas (Nota publicada na Edição 1109 da Revista Dinheiro)
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.