Edição nº 1092 19.10 Ver ediçõs anteriores

O Google jogou a toalha

O Google jogou a toalha

A rede social do Google pode finalmente ter chegado ao seu fim. Na segunda-feira 8, a empresa de Mountain View informou que o Google+ ficará fechado durante 10 meses. O anúncio foi feito horas depois do jornal americano The Wall Street Journal noticiar que, entre 2015 e 2018, informações pessoais de 500 mil usuários da rede social haviam sido expostas na internet. Entre os dados divulgados estavam nomes, endereços, datas de nascimento, fotos de perfil, estados civis e profissões dos internautas. Em nota, a empresa comandada por Sundar Pichai não confirmou se o ataque teve relação direta com a ação tomada, apenas disse que a interrupção foi motivada por “índices baixos de uso e engajamento”. Com o anúncio, as ações do Google recuaram 3,2% na segunda-feira, fazendo a companhia ser avaliada em US$ 799,3 bilhões, o menor valor desde julho.

(Nota publicada na Edição 1091 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Próximo destino da Uber: Wall Street

Prevista anteriormente para acontecer somente no segundo semestre de 2019, a abertura de capital da Uber pode ser realizada já nos [...]

“Ninguém sai de um emprego quando tudo está incrível”

Kevin Systrom, ex-CEO e fundador do Instagram, que deixou o comando da companhia no começo do mês (Nota publicada na Edição 1092 da [...]

Facebook ganha 29 milhões de novos problemas

Demorou quase duas semanas, mas o Facebook confirmou os estragos causados por um ataque ocorrido contra a rede social no fim de [...]

De ouvidos abertos

A Apple está de olhos (e ouvidos) abertos para novas oportunidades de investimento. A companhia comandada por Tim Cook comprou a [...]

Fim dos semáforos

A Ford está investindo £ 20 milhões para eliminar os semáforos. Na segunda-feira 15, a fabricante americana de veículos anunciou que [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.