O fourth bottom line

O fourth bottom line

No início do século 19, Friedrich Engels e Conde de Saint-Simon publicaram artigos que causaram sensação na Europa. Os escritos denunciavam as péssimas condições de trabalho em fábricas, que, naquele alvorecer da Revolução Industrial, empregavam crianças, mulheres com bebês pendurados nos seios e homens doentes e desnutridos.

Ao serem cobrados, os industriais da época diziam que seus negócios seriam inviáveis se não fossem desenvolvidos dessa forma.

Uma conjunção de fatores, como o despertar de sensibilidades mais humanizadas, a mobilização dos trabalhadores e a constatação racional da inviabilidade econômica desse sistema, gerou o que ficaria conhecido como responsabilidade social.

Já na segunda metade do século 20, as atenções se voltaram aos estragos que o modelo de desenvolvimento industrial e empresarial causava ao planeta, repercutindo na sociedade humana. Tal situação fez emergir uma nova noção de responsabilidade: a ambiental (ou sustentabilidade). Como ocorrera 150 anos antes, a maioria dos empresários contestou. Porém, em consonância com a dinâmica acelerada da história, a incorporação não tardou tanto. Eles perceberam que uma postura sustentável não prejudicava seus negócios; ao contrário, abria oportunidades, ao mesmo tempo em que valorizava e humanizava suas marcas.

Nos tempos que correm, um novo “círculo dantesco” nos vem sendo revelado: trabalhadores com direitos respeitados, baseados em ambientes sustentáveis, mas padecendo de males tão ou mais complexos que os anteriores. Falo de males que se tornaram prevalentes nas últimas décadas e que se manifestam sintomaticamente como ansiedade, pânico, depressão e síndrome de burnout, por exemplo. A OMS entende que o mundo do trabalho é um dos principais causadores dessas novas patologias da modernidade.

Numa época em que as linhas de montagem são operadas quase que exclusivamente por robôs, as dinâmicas desumanizadoras passaram a ser vividas nas impessoais torres empresariais – e, mais recentemente, no isolamento do home office.

Estamos, pois, diante de um novo desafio, enfrentando uma forma de desumanização que afeta e compromete, também, a saúde das corporações. Sem descurar da responsabilidade social e da sustentabilidade, o mundo corporativo se vê chamado a olhar com cuidado para uma nova dimensão da vivência laboral: a da sustentabilidade da alma; da saúde não apenas mental, mas existencial das pessoas.

Eis o contexto em que se impõe o conceito de Responsabilidade Humanística, o fourth bottom line que, com lucratividade, responsabilidade social e sustentabilidade, deve compor a base de um capitalismo consciente e um mundo corporativo humanizado.

Uma empresa humanisticamente responsável é aquela que se torna consciente e investe no desenvolvimento humanístico de seus colaboradores, promovendo um ambiente saudável, criativo, humanizador e humanizado.

Mas como responder a esse desafio e assumir essa responsabilidade?

Atuo há mais de 20 anos como educador e pesquisador na área da saúde a partir de um background humanístico. Já coordenei uma série de experimentos que me levaram ao desenvolvimento de conceitos como o da Responsabilidade Humanística e de projetos como o do Laboratório de Leitura, que visa a humanização pela leitura e discussão de clássicos da literatura universal.

Os artigos desta coluna estarão, pois, baseados nesta experiência que, há quase uma década, proponho e desenvolvo em ambiente corporativo.

Espero que eles sejam o ponto de partida para o despertar de uma urgente reflexão e um frutífero diálogo com você, leitor. Muito prazer!

Dante Gallian, doutor em História pela USP, é professor da EPM-Unifesp, coordenador do Laboratório de Leitura e colaborador da Responsabilidade Humanística. Publicou o livro A Literatura como Remédio – Os Clássicos e a Saúde da Alma (Martin Claret)

 

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor

Doutor em História pela USP, Dante Gallian é professor da EPM-Unifesp, coordenador do Laboratório de Leitura e colaborador da Responsabilidade Humanística. Publicou o livro A Literatura como Remédio – Os Clássicos e a Saúde da Alma (Martin Claret)


Mais colunas e blogs


Mais posts

Cuidado com o foco na meta: a lição de Frankenstein

Num memorável verão de princípios do século 19, um grupo de veranistas ingleses encontrava-se entediado por causa dos invariáveis dias [...]

Por que ler os clássicos?

O título deste artigo reproduz, de propósito, aquele de um livro do grande escritor cubano-italiano Ítalo Calvino, publicado [...]

A humanização pela literatura

No artigo anterior, comentava sobre a problemática da humanização por aplicativo, sua insuficiência e o equívoco antropológico que subjaz muitas destas propostas programáticas. Indo além da crítica, torna-se necessário, entretanto, apontar quais caminhos alternativos podem levar a uma efetiva humanização no mundo corporativo, partindo da percepção de que ao lidar com pessoas trabalhamos com seres […]

Humanização por aplicativo

Já se tornou lugar-comum falar das grandes transformações que estão ocorrendo ou ainda irão ocorrer na dinâmica do trabalho em função [...]

A empresa como espaço humanizado

É interessante observar o processo de transformação dos espaços de trabalho nos últimos tempos. Um processo dinâmico, acelerado, que, [...]
Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.