Edição nº 1079 20.07 Ver ediçõs anteriores

O fim do risco Lula

O fim do risco Lula

A prisão do ex-presidente e líder petista, Luiz Inácio Lula da Silva, tira do mercado e do setor produtivo um fator de instabilidade importante. Inevitavelmente entre investidores e empresários corria o temor com as propostas extremistas que o até então líder nas pesquisas eleitorais pregava para uma eventual candidatura. Revisão da reforma trabalhista, abandono do projeto da previdência, sem contar as promessas populistas que implicariam em mais gastos desamparados de receitas correspondentes estavam a agitar as apostas sobre o futuro do País.

O risco de um estouro ainda maior das contas públicas no caso de um governo petista era, a tomar por sua plataforma de intenções, substancialmente superior ao dos demais candidatos. Nesse contexto, existiam dúvidas inclusive sobre a sustentabilidade do crescimento econômico, da retomada do PIB e do controle de indicadores monetários como inflação e câmbio. A rota que vinha sendo seguida até aqui, que aos poucos e a duras penas está provocando a geração de empregos, a retomada das vendas e a volta da estabilidade, poderia ter fôlego curto e acabar logo adiante – até as eleições – se vingasse a opção Lula. Essa ameaça está agora descartada.

O demiurgo de Garanhuns, além de ficha suja, inelegível, deve ficar atrás das grades, de onde terá pouco poder de influência no tabuleiro da sucessão que se arma. Sua participação ou não no jogo era o fiel da balança. Com ele, poucos empreendedores acreditavam na continuidade da recuperação. Sem ele, as chances aumentam consideravelmente. Desde que o Supremo Tribunal Federal (STF) negou o habeas corpus preventivo solicitado por ele e esgotou as chances de apelação, o mercado reagiu positivamente. O Ibovespa, antes mesmo da prisão, na quinta-feira, 5, fechou em alta de 1% e seguiu com viés de alta no dia seguinte. Dólar caía. As ações de empresas estatais especialmente, como as do Banco do Brasil, Petrobras, e Eletrobras, valorizaram significativamente.

No volume total, a bolsa acumulou alta em um único dia de mais de R$ 4 bilhões.
E não é para menos. Nos últimos tempos Lula havia regredido a um papel que adotou na origem sindical, quando era tido como “o sapo barbudo” que amedrontava o chão de fábrica. O Lula radical tentou por três vezes as eleições no passado e só conseguiu vencer quando mudou o figurino, tornando-se mais palatável ao setor produtivo. Desta feita, Lula estava na dianteira mesmo sem contar com o apoio empresarial, devido em parte à tibieza das opções de candidaturas de centro. Para o mercado era um temor crescente que deixou de existir.

(Nota publicada na Edição 1064 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O estrago irreparável da greve

Saiu a conta do desastre criado no País com a paralisação dos caminhoneiros. E ela é pesada, difícil de contornar e com reflexos [...]

Farra parlamentar

Parece uma sina da qual o País nunca consegue escapar. Em ano eleitoral é sempre a mesma coisa: parlamentares correm a aprovar projetos [...]

O plano econômico dos presidenciáveis

Vai encurtando o tempo até as eleições e ainda pairam dúvidas enormes sobre o que cada um dos candidatos ao Planalto pretende fazer, [...]

O Brasil ganha na guerra comercial

Depois que os EUA decidiram abrir guerra pesada contra a China no campo comercial, o mundo prendeu a respiração, as bolsas balançaram e [...]

As incertezas do capital

Há um termômetro absolutamente infalível no que se refere à credibilidade de uma economia: o investimento externo. Ele é tanto maior e [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.