O fim de um projeto

O fim de um projeto

Está definitivamente sacramentado: não há mais nada de modelo liberal na economia neste governo em curso. Os sinais foram sendo dados aos poucos. Evoluíram para a frustração geral daqueles que acreditaram e terminou com um movimento de debandada deprimente, na base do “último a sair apaga a luz”. A cada passo que era dado fora da trilha, uma peça pulava do tabuleiro. A estratégia fiscal naufragou, o secretário da Receita foi posto a correr. As contas estouraram, o secretário do Tesouro também desistiu. As privatizações não saíram, o secretário que cuidava do assunto pediu o boné. E o mesmo fez o responsável pelo plano de uma Reforma Administrativa, adiada para o ano que vem, mas, realisticamente, empurrada para baixo do tapete “ad aeternum” enquanto durar a era bolsonarista. Sem contar o presidente do BB, que demitiu-se atirando, lamentando o pendor para corrupção que encontrou lá dentro. Trocando seis por meia dúzia, não restou o que salvar. E projeta-se quase como último tripulante, também prestes a pular do barco antes que ele afunde, justamente o capitão do time, czar da economia, antes indemissível, atávico defensor do liberalismo às ultimas consequências, Paulo Guedes. Ele queima a biografia, mancha a imagem e enfraquece dia a dia, na fritura branda que o mandatário lhe impõe adotando, propositadamente, caminhos que nada têm a ver com o seus preceitos. Guedes sabe — e até as pedras do em torno do Palácio do Planalto também — que o capitão não vai mover um dedo para mexer com o aparato de servidores públicos que lhe dão sustentação eleitoral. Zero de chances nesse sentido. Também, e por tabela, não está no escopo do presidente vender estatais que lhe oferecem cabides de emprego para ele negociar a base de apoio. Jair Bolsonaro não quer aborrecimentos com essas demandas, mesmo que urgentes. Nunca se envolveu diretamente em nenhuma delas. Nem mesmo na da Previdência, que só saía por empenho direto do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e porque já estava com meio caminho andado, desde a gestão anterior. Bolsonaro quer saber de porte de armas, de fim dos radares nas estradas, de departamento especial para cuidar de gatos e cachorros – até nisso ele pensou. Questões rasteiras, menores, comezinhas, sem maiores desafios. E o que ainda faz Paulo Guedes ali? Exatamente o que planeja, sendo quase humilhado com decisões que contrariam seus princípios? Daqui a alguns dias será lançado, com pompa e circunstância, o Programa Pró-Brasil, já batizado erroneamente tempos atrás de Plano Marshall à brasileira, que nada mais é do que um compêndio de gastos sem lastro e sem recursos definidos, desenhado com o exclusivo intuito de ajudar numa campanha à reeleição do Messias “mito”. Guedes é o peixe fora d’água nessa festa. Deveria pedir para sair. Afinal, do seu projeto liberal não restou nem a cor.

Carlos José Marques, diretor editorial

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

O crescimento em “v”

Vivemos a ilusão de uma rápida, consistente e tranquila retomada econômica, no ritmo que os membros da equipe do ministro Paulo Guedes [...]

A pedalagem do renda cidadã

Foi um truque. Uma tentativa rasa de enganar a turba. O governo não se emenda. Tentou mudar o nome, de novo, do Bolsa Família – que já [...]

Lá vem o buraco fiscal

O primeiro sinal veio em forma de flexibilização da regra do teto, em uma área específica, já no corrente ano. O Congresso Nacional [...]

O cartão vermelho da economia

A pasta da economia está tendo de fazer uma rearrumação geral para pegar no tranco. Depois do “passa fora” do presidente Bolsonaro, que [...]

O impacto do raio

É do ministro Paulo Guedes a avaliação figurativa, dias atrás, sobre o tamanho da queda do PIB, comparável, no seu entender, ao impacto [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.