Edição nº 1079 20.07 Ver ediçõs anteriores

O fim das repúblicas de bananas

O fim das repúblicas de bananas

A expressão república de bananas foi cunhada pelo escritor americano O. Henry, em 1904, e refere-se, pejorativamente, a países pouco desenvolvidos. O termo pode perder o sentido, em breve. Não pelo súbito desenvolvimento do antigo “terceiro mundo”. A situação decorre do possível desaparecimento da banana. Um fungo, conhecido como fusarium, vem dizimando plantações na Austrália, na Ásia e, agora, na África e no Oriente Médio. A América Latina, maior exportadora mundial, deve ser a próxima. O problema é que a doença, até o momento, se mostra resistente a qualquer tipo de pesticida. Cientistas da Universidade de Quensland, na Austrália, recentemente, iniciaram testes com uma versão geneticamente modificada da espécie Cavendish, a mais vendida no mundo. Trata-se da melhor chance de salvar a fruta mais popular do planeta.

(Nota publicada na Edição 1040 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Calor escaldante

O calor causado pelo aumento da temperatura global pode afetar a vida de 1,1 bilhão de pessoas no Planeta, informou, na segunda-feira [...]

Chocolate frio

A Mondelēz Brasil está oferecendo, por meio do projeto Adegas, geladeiras para garantir a conservação de chocolates, dentro das [...]

Geração renovável

A Petrobras firmou um acordo com as francesas Total e Total Eren. Segundo comunicado da estatal, o trato faz parte da estratégia para [...]

Ações de impacto

Segunda maior cimenteira do Brasil, a Intercement está priorizando investimentos de impacto em suas iniciativas de sustentabilidade. O [...]

Um retrocesso de US$ 5 trilhões

As escolhas políticas do governo brasileiro na causa ambiental podem gerar, num pior cenário, US$ 5 trilhões de prejuízos até 2050, [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.