Giro

O espaço sideral ficou um pouco mais claro

Crédito: Reprodução/Pexels

A 6 bilhões de quilômetros do Sol, longe de planetas brilhantes e da luz espalhada pela poeira, o espaço vazio era cerca de duas vezes mais brilhante (Crédito: Reprodução/Pexels)



Essa pode ser a última notícia que você esperava ouvir no final de um ano sombrio. Mas é isso que um grupo de astrônomos descobriu, usando câmeras da espaçonave New Horizons que uma vez visitou Plutão para medir a escuridão do espaço interplanetário.

“Há algo desconhecido lá fora”, disse Tod Lauer, do Laboratório Nacional de Pesquisa em Astronomia de Infravermelho Óptico em Tucson, Arizona. A 6 bilhões de quilômetros do Sol, longe de planetas brilhantes e da luz espalhada pela poeira interplanetária, o espaço vazio era cerca de duas vezes mais brilhante do que o Dr. Lauer e seus colegas encontraram.

+ Sonda chinesa retorna à Terra com amostras da Lua
+ Veja ao vivo a tentativa de lançamento da nave espacial da Space-X

A explicação mais provável, disse ele, era que havia mais galáxias muito tênues ou aglomerados de estrelas contribuindo para a luz de fundo do universo do que seus modelos indicavam. Ou mesmo que buracos negros no centro de galáxias indistintas estavam bombeando energia extra para o vazio.

Uma possibilidade menos empolgante, disse Lauer, é que “erramos e perdemos uma fonte de luz ou artefato de câmera que deveríamos ter descoberto. É com isso que mais me preocupo”.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


Uma sugestão mais intrigante, embora especulativa, envolve o que pode ser chamado de matéria fria e sombria. O universo é pensado para ser preenchido com ” matéria escura “, sua substância exata desconhecida, mas cuja gravidade molda o cosmos visível.

Durante séculos, a escuridão do céu noturno foi a fonte de um paradoxo que leva o nome do astrônomo alemão Heinrich Wilhelm Olbers.