Negócios

O erro de cálculo da CVC

Impactada pela alta do dólar e pelo coronavírus, a maior agência de turismo da américa latina volta os olhos para os indícios de falha contábil nos valores transferidos, entre 2015 e 2019, a fornecedores e que somam r$ 250 milhões. Mercado reage e ações despencam.

Crédito: Divulgação

Em meio à certeza do impacto negativo do coronavírus no mundo e ao ambiente desfavorável por causa da alta constante do dólar, a CVC, maior agência de turismo da América Latina, detectou indício de erro contábil nos valores transferidos aos fornecedores de serviços turísticos, entre 2015 e 2019, da ordem de R$ 250 milhões, correspondente a 4% da receita líquida até setembro de 2019.

O mercado financeiro, que já vinha detectando a queda significativa dos papéis da companhia, reagiu negativamente, mais uma vez, ao deslize na contabilidade da empresa, ainda sem explicação consistente pela operadora. Dodia 28 de fevereiro – quando a CVC divulgou o erro em fato relevante –, ao fechamento do pregão na quarta-feira 4, as ações da companhia na Bolsa acumulava queda de13,8%, passando de R$ 25,73 para 22,18. Na tarde da quinta-feira 5, custavam R$ 20,80, queda de 6,3% num dia.

O possível erro contábil foi descoberto por comitê de auditoria interna da empresa, que determinou a realização de apuração independente, por consultores externos. Nesse período, os balanços da companhia foram auditados pela E&Y (entre 2015 e 2017) e KPMG (a partir de 2018), que não detectaram o problema. A CVC não informa se irá romper o contrato e se irá responsabilizar as consultorias. “A apuração independente apontará as medidas a ser adotadas em relação aos potenciais erros. Além disso, a empresa tem trabalhado para aprofundar e aperfeiçoar os seus controles internos e processos financeiros”, afirmou a empresa à DINHEIRO.

Em nota, a KPMG disse que “por motivos de cláusula de sigilo e regras da profissão, está impedida de se manifestar sobre casos envolvendo clientes ou ex-clientes”, discurso repetido pela E&Y.

Para a CVC, que diz ter revisado procedimentos contábeis, os efeitos não serão sentidos por acionistas, mesmo que a falha seja confirmada. “Os ajustes contábeis, caso efetivados, não terão impacto sobre a geração e os saldos de caixa reportados nas demonstrações financeiras e os valores transferidos aos fornecedores estão corretos.” Em relatório assinado pelo especialista em ações Eduardo Guimarães, a corretora Levante é direta ao falar do momento da companhia de viagem, avaliado como “tempestade perfeita com perspectiva frustrada de resultados futuros”, e do impacto dos fatores externos no preço da ação. “Já caiu muito, mas pode cair ainda mais. Nossa recomendação é ficar de fora das ações de CVC Brasil no curto prazo.” A questão, agora, é saber qual será a saída encontrada pela empresa para virar esse jogo, que deve ter o próximo capítulo com a divulgação do balanço de 2019, no próximo dia 12.