TV DINHEIRO

“O ensino online representa 10% dos alunos que estudam inglês no Brasil, mas acreditamos que pode crescer”, diz o CEO da CNA


No programa MOEDA FORTE desta semana, Carlos Sambrana, diretor de redação da ISTOÉ DINHEIRO, recebe Décio Pecin, CEO da rede de escolas de idiomas CNA. Com 45 anos de história, 600 unidades e faturamento anual de R$ 800 milhões, a companhia prevê a abertura de mais 150 unidades até 2020.

Neste segundo bloco (acima), ele fala sobre novas tecnologias na educação. Pecin destaca o quanto a tecnologia impacta a vida das pessoas e todos os setores da economia. “Hoje a tecnologia é fundamental. Usamos realidade virtual, QR Code, games e aplicativos para o reforço da prática do idioma”, afirma. O CEO da CNA fala ainda sobre o lançamento da plataforma 360 e do CNA Go, que é um modelo de ensino híbrido com aprendizado online e encontros presenciais. “A geração digital está muito mais acostumada com essa nova maneira de aprender”, diz.

BLOCO 1

Pecin conta que a CNA começou o franchinsing em 1988. “A primeira franqueadora está conosco até hoje”, afirma. Hoje, a maciça maioria das 600 unidades é franqueada. De acordo com o executivo, mesmo durante os últimos anos de crise no Brasil, a CNA continuou investindo na renovação dos materiais didáticos da rede. Pecin explica que todas as vezes que tentaram fechar uma fusão ou aquisição, houve colisão de marcas e escolas dentro de uma mesma região. “Preferimos olhar mais para o crescimento orgânico dentro da nossa própria rede”, explica.