Edição nº 1122 24.05 Ver ediçõs anteriores

O efeito Lava Jato

O efeito Lava Jato

A advogada e economista Elaine Zordan, uma das mais renomadas profissionais do setor de compliance no País, acredita que o brasileiro, enfim, despertou para a importância de criar mecanismos de transparência e combate à corrupção, especialmente em contratos que envolvem empresas públicas. “Sem dúvida é um legado da Lava Jato para o meio corporativo”, afirma. “Tenho percebido que muitas empresas me procuram para tirar dúvidas e esclarecer questões relacionadas à conduta, algo que era raro de acontecer no passado”, diz. Ela assumiu neste ano o comando do departamento de setor público da indiana Wipro, segunda maior empresa de TI do mundo, depois de ter passado por gigantes como a alemã SAP e da americana Gartner.

(Nota publicada na Edição 1098 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Felipe Mendes)


Mais posts

“O Brasil vai voltar a atrair investimentos”

Entrevista Jorge Apaez, CEO do Grupo IHG para América Latina O executivo mexicano Jorge Apaez, CEO do grupo hoteleiro IHG na América [...]

Alguém ganhou com o IPO da Uber

A malfadada abertura de capital da Uber, cujas ações despencaram 9% em apenas uma semana, gerou efeitos colaterais positivos para uma [...]

Quer pagar quanto?

Os brasileiros estão, cada vez mais, descobrindo as vantagens das empresas digitais de renegociação de dívidas. Tanto é que a [...]

Maconha liberada, lucro bilionário

Se fosse liberado, o mercado de cannabis acessível (maconha regulamentada e lícita) movimentaria cerca de US$ 2,4 bilhões no Brasil, [...]

O app de quem não tem plano

Pelos cálculos do Minis-tério da Saúde, uma consulta médica pelo SUS pode demorar mais de 12 meses em várias regiões do País. Ao [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.