O divórcio pode dar lucro

O divórcio pode dar lucro

Sob o ponto de vista financeiro, o divórcio pode ser um bom negócio. Não para quem se separa, mas para quem vê nesse “mercado” uma oportunidade de empreender. É o caso da empresária Calila Matos, 38 anos, que percebeu uma carência de especialistas no assunto quando decidiu acabar com seu casamento.

Foi aí que ela criou o Idivorciei, o primeiro hub de soluções e serviços para ajudar quem está em processo de desquite. “A sociedade não nos ensina a lidar com o término, nem mostra quais caminhos seguir com o fim do casamento”, afirmou Calila.

O potencial é, sem dúvida, imenso. Segundo o IBGE, o número de divórcios no Brasil cresceu 75% em cinco anos. Somente em julho, durante a pandemia, o total chegou a 7,4 mil, disparada de 260% sobre a média dos meses anteriores. E o custo médio para desfazer o casamento vai de R$ 425, para quem não tem filhos, a R$ 46 mil, para casais que possuem bens.

(Nota publicada na edição 1198 da Revista Dinheiro)



Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago


Sobre o autor

Hugo Cilo é editor de negócios da Revista DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.