Edição nº 1099 07.12 Ver ediçõs anteriores

O dinheiro vai ficar mais barato

O dinheiro vai ficar mais barato

O CEO do Banco Inter, João Vitor Menin, está eufórico com a decisão do Banco Central de mudar as regras do compulsório, aumentando de R$ 200 milhões para R$ 500 milhões a faixa de isenção para o recolhimento. Na prática, seu banco, com quase R$ 1,5 bilhão em depósitos e 1,3 milhão de correntistas, terá cerca de R$ 150 milhões a mais para emprestar. Ele conta com exclusividade à DINHEIRO quais são as suas expectativas.

O que vai mudar para os bancos menores com a alteração do compulsório?
A mudança do compulsório prestigia e incentiva as instituições menores, aquelas que não são os cinco maiores bancos brasileiros: Banco do Brasil, Caixa, Itaú, Bradesco e Santander. Ao incentivar os bancos de fora do ‘G5’, o mercado se torna mais competitivo. Com competição, há mais acesso a financiamentos e crédito mais barato. No fim das contas, quem ganha é o brasileiro.

A concorrência tende a ficar mais acirrada com os grandes bancos, então?
Com certeza. Cria-se uma condição igualitária de competição, e faz com que o cliente que está no banco de varejo seja tão rentável para o Banco Inter quanto ele é para o Banco Itaú, Bradesco e Santander. Essa é mais uma etapa, mais um feito, que dá fôlego para os bancos menores competirem com os bancos maiores. Agora é factível.

Como foi o ano para o Banco Inter?
O Inter tem 24 anos de mercado, e 2018 foi o nosso melhor ano. Primeiro, nós tivemos a abertura de capital, que é um marco na história de qualquer companhia. Segundo, ultrapassamos a marca de 1 milhão de correntistas, em setembro, e isso era uma meta para o final do ano. Terceiro, fomos o primeiro banco brasileiro a fazer a migração de todos os servidores, dentro do nosso data center, para nuvem, que é um negócio mais evoluído, uma tendência global. Foi um ano muito rico para nós.

O que o BC pode fazer para aumentar ainda mais a competição?
Ainda existem muitas barreiras regulatórias que fazem com que os bancos mais antigos e de maior tamanho consigam se blindar. Com isso, o consumidor está perdendo. As taxas altíssimas para pequenos comerciantes anteciparem as vendas por cartão de crédito precisam ser revistas. Sem isso, o pequeno comerciante não tem competitividade.

A digitalização dos grandes bancos ameaça?
A digitalização é uma tendência que ninguém pode ignorar. A digitalização já mudou a hotelaria, o transporte, o varejo, a aviação, entre muitos outros. No setor bancário, demorou a começar, mas já começou.

(Nota publicada na Edição 1098 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Felipe Mendes)


Mais posts

Rumo ao Brechó digital

A Redpoint eventures, empresa americana de capital de risco que aposta em startups de tecnologia, vai investir na Repassa, empresa de [...]

A novela da Sapore

Depois de duas tentativas fracassadas ao longo do ano, a saga da fusão entre as empresas Sapore, uma das maiores fornecedoras de [...]

A visão da Monkey

A fintech Monkey Exchange, marketplace de antecipação de recebíveis, vai ampliar de 10 para 30 o número de clientes de grande porte em [...]

Por que a Audi vai investir € 40 bilhões?

A alemã Audi parece decidida a buscar a liderança do mercado de novas tecnologias. Em cinco anos, a empresa planeja investir € 40 [...]

Charge

(Nota publicada na Edição 1099 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Claudio Gradilone e Valéria Bretas)
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.