O dilema da energia solar

“Nem tudo o que reluz é ouro”, diz o adágio popular. Pois convém acrescentar: nem só o ouro tem valor. A energia solar é um exemplo prático.
No Brasil, que recebe mais de 3 mil horas de sol por ano, as usinas solares foram alçadas à condição de uma das alternativas preferenciais por empresas que buscam contribuir para uma matriz energética limpa e renovável. Na prática, o resultado pode não ser o esperado. “Renovável, sim. Limpa, nem tanto”, afirmou Cristiana Nepomuceno Soares, autora do recém-lançado livro A Sustentabilidade da Energia Solar.Segundo ela, o problema principal é o descarte das unidades de captação. “Uma usina solar tem vida útil média de 25 anos e hoje não há regulamentação sobre o descarte apropriado dessas placas fotovoltaicas que, sem uso, trazem risco para o ser humano e o meio ambiente”, afirmou. O emprego de elementos químicos como silício, cobre e chumbo, que possuem alta capacidade de contaminação da terra e água, ameaçam a saúde da população.

Apesar desse risco, a opção é melhor do que o combustível fóssil. “Não há dúvida de que a energia solar quando usada com consciência traz benefícios para a redução da poluição, mas para maior eficiência ambiental é preciso criar regulamentações prevendo o desmanche das usinas”, disse a autora. No Brasil, a participação do uso direto e indireto de energia renovável no consumo deverá passar dos atuais 39% para 45% em 2040. No mesmo período, a progressão global irá de 9% para 16% . Ainda que a média do uso de energia renováveis no País seja superior à do mundo, a solar ainda é pouco aproveitada, correspondendo a pouco mais de 0,02% da matriz nacional.

Evandro Rodrigues

(Nota publicada na edição 1182 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

MRV planta 1,2 milhão de árvores

Enquanto alguns queimam florestas, outros plantam. Somente no primeiro semestre deste ano, a construtora MRV plantou 93.976 árvores — o [...]

Cinema solar e solidário

Criatividade, compromisso ambiental e social. Tudo junto e misturado. Essa é a essência do projeto Cinesolar, realizado pela Brazucah [...]

Limites para os agroquímicos

O Carrefour, primeira grande rede de supermercados a vender frangos orgânicos no mundo, segue forte na pressão de exigir alimentos mais [...]

Parque para o mico-leão-dourado

Considerado animal em risco de extinção, o mico-leão-dourado ganhará um parque ecológico com seu nome em Silva Jardim (RJ). Previsto [...]

Oceanos sufocados

A cada visita à praia, a cena se repete: conforme a tarde cai, mais plásticos se veem na areia. No dia seguinte, tudo limpo de novo. O [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.