Edição nº 1142 14.10 Ver ediçõs anteriores
Frank Appel é o principal executivo da DHL e diz que é da colaboração entre empresas e governos que virá a solução para qualquer crise

Entrevista

O crescimento econômico gerado pela globalização precisa ser inclusivo

iStock

O crescimento econômico gerado pela globalização precisa ser inclusivo

Otimista, o principal executivo de uma das líderes mundiais em logística diz que é da colaboração entre empresas e governos que virá a solução para qualquer crise

Valéria Bretas
Edição 03/05/2019 - nº 1119

Na visão do CEO da companhia alemã DHL, Frank Appel, o principal desafio para o setor logístico é a infraestrutura e a inovação. A empresa tem usado a tecnologia para melhorar a eficiência da operação, mas também testa drones para algumas entregas, especialmente na chamada última milha. “Esperamos que ferramentas tecnológicas, como a internet das coisas e os marketplaces ajudem a reformular nossa indústria e a aprimorar ainda mais a experiência do cliente”, diz o executivo nesta entrevista à DINHEIRO. Para ele, o mercado brasileiro se tornou uma prioridade. Não por acaso, a divisão DHL Express Brasil decidiu investir € 5 milhões (aproximadamente R$ 22 milhões) na ampliação do seu centro de distribuição no País. “Não tenho dúvidas de que o Brasil continuará sendo uma parte importante da DHL no futuro”, diz Appel.

DINHEIRO – Qual é a sua percepção sobre o atual cenário econômico global?

FRANK APPEL – Considerando a agenda que foi discutida em Davos neste ano, estamos vivendo em uma era de “incerteza, fragilidade e controvérsia sem precedentes” e “em um mundo preocupado com a gestão de crises”. É uma observação muito pessimista. Embora eu concorde em partes com essa opinião e entenda a origem desse ponto de vista, sou mais otimista com o futuro da globalização, da cooperação internacional e do comércio. A projeção geral para a economia global permanece sólida para os próximos dois anos e não vemos quaisquer indícios de uma recessão global no curto prazo.

DINHEIRO – O que as empresas, especialmente as multinacionais, podem fazer para ter uma participação mais democrática no comércio internacional?

FRANK APPEL – Penso que o momento que estamos vivendo, de aumento do nacionalismo e do protecionismo, desaparecerá se a política e os negócios continuarem implementando as políticas corretas. Nós tendemos a focar nossa visão em eventos pontuais, como o conflito comercial entre Estados Unidos e China ou o Brexit, mas esquecemos que a maioria dos países está comprometida em estender o comércio global e promover o multilateralismo. Mas o crescimento econômico gerado pelo livre comércio e pela globalização precisa ser inclusivo. E é claro que o crescimento inclusivo precisa estar comprometido com a sustentabilidade e a proteção ambiental, assim como os investimentos em infraestrutura, educação e aprendizagem. As empresas podem desempenhar um papel importante, trabalhando em colaboração com os governos para apoiar investimentos na infraestrutura física e digital, assim como na aprendizagem.

DINHEIRO – Quais são os principais desafios da DHL em termos de infraestrutura logística no Brasil e no mundo?

FRANK APPEL – Investimentos em transporte e infraestrutura apoiam o crescimento econômico. Portanto, é do interesse de qualquer país fazer disso uma prioridade. No geral, a pontuação do Brasil em infraestrutura no Índice de Desempenho de Logística do Banco Mundial tem continuado estável nos últimos dez anos e é consistente com o nível de outras grandes economias da América Latina. Estamos confortáveis com a nossa capacidade de operar com sucesso no Brasil. Vejo mais risco para a cadeia de suprimentos globais nas tendências protecionistas do que nos desafios de infraestrutura.

DINHEIRO – E como podemos superar o problema logístico para fazer entregas em áreas remotas?

FRANK APPEL – Este é um desafio bastante típico em muitos mercados ao redor do mundo. Servir áreas remotas, que normalmente têm uma densidade menor de volume, é caro para os operadores logísticos. Contornamos isso com uma série de medidas que permitem uma troca aceitável entre os prazos de entrega e o custo que os clientes estão dispostos a pagar. Isso pode incluir um projeto de rota mais inteligente, remessas com menor frequência, parcerias com empresas terceirizadas para a última milha e opções de retirada e devolução em unidades físicas. Para embarques mais pesados estamos explorando opções com modais que criam um equilíbrio entre tempo e custo. No Brasil, por exemplo, a cabotagem está crescendo de forma eficaz para os embarques de carga nas rotas Norte-Sudoeste e Norte-Sul. Também estamos aproveitando as novas tecnologias. Recentemente testamos com sucesso algumas entregas com drones na Alemanha e, embora eu acredite que eles funcionam melhor para a última milha, também é adequado para produtos urgentes ou altamente valiosos — como remédios, por exemplo.

“O comércio eletrônico e a digitalização continuarão sendo as principais tendências do mercado”O e-commerce é visto como um caminho de sucesso para ampliar as oportunidades globais da companhia (Crédito:iStock)

DINHEIRO – O que a DHL espera dos negócios em 2019?

FRANK APPEL – Cada uma de nossas divisões tem suas prioridades. Mas este ano o nosso objetivo é fornecer excelente qualidade de serviço e buscar oportunidades de crescimento que nos permitam superar o mercado mesmo em locais que estão enfrentando desaceleração econômica. De maneira geral, o comércio eletrônico e a digitalização continuarão sendo as principais tendências nas quais buscaremos oportunidades de crescimento lucrativas.

DINHEIRO – Quanto o Brasil representa hoje para a DHL?

APPEL – Embora a DHL não divulgue receitas ou volumes de cada país, posso dizer que o Brasil é um mercado importante para nossa empresa. Três de nossas divisões — DHL Express, DHL Global Forwarding e DHL Supply Chain — têm operações de longa data no território brasileiro e ocupam posições de liderança nos seus respectivos mercados de logística.

DINHEIRO – E quais são os planos que a empresa tem para o Brasil?

APPEL – Queremos alavancar a presença, expertise e relacionamentos com clientes para superar nossos concorrentes em todos os setores nos quais atuamos. Para conseguir isso, continuaremos investindo em nossa rede de relacionamentos e capacidade de transporte — seja com aviões, caminhões, instalações, pessoas ou serviços especializados para setores específicos, como o automotivo e o comércio eletrônico. A DHL Express Brasil acaba de abrir uma unidade no aeroporto de Guarulhos e também lançou um novo serviço expresso entre o Brasil e os EUA para transportar produtos para tratamentos específicos em até 48 horas.

DINHEIRO – Ainda há possibilidade de expansão da DHL no Brasil?

APPEL – Com certeza. O Brasil é o maior e mais populoso país da América Latina. Temos uma forte presença em entrega expressa internacional, agenciamento de frete, logística de contratos e mais de 11 mil funcionários comprometidos com o mercado brasileiro, no qual atuamos há 42 anos. Este é um mercado prioritário para muitos de nossos clientes internacionais. Não tenho dúvidas de que continuará sendo uma parte importante para o Deutsche Post DHL Group.

“Não visamos o crescimento de nossos negócios por meio da participação na privatização de outros serviços postais”O foco da DHL é com os desafios do seu mercado doméstico, na Alemanha. Participar de uma eventual privatização dos Correios não está nos planos (Crédito:Divulgação)

DINHEIRO – O presidente Jair Bolsonaro quer privatizar estatais até o final do mandato, incluindo os Correios. A DHL pretende participar desse processo?

APPEL – Não visamos o crescimento de nossos negócios por meio da participação na privatização de outros serviços postais. A minha atenção está focada nos desafios enfrentados pelo negócio de correio em nosso mercado doméstico, a Alemanha, e em gerenciar a transição para outras fontes de crescimento, como o e-commerce.

DINHEIRO – A DHL não consideraria sequer uma participação nos Correios?

APPEL – Apesar de não comentarmos nossos planos em questões relativas a potenciais fusões e aquisições, posso dizer que considero que os mercados postais de cada país são muito específicos. Ser o maior fornecedor de correspondências na Alemanha nos dá grande conhecimento dos processos e tecnologias de ponta para o manuseio e entrega de correspondências, mas não necessariamente nos qualifica para participar de uma fusão em um mercado como o Brasil, que tem a sua própria cultura e características operacionais específicas.

DINHEIRO – Como você avalia a entrada de startups e outros concorrentes locais nesse mercado?

APPEL – A competição é saudável, pois encoraja todo o mercado a elevar seus níveis de qualidade. Fora do nicho internacional de entrega expressa, que é dominado por três grandes players, o setor logístico ainda está bem fragmentado, o que cria oportunidades para todos. Como líder de qualidade no mercado brasileiro, estamos confiantes na nossa capacidade de competir e crescer.

DINHEIRO – Qual a estratégia para crescer sem abrir mão da qualidade?

APPEL – Estamos sempre procurando formas de aprimoramento que economizem segundos nos processos ou que possam reduzir custos para os clientes. Em um negócio como o nosso, uma pequena melhoria pode ser multiplicada em milhões de remessas, transações ou interações com clientes. Os benefícios desse tipo de inovação podem ser mais significativos do que uma grande inovação disruptiva. Temos uma ampla gama de abordagens para isso, como parcerias com startups e empresas de tecnologia, além dos nossos Centros de Pesquisa e Inovação de Tendências para alavancar o potencial de inovação de nossos funcionários.

DINHEIRO – E de que forma a tecnologia pode ajudar nas soluções logísticas?

APPEL – Ela é fundamental para os nossos negócios. O surgimento de tecnologias digitais já teve um impacto significativo. Com a ajuda de inteligência artificial e robótica, por exemplo, conseguimos melhorar a nossa produtividade em 25% e aumentar a capacidade de processamento em 30% nos sites operados pela divisão de Supply Chain da DHL. Esperamos que essas ferramentas e outras — como veículos autônomos, a internet das coisas e os marketplaces — possam reformular nossa indústria e aprimorar ainda mais a experiência do cliente.

Contra-ataque

Grupo pró-Bivar convoca obstrução na Câmara para derrotar governo

Política

‘Infieis’ vão à Justiça para que possam deixar PDT e PSB sem perder mandato


Felipe Miranda

"Investidor é como boxeador. Se estiver domado não produz nada"

O principal nome do site de recomendações financeiras que mais barulho causou no Brasil nos últimos anos fala sobre os resultados que obteve a partir de estratégias de marketing incisivas e explica por que sua empresa optou por uma postura mais zen


Finanças

Mercado financeiro

Ibovespa perde fôlego no fim do pregão, mas fecha em alta com Petrobras


Farol Dinheiro

Para FMI, Brasil precisa de mais que reforma da Previdência para crescer

Economia

Economia

Para FMI, Brasil precisa de mais que reforma da Previdência para crescer

Fundo Monetário Internacional afirma que para um incremento mais robusto da economia, o País precisa fazer novas aberturas comerciais e investir em infraestrutura


Internacional


Separatismo deve forçar referendo com Madri, diz líder parlamentar

Roger Torrent

Separatismo deve forçar referendo com Madri, diz líder parlamentar

Primeira saída espacial 100% feminina será na quinta ou na sexta-feira

Nasa

Nasa

Primeira saída espacial 100% feminina será na quinta ou na sexta-feira

Curdos resistem na Síria, onde retirada dos EUA permite ação russa

Conflito

Conflito

Curdos resistem na Síria, onde retirada dos EUA permite ação russa


Editorial

O megaleilão de R$ 112 bilhões

Por Carlos José Marques

Por Carlos José Marques

O megaleilão de R$ 112 bilhões

Já desponta como a mais promissora notícia deste primeiro ano de Governo o megaleilão do excedente da cessão onerosa do petróleo do pré-sal, que deve ocorrer no mês que vem, com previsão de arrecadação na casa de R$ 112 bilhões. Será, em se confirmando, um resultado tão extraordinário que pode significar a redenção orçamentária do Estado

Felipe Miranda, estrategista-chefe da Empiricus

Felipe Miranda, estrategista-chefe da Empiricus

"Investidor é como boxeador. Se estiver domado não produz nada"

O principal nome do site de recomendações financeiras que mais barulho causou no Brasil nos últimos anos fala sobre os resultados que obteve a partir de estratégias de marketing incisivas e explica por que sua empresa optou por uma postura mais zen


Tecnologia

Sono hype

O foco agora é na cama

O foco agora é na cama

Sono hype

A indústria do bem-estar chega à era pós-fitness e alimentação saudável: a hora de dormir


Acerto de contas

JBS

Acerto de contas

Com desembolso de R$ 5 bilhões, JBS conclui o pagamento da totalidade das dívidas com bancos públicos reguladas pelo Acordo de Normalização, de 2018

O plano elétrico da Renault

Mobilidade

O plano elétrico da Renault

A marca francesa acelera suas vendas fortalecendo parcerias com governos e entidades dedicadas a popularizar os motores carbono zero


Dinheiro da semana

Bolsonaro bate boca com Bivar e racha com PSL

Crise no partido

Crise no partido

Bolsonaro bate boca com Bivar e racha com PSL

O estopim teria sido a declaração dada, na manhã da própria quarta, pelo presidente da legenda, o deputado federal Luciano Bivar, segundo quem a relação de Bolsonaro com o partido estava em estado terminal. “Ele já está afastado”, acrescentou Bivar


Ambiente competitivo estimula Santander

Expansão

Ambiente competitivo estimula Santander

Além do avanço por canais digitais, banco pretende ampliar rede de agências que atendem a cadeia do agronegócio, desde fornecedores, produtores até a agroindústria

Juro baixo destrava ofertas de ações

Onda de IPOS's

Juro baixo destrava ofertas de ações

Volume financeiro em operações iniciais e de aumento de capital por companhias abertas já ultrapassa R$ 60 bilhões neste ano. A perspectiva é encerrar o quarto trimestre com movimentação total superior a R$ 70 bilhões — um recorde


Colunas


O que aprendi sobre chatbots na China

Eduardo Henrique

Eduardo Henrique

O que aprendi sobre chatbots na China

Conheci de perto cerca de 20 empresas durante esse período, já que o motivo principal dessa viagem era observar iniciativas chinesas disruptivas em diversos setores, em especial aquelas que focam na Inteligência Artificial para serviços de interação e suporte aos clientes