Edição nº 1088 21.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Sergio Albarelli, CEO global da gestora de recursos Azimut

O cenário mundial está mais arriscado

Thiago Bernardes/FramePhoto

O cenário mundial está mais arriscado

Cláudio Gradilone
Edição 22/06/2018 - nº 1075

O economista Sergio Albarelli, principal executivo da gestora de recursos independente italiana Azimut, acumula mais de três décadas de experiência no mercado financeiro. Porém, essa trajetória não garante que seus dias sejam previsíveis. “Estamos o tempo todo à espera da próxima crise, ou da próxima mudança tecnológica que pode ser destruidora para toda uma indústria, inclusive a nossa”, diz ele. Albarelli chefia uma empresa com o equivalente a R$ 200 bilhões sob administração e escritórios em 13 países fora da Itália. Ele diz que a queda estrutural das taxas de juros nos Estados Unidos e na Europa, aliada ao aumento da expectativa de vida, obrigam os investidores a correr cada vez mais riscos. As consequências, diz ele, são imprevisíveis e os especialistas no mercado financeiro têm estado à espera do catalisador de uma grande queda nos preços das ações, especialmente nos Estados Unidos. Em uma rápida visita aos escritórios no Brasil, onde a Azimut administra R$ 16 bilhões, Albarelli conversou com a DINHEIRO. A seguir, os principais trechos da entrevista:

DINHEIRO – O mundo desenvolvido viveu, durante muito tempo, um ambiente de juros estruturalmente muito baixos. Agora as taxas começaram a subir nos Estados Unidos. Como o sr. avalia esse movimento?

SERGIO ALBARELLI – Os juros já estão subindo nos EUA e devem começar a aumentar na Europa em breve. Isso terá um impacto muito diferente dependendo do mercado. O cenário não é simples. A grande questão é se essa alta dos juros veio para ficar ou se ela vai ser breve. Algumas pessoas acreditam que pode haver uma recessão em 2019 ou em 2020 e recessão quer dizer juros baixos por mais tempo.

DINHEIRO – E qual a sua avaliação? Quanto tempo o sr. acha que os juros vão permanecer baixos?

ALBARELLI – O fator mais importante a ser analisado é a duração do crescimento econômico nos Estados Unidos. Em seguida, o crescimento das principais economias e do resto do mundo. A economia americana está em um momento muito pujante, o crescimento é importante, mas há alguns sinais de desaceleração. A questão é: será que o crescimento de quase 3% ao longo dos últimos quatro trimestres é sustentável no longo prazo? Provavelmente, não.

DINHEIRO – Qual seriam as consequências de uma redução no ritmo?

ALBARELLI – Se a economia dos Estados Unidos começar a desacelerar, não será possível que outras economias, como China e Europa, sejam capazes de manter, sozinhas, o crescimento econômico mundial aquecido. Na própria Europa, há diferenças profundas entre os países. Há algumas economias que estão crescendo bastante e de forma sustentável, como a Alemanha, por exemplo. E outras só agora estão se recuperando da crise que sofreram há dez anos. A Espanha está crescendo depressa, a Itália está indo mais devagar que a Espanha. Não há uma uniformidade e isso desacelera o processo.

DINHEIRO – O sr. acha que o ambiente atualmente está mais arriscado do que estava no passado?

ALBARELLI – Sim. Essa mudança foi recente. Há alguns meses você olhava os terminais de preços e tudo estava no azul, tudo dava lucro e tudo era fantástico. De repente, começou a incerteza. O cenário mundial está mais arriscado. O risco de alta dos juros nos Estados Unidos e na Europa, sem falar nas disputas comerciais. O risco aumentou e todos estão à espera do que pode ser o catalisador da próxima grande queda do mercado acionário.

DINHEIRO – Qual sua aposta?

ALBARELLI – Se houver mesmo uma grande correção, o que pode servir como catalisador é um aumento exagerado do endividamento das empresas e das pessoas. Se houver dúvidas de que essas dívidas serão pagas, isso poderá deflagrar uma crise.

DINHEIRO – Como isso afeta os bancos? Mesmo gigantes como o Deutsche Bank estão com problemas. O sr. acredita que é possível haver uma nova crise bancária?

ALBARELLI – A resposta não é exata. Se formos começar a falar de bancos, temos de falar de política. Porque banco é política. Uma coisa é falar da sustentabilidade bancária, dos níveis de liquidez, de quanto o banco tem de manter em caixa para garantir sua solvência. Mas os problemas dos bancos vão além de aplicar algumas regras aritméticas e contábeis. É uma questão de saber se o banco é importante para o sistema. O setor bancário europeu, hoje, está mais perto de se recuperar do que estava há alguns anos, mas a economia ainda não está tão forte, globalmente, quanto achávamos que ela estaria nesta altura. Alguns bancos ainda estão com problemas. Não por acaso, os governos estão prestando muito mais atenção do que antes à governança e às práticas bancárias.

“O risco aumentou e todos estão à espera do que pode ser o catalisador da próxima grande queda do mercado acionário”Encontro de líderes do G7: guerra comercial eleva risco global (Crédito:AFP Photo and Pool/John MacDougall)

DINHEIRO – Qual será o impacto sobre os investimentos?

ALBARELLI – Depende do país e do cliente. Por exemplo, se observarmos o que ocorre na Europa Continental, veremos que o impacto dos juros baixos na Zona do Euro é imenso. Nesses países, algo entre 60% e 70% das aplicações são de renda fixa. As pessoas que investiram em títulos de renda fixa nos últimos dez anos ganharam muito dinheiro, porque os juros caíram e o investidor lucrou com a valorização dos papéis. Como você sabe, o preço de um papel sobe se os juros caem. Agora, o cenário se inverteu. A rentabilidade que esses investidores vêm recebendo nos últimos anos é perto de zero. O interessante é que eles continuam investindo em renda fixa, apesar de os juros estarem negativos em boa parte da Europa. Por quê? Aversão ao risco. Eles não migram para aplicações mais arriscadas, mesmo que a rentabilidade de seus portfólios sofra com os juros baixos. Ao contrário, eles ficam onde estão.

DINHEIRO – Isso ocorre na Europa. E nos Estados Unidos?

ALBARELLI – A situação nos Estados Unidos e no Reino Unido é exatamente o oposto. Nesses países, as aplicações em renda fixa representam apenas um terço, em média, do portfólio dos investidores. O restante está aplicado em renda variável. No Reino Unido, os clientes são mais sofisticados dos que os da Europa continental. Os clientes britânicos conhecem muito mais produtos, estão expostos a muito mais mercados. O papel da mídia é fundamental. A primeira tentativa do investidor que quer diversificar seu portfólio é consultar a internet. Lá há muita informação, mas é arriscado querer aprender pela internet, porque a qualidade dessa informação é discutível. Por isso, os profissionais de mídia ajudam muito a educar os investidores.

DINHEIRO – Como o sr. vê o cenário dos investimentos no Brasil?

ALBARELLI – Os juros brasileiros caíram muito nos últimos meses. Com isso, nós vimos um aumento do interesse pelos investimentos em ações, multimercados, ativos internacionais e outras aplicações não-tradicionais. Alguns querem mais exposição a fundos long-short, que ganham explorando diferenças de comportamento entre ações, ou fundos macro, que exploram alterações nos juros e no câmbio, e assim por diante.

DINHEIRO – Qual foi o comportamento dos investidores dos países desenvolvidos quando os juros começaram a cair? Um movimento semelhante pode ocorrer no Brasil?

ALBARELLI – Vimos, ao longo dos últimos dois anos, que os investimentos em renda fixa já não resolvem as necessidades de rendimento dos clientes, tanto institucionais quanto individuais. Se você quer proteger seu patrimônio da inflação no longo prazo, deixar seu dinheiro no banco não é suficiente em um ambiente de juros em queda. Você tem de correr mais riscos, tem de comprar ações, investir em estratégias long short e em ativos mais sofisticados e voláteis. Então, o que observamos foi uma mudança nas aplicações. Os investimentos migraram dos títulos públicos para os títulos de renda fixa de empresas privados. Depois eles foram para ativos de alto risco, os chamados papéis high yield. Posteriormente, os híbridos, títulos de renda fixa que têm algum vínculo com ações. Em seguida, mercados internacionais. Finalmente, os ativos ilíquidos. Movimentos semelhantes podem ocorrer no Brasil, dependendo da duração do período de juros baixos e dos produtos de investimento à disposição dos clientes.

“A aposentadoria vai mudar devido ao envelhecimento da população. O sistema me cobra, mas eu não tenho certeza que ele vai me pagar”Aposentados na Itália: longevidade crescente (Crédito:Divulgação)

DINHEIRO – Tudo isso representa um crescimento do risco sistêmico?

ALBARELLI – Sem dúvida. O mercado como um todo está ficando grande demais. Há dinheiro chegando dos investidores de classe média, que está crescendo, especialmente na Ásia. E o ambiente está mais volátil devido às mudanças na tecnologia. Boa parte do nosso trabalho é ficar observando continuamente o que está ocorrendo, tentando prever quais podem ser as novas ameaças aos negócios em que investimos. Estamos o tempo todo à espera da próxima crise, ou da próxima mudança tecnológica que pode ser destruidora para toda uma indústria, inclusive a nossa. E há a mudança demográfica, que tem um impacto enorme.

DINHEIRO – O sr. se refere ao envelhecimento da população?

ALBARELLI – Sim. O cliente está prestando mais atenção na rentabilidade, porque o custo de vida vem crescendo, a expectativa de vida aumentou, e isso tem um impacto sobre o estilo de vida das pessoas. Veja o exemplo da Itália. Antes do euro, quando os juros eram de dois dígitos, o costume era tirar férias duas vezes por ano. Agora, as pessoas tiram apenas uma semana de férias por ano. A aposentadoria vai mudar devido ao envelhecimento da população. O sistema previdenciário me cobra, mas não tenho certeza que vai me pagar. Veja o meu caso: pela lei italiana, eu só posso me aposentar aos 68 anos de idade. Quando eu comecei a trabalhar, nos anos 1980, a idade mínima era de 62 anos. E acho que, quando eu chegar aos 68, terei de trabalhar mais tempo, porque as regras terão mudado novamente. Isso é inevitável, é demografia. Eu me considero um benfeitor do sistema. Estou pagando, mas é bem possível que eu não receba nada em troca.


Entrevista

Eduardo Giannetti da Fonseca

Eduardo Giannetti da Fonseca

"Os discursos econômicos dos candidatos que lideram as pesquisas são trágicos"

O economista mineiro e principal coordenador do plano econômico da candidata à Presidência Marina Silva, da Rede, tem engrossado o tom de voz ao criticar as propostas dos candidatos mais bem colocados nas pesquisas de intenção de voto


Economia


A economia em compasso de espera

apreensão

A economia em compasso de espera

Nas pesquisas eleitorais, Bolsonaro (PSL) e Haddad (PT) avançam como favoritos ao segundo turno. Enquanto isso, empresários e consumidores colocam o pé no freio

Terceira via na Argentina?

internacional

Terceira via na Argentina?

Problemas de Macri e Kirchner abrem espaço para um nome moderado nas eleições de 2019. O ex-ministro da Fazenda, Roberto Lavagna, é o favorito


Negócios

Camisaria Colombo: venda à vista?

Varejo

Camisaria Colombo: venda à vista?

A Colombo fechou 200 lojas e diminuiu o mix de produtos. Com isso, pretende voltar ao lucro operacional neste ano e se prepara para uma nova negociação

Portas abertas para os venezuelanos

oportunidades

Portas abertas para os venezuelanos

Iniciativas lideradas por empresários, como Carlos Wizard, e por companhias, como Ericsson e Carrefour, estão oferecendo novas oportunidades aos refugiados

A fusão indigesta da Sapore

negociação

A fusão indigesta da Sapore

Diante do fracasso da união entre Sapore e IMC, seus executivos buscam alternativas para crescer


As Melhores da Dinheiro


Telefônica Vivo é eleita a empresa do ano 2018

prestígio

Telefônica Vivo é eleita a empresa do ano 2018

O PIB resiste e anseia por reformas que abram caminho para o crescimento

expectativa

O PIB resiste e anseia por reformas que abram caminho para o crescimento

Ao celebrar a batalha contra a pior crise econômica do País, executivos premiados na festa de as AS MELHORES DA DINHEIRO destacam a expectativa por reformas que abram caminho para o crescimento


Dinheiro digital

Uma empresa do barulho

napster

napster

Uma empresa do barulho

Depois de abalar o mundo no começo dos anos 2000, o Napster tenta se reinventar para voltar a brilhar em uma indústria que a própria companhia ajudou a criar


Finanças


Fundos poderão investir em criptomoedas

investidores

Fundos poderão investir em criptomoedas

Comissão de Valores Mobiliários libera aportes de fundos em moedas virtuais e investidores devem operar com mais segurança

Natura: mercado se agita com rumor de compra da Avon

dinheiro em ação

Natura: mercado se agita com rumor de compra da Avon


Estilo

Tiffany para os jovens

luxo

luxo

Tiffany para os jovens

Sinônimo de exclusividade, a joalheria americana quer conquistar os millennials com preços mais acessíveis


Colunas


O rugido de Trump

dinheiro da redação

O rugido de Trump

“O País está dividido e isso é muito ruim”

Moeda forte

“O País está dividido e isso é muito ruim”

Os vilões das praias

sustentabilidade

Os vilões das praias

A voz do camaleão do rock

cobiça

A voz do camaleão do rock

Sabotagem na Amazon

Dinheiro & tecnologia

Sabotagem na Amazon


Artigo

Não se esqueça do Congresso

Por Carlos Sambrana

Por Carlos Sambrana

Não se esqueça do Congresso

Você lembra em quem votou para deputado federal nas últimas eleições? Recorda qual foi o senador que escolheu?


Publieditorial

Gestão Ágil de Projetos

Insper apresenta:

Insper apresenta:

Gestão Ágil de Projetos

Solução traz um novo panorama de eficiência na implantação de projetos nas empresas

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.