Edição nº 1130 19.07 Ver ediçõs anteriores

O carro mais caro da história tem nome: Bugatti La Voiture Noire

O carro mais caro da história tem nome: Bugatti La Voiture Noire

A Bugatti, fabricante francesa de automóveis, produziu e vendeu o carro mais caro do mundo. O veículo foi apresentado no Salão de Genebra, que acontece até o dia 17 de março. Ele é inspirado em outro grande sucesso da Bugatti: o Type 57 SC Atlantic de 1936, com registro de apenas dois exemplares no mundo. O La Voiture Noire é equipado com o motor W16 8.0, o mesmo do Bugatti Divo – lançado no ano passado – e entrega 1,5 mil cavalos de potência. A carroceria é inteira feita em fibra de carbono e recebeu uma coloração preta brilhosa. Foi fabricada apenas uma unidade do La Voiture Noire que, segundo rumores, teria sido comprada por Ferdinand Piëch, neto de Ferdinand Porsche e ex-presidente do Grupo Volkswagen, por € 16,5 milhões (R$ 71,1 milhões, com impostos).

(Nota publicada na Edição 1112 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Porto sobre trilhos

Imagine viajar em um trem usado pela corte portuguesa no século 19 e que recebeu passageiros ilustres como a rainha Elizabeth II e o [...]

Cruzeiro submarino

A Seabourn, linha de cruzeiros de luxo, vai levar seus passageiros às profundezas do oceano com o U-Boat Worx Cruise, submarino feito [...]

Malas prontas para o espaço

Em comemoração à missão Apollo 11, que completa 50 anos este mês, a Horizn Studios fez uma edição especial de malas com sistema [...]

Mansão Shermann à venda

A propriedade de Sherman Mills Fairchild (1896-1971), empresário e investidor americano que fundou mais de 70 empresas e foi o [...]

Três veículos de Elvis Presley vão a leilão

Três veículos que pertenceram a Elvis Presley (1935- 1977) serão leiloados no dia 31 de agosto pela Kruse GWS Auctions. Um deles é a [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.