Edição nº 1058 23.02 Ver ediçõs anteriores

O caminho da intolerância

O caminho da intolerância

O governo de Israel anunciou que deve tomar medidas para banir a rede de TV árabe Al Jazeera do país. Os israelenses acusam a emissora, baseada no Catar, de incitar à violência e apoiar o terrorismo. O Ministério das Comunicações disse que vai cancelar credenciais de jornalistas e interromper as transmissões, via cabo ou satélite. A Al Jazeera vem sendo alvo de críticas de outros países na região, como a Arábia Saudita, pelo mesmo motivo. A rede é, no entanto, é uma das poucas a praticar jornalismo de qualidade no Oriente Médio. Sua influência, especialmente entre a população árabe, tem incomodado diversos países.

(Nota publicada na Edição 1031 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O fator filho na carreira das mulheres

O mercado de trabalho desvaloriza um aspecto fundamental da condição humana: a maternidade. Pesquisadores estão descobrindo que uma das [...]

Diversidade olímpica

Neste ano, 15 atletas assumidamente homossexuais estão disputando a Olimpíada de Inverno de PyeongChang, na Coreia do Sul. É o maior [...]

Resultados nada saudáveis

A indústria de alimentos está enfrentando uma crise. A busca dos consumidores por uma alimentação mais natural e saudável derrubou os [...]

Os robôs estão chegando

Nenhum emprego está a salvo da automação, nem mesmo aqueles que dependem de mãos habilidosas. Uma reportagem do jornal The Wall Street [...]

Matemática financeira

O banco BTG Pactual financiou a ida de seis estudantes cariocas para a Olimpíada de Matemática organizada pela Universidade Harvard e pelo tradicional Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos. A equipe brasileira ficou em 39º lugar, entre 90 times, do mundo inteiro. Foi a segunda vez que os estudantes, que têm entre […]

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.