Edição nº 1079 20.07 Ver ediçõs anteriores

O Brasil volta a mirar o mundo

O Brasil volta a mirar o mundo

Também nos negócios, alguns movimentos inicialmente prejudiciais podem, lá na frente, gerar boas consequências. Tome-se o caso da sobretaxação aplicada pelos EUA ao aço e alumínio do mundo. A escalada protecionista do senhor Trump, por um lado, está gerando condições excepcionais para que o Mercosul feche um acordo histórico e promissor com a União Europeia. O objetivo é claro: compradores europeus estão cada vez mais predispostos a driblar a dependência enorme que mantêm com o mercado americano. As vantagens são de mão dupla. Para países como o Brasil, que, nos últimos anos, gradativamente foi perdendo posições lá fora, essa abertura amplia o leque de clientes, diminui os riscos de queda abrupta nas vendas e incrementa a exposição de seus produtos em praças que normalmente eram menos exploradas.

A disposição brasileira em ganhar mais espaço no fluxo do comércio internacional nunca esteve tão perto de se concretizar. Nos últimos tempos, o superávit na balança tem dado sinais de avanço. A safra recorde de grãos na agricultura e o aumento de empresas nacionais que recorrem às exportações como alternativa para melhorar resultados turbinaram os lucros. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, em mais um Road Show internacional, disse que o Brasil está pronto para voltar a crescer a taxas de 3% ao ano e convidou investidores estrangeiros a olharem com melhores olhos para o potencial do País.

Por esses dias, o Fórum Econômico Mundial sobre a América Latina foi realizado em São Paulo e serviu de alavanca as pretensões lançadas pelo ministro. O próprio presidente Temer aproveitou o encontro para dizer que “o Brasil voltou para ficar no contexto internacional”. E almeja até uma posição de liderança. Temer propôs inclusive uma ação conjunta na Organização Mundial do Comércio levada a cabo pelas nações que foram prejudicadas com as novas tarifas do aço e do alumínio adotadas pelos EUA. O presidente brasileiro está disposto a falar com vários mandatários para montar uma articulação nesse sentido. E já avisou: entrará na OMC com ou sem outros interessados no assunto.

Foi a primeira vez que o presidente falou abertamente sobre o tema e demonstrou que a política externa de seu governo será mais arrojada daqui para frente. Empresários e governantes presentes ao Fórum gostaram do que ouviram. O economista e fundador do evento, Klaus Schwab, apontou que o mundo está atrás de lideranças que promovam o desenvolvimento de maneira global e não isoladamente, como parece desejar o presidente americano. Nesse sentido, entende Schwab, a China e mesmo o Brasil, com essa postura, podem estar na dianteira de um novo e alvissareiro processo.

(Nota publicada na Edição 1061 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O estrago irreparável da greve

Saiu a conta do desastre criado no País com a paralisação dos caminhoneiros. E ela é pesada, difícil de contornar e com reflexos [...]

Farra parlamentar

Parece uma sina da qual o País nunca consegue escapar. Em ano eleitoral é sempre a mesma coisa: parlamentares correm a aprovar projetos [...]

O plano econômico dos presidenciáveis

Vai encurtando o tempo até as eleições e ainda pairam dúvidas enormes sobre o que cada um dos candidatos ao Planalto pretende fazer, [...]

O Brasil ganha na guerra comercial

Depois que os EUA decidiram abrir guerra pesada contra a China no campo comercial, o mundo prendeu a respiração, as bolsas balançaram e [...]

As incertezas do capital

Há um termômetro absolutamente infalível no que se refere à credibilidade de uma economia: o investimento externo. Ele é tanto maior e [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.