Semanal

O Brasil precisa de mais microcrédito para mulheres. Conheça o Fundo Dona de Mim

Crédito: Divulgação

A ação foi idealizada por Sônia Hess, vice-presidente do Grupo Mulheres do Brasil, que tem no comando Luiza Helena Trajano. (Crédito: Divulgação)

Incentivar microempreendedoras impactadas pela crise econômica da Covid-19 é o propósito do Fundo Dona de Mim, iniciativa do Grupo Mulheres do Brasil, que em nove meses já contemplou 1 mil mulheres com recursos de até R$ 3 mil para investir em seus projetos. A ação foi idealizada por Sônia Hess, vice-presidente do Grupo Mulheres do Brasil, que tem no comando Luiza Helena Trajano. Segundo Sônia Hess, o programa nasceu de um sonho e de uma inquietação frente ao cenário de instabilidade econômica imposto pela pandemia.

Mulheres de 300 cidades, em 25 estados e todas as regiões do País receberam os microcréditos e oportunidade de incrementar seus negócios ou iniciar uma atividade geradora de renda. “Esse projeto mudou a minha realidade e me fez enxergar um horizonte de oportunidades”, afirmou a microempreendedora Cris Neri, que obteve R$ 3 mil para impulsionar seu negócio de comidas congeladas. “Graças ao Fundo Dona de Mim, pude comprar um freezer para armazenar as minhas marmitas congeladas, aumentando assim o meu faturamento”, disse.

+ Estoque total de crédito no Brasil cresce 0,5% em abril puxado por linhas às pessoas físicas
+ Banco do Brasil abre crédito para empreendedores; veja condições

Do total de 1 mil beneficiadas, 200 já começaram a pagar as mensalidades, e o retorno será totalmente investido em novos grupos de “Comunidades”, que funcionam a partir de células de cinco participantes. Cada mulher recebe o microcrédito de R$ 2 mil, com quatro meses de carência para começar a pagar. São 12 prestações, sem juros e taxas. .



“O grande propósito do Fundo Dona de Mim agora é dar mais oportunidade às mulheres invisíveis que não tem acesso a crédito”, afirmou Sônia Hess. Todas as contempladas passam por uma capacitação profissional, a Trilha Empreendedora, desenvolvida pela Rede Mulher Empreendedora (RME), da empresária Ana Fontes, para que possam administrar os recursos de forma eficiente.

A inspiração de Sônia Hess para o programa é o modelo de empreendedorismo social criado pelo economista e banqueiro de Bangladesh Muhammad Yunus. Autor de livros como “Um Mundo sem Pobreza: A Empresa Social e o Futuro do Capitalismo”, Yunus recebeu o prêmio Nobel da Paz em 2006. Sua filosofia pode ser resumida em uma frase: “O microcrédito é a cristalização da esperança indicando o caminho para que as mulheres em situação de vulnerabilidade possam sair da armadilha da pobreza”.

Em recente entrevista à IstoÉ DINHEIRO, o fundador da XP Inc., Guilherme Benchimol, abordou o problema que a falta de renda e de controle das finanças domésticas acarreta para muitas mulheres. “Infelizmente conhecemos milhares de histórias de mulheres que sofrem abuso em casa e não podem sair porque não dominam o dinheiro”, disse Benchimol. Para ele, o Brasil nunca foi um país que incentivou o empreendedorismo. Por isso, a concessão de microcrédito barato, na forma proposta por Sônia Hess e o Grupo Mulheres do Brasil, pode ser o início de uma transformação social importantíssima para o País. Saiba mais em https://fundodonademim.org.br/.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago