Edição nº 1129 12.07 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Alexandre de Juniac, diretor-geral e CEO da IATA

‘Combustível responde por cerca de 23% do custo total das aéreas. No Brasil chega a 30%’

Gabriel Reis

‘Combustível responde por cerca de 23% do custo total das aéreas. No Brasil chega a 30%’

O principal executivo da Associação de Transporte Aéreo Internacional falou à DINHEIRO sobre como o País deve conduzir as privatizações de aeroportos, regular a atuação das empresas nacionais e estrangeiras — e rever a pesada carga tributária sobre a atividade

Carlos Eduardo Valim
Edição 14/06/2019 - nº 1125

Entre 2009 e 2011, Alexandre de Juniac foi chefe de gabinete do ministério da economia francês, então comandado por Christine Lagarde, atual chefe do Fundo Monetário Internacional. Depois, como CEO da Air France, conduziu uma integração com a holandesa KLM e serviu como presidente do conselho das operações combinadas. Desde 2016, ele ocupa a posição de principal executivo da IATA, a Associação de Transporte Aéreo Internacional, que reúne empresas aéreas de todo o mundo. Ele esteve no Brasil e falou com a DINHEIRO um dia antes da reunião com o presidente Jair Bolsonaro para apresentar a visão das companhias aéreas globais para o mercado brasileiro. No início de junho, a IATA reviu as projeções para 2019, reduzindo em 21% a projeção de lucro do setor, queda de 6,7% em comparação com 2018. A receita, no entanto, deve crescer 6,5% neste ano, para US$ 865 bilhões.

DINHEIRO – Este ano começou com boas previsões de crescimento para o mercado mundial de aviação. Em especial, as de médio e longo prazo. As condições mudaram?

ALEXANDRE DE JUNIAC – Temos quatro bilhões de passageiros no mundo. Para 2019, publicamos uma previsão esperando um ano decente em termos de rentabilidade, mantendo o mesmo nível de 2018. E, para 2020, a expectativa era de que a rentabilidade ficasse acima do custo de capital pelo quinto ano seguido, o que para o nosso setor é excepcional. Mas não estamos indo tão bem. Há muitas incertezas, como o preço do petróleo, as consequências da guerra comercial e das medidas protecionistas adotadas.

“No Brasil, não vejo um equilíbrio correto entre a necessidade de proteger o interesse dos passageiros e das empresas aéreas” (Crédito:Divulgação)

DINHEIRO – Qual será o impacto do aumento do preço do petróleo e da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China?

ALEXANDRE DE JUNIAC – O preço do petróleo afeta imediatamente os negócios. Causa uma perda de lucratividade. O combustível responde por cerca de 23% do custo total das operações das empresas aéreas. No Brasil é ainda pior: chega a 30%, devido aos pesados impostos. Vemos claramente uma diminuição no ritmo de crescimento do PIB em diversas partes, como na China e na Europa. Por isso, divulgamos uma revisão das expectativas.

DINHEIRO – A alta do combustível é o que explica as empresas aéreas brasileiras sofrerem tanto?

ALEXANDRE DE JUNIAC – Não deveria haver razão para isso. O Brasil produz até 80% de sua gasolina de aviação. Além disso, é um país de rápido desenvolvimento no setor. Em especial, era antes da recessão. É um país grande, que tem fabricantes de aviões e empresas aéreas fortes, além de contar com europeias que atuam aqui. Há uma boa infraestrutura e o controle de tráfego está funcionando bem. Mas o setor sofre com os altos custos de operação 0e com uma regulação complexa.

DINHEIRO – A Avianca no Brasil entrou em recuperação judicial. Isso pode causar maior concentração e o aumento dos preços das passagens?

ALEXANDRE DE JUNIAC – A realidade é que, se o Brasil quiser aumentar a competição, terá de atrair empresas estrangeiras ou incentivar a criação de novas. Mas, para fazer isso, vai precisar baixar os custos e simplificar o ambiente regulatório. De outra forma, não vai conseguir atrair ninguém. Se não vierem novas empresas, as incumbentes vão continuar como as únicas competidoras. E desejamos que haja maior competição — ou seria um desastre…

DINHEIRO – O governo entende a importância de promover essa competição?

ALEXANDRE DE JUNIAC – O governo tem o objetivo claro de aumentar o tráfego e atrair passageiros internacionais, turistas e homens de negócios. Se as suas políticas forem consistentes, terá de implementar medidas para reduzir os custos e diminuir a complexidade regulatória. Isso também é do interesse do passageiro, no fim das contas. E do próprio País.

DINHEIRO – Uma das grandes polêmicas do setor foi a regulação da cobrança da bagagem. O presidente Jair Bolsonaro terminou por afirmar que vai deixar a decisão por conta das empresas. Como vê essa situação?

ALEXANDRE DE JUNIAC – No Brasil, não vejo um equilíbrio correto entre a necessidade de proteger o interesse dos passageiros e das empresas aéreas. O exemplo de regular a taxa de bagagem é algo que, para nós, é impossível de entender. Essa é uma questão pura de mercado, que deve ser administrada pelas forças do mercado e operadoras de aviação. Em nenhum lugar do mundo isso levanta questionamentos. Exceto no Brasil.

DINHEIRO – Muitos passageiros reclamam que as empresas aéreas embolsam o lucro da cobrança de bagagens e não baixam o preço das passagens…

DE JUNIAC – É uma visão errada. Não cobrar as bagagens traria um ganho de muito curto prazo para o passageiro. Existem dificuldades regulatórias em muitos países, mas não neste nível. Adotamos padrões internacionais. São metas aplicadas em todos os lugares, que são criticadas, equilibradas e reequilibradas. O que aconselhamos ao Brasil é: simplifique o ambiente e adote os padrões internacionais. Eles não existem por acaso, mas sim porque 90 países do mundo concordaram em seguir tais regras. Eles foram calibrados muito cuidadosamente para dar a proteção correta a cada agente do setor. Seria tão simples seguir os padrões… Atrairia empresas, investimentos e desenvolveria o mercado e o Brasil.

DINHEIRO – O fato de as leis não seguirem padrões internacionais explicam porque o Brasil não consegue desenvolver a competição com aéreas low cost? Isso pode mudar com a chegada da Norwegian e da Air Europe ao País?

DE JUNIAC – Se reduzir o custo de operar, de litigação, de infraestrutura, de combustível e se simplificar a regulação, esse mercado vai se desenvolver. Propomos duas coisas: primeiro, permanecer com padrões internacionais, que é a coisa mais fácil de fazer. E, quando uma questão não se incluir no padrão, defendemos umas “smart regulation” (regulação inteligente). A forma de fazer isso é colocar todos os agentes de mercado em volta de uma mesa para discutir o problema. Não estamos pedindo falta de regulação. Sabemos que o setor de aviação é um mercado altamente regulado e que isso é para o bem do setor. Mas é também para o mal em certos casos.

DINHEIRO – O governo brasileiro indicou que vai privatizar rapidamente o máximo de aeroportos que conseguir. Isso será benéfico?

DE JUNIAC – A posição da IATA é muito clara. Estamos acompanhando privatizações por todo o mundo pelos últimos 30 anos e sempre alertamos os governos a prestarem muita atenção nessa forma de ativos. Não digo para não fazer as vendas, mas para avaliar todas as alternativas. Há outras formas de atrair capital estrangeiro ou gestão privada para esse tipo de infraestrutura. Se a decisão final for pela privatização, temos um guia de concessões para mostrar o que deve ser feito, como deve ser feito e o que não deve ser feito e precisa ser evitado de todas as formas. Não inventamos a roda. Só juntamos as boas e más experiências coletadas por todo o mundo.

“A Turquia levou apenas quatro anos para fazer um aeroporto capaz de receber 200 milhões de passageiros em Istambul” (Crédito:Divulgação)

DINHEIRO – Dê um exemplo do que não deve ser feito de maneira alguma?

DE JUNIAC – Quando se escolhe a concessionária a partir do maior valor que ela vai pagar ao estado. Posso dizer, sem o risco de errar, que isso aumenta o preço de uso do aeroporto. Se houver uma melhoria equivalente na qualidade do aeroporto, nós não ficaremos exatamente felizes, mas pelo menos perceberemos que pagamos por algo positivo. Mas geralmente vemos aumentos enormes nas tarifas de uso sem melhorias na qualidade do serviço. Como resultado, haverá no curto prazo um aumento dos ganhos para o governo, mas sem levar em consideração o que é do interesse da indústria.

DINHEIRO – Falando de infraestrutura aérea, há novas tendências na construção de aeroportos?

DE JUNIAC – Em todos os lugares do mundo, a construção de aeroportos é uma grande questão política. Tratam-se de projetos gigantes. É preciso considerar o meio ambiente, a poluição sonora e a vizinhança. O que vemos é uma grande dificuldade de implementar esses projetos. O novo aeroporto da Cidade do México talvez seja o melhor exemplo disso (O presidente, Andrés Manuel López Obrador, primeiro cancelou e depois confirmou a sua construção).

DINHEIRO – Até mesmo Berlim tem problemas, não? Mesmo com a famosa eficiência alemã, o novo aeroporto, que deveria estar pronto desde 2011, ficou para o fim de 2020. E foram apontados milhares de erros no projeto…

DE JUNIAC – Sim. Vemos o custo de construção de aeroportos disparando em todos os lugares do mundo. Os projetos de grandes aeroportos, de novos terminais e pistas, custam dezenas de bilhões de dólares. É muito dinheiro.

DINHEIRO – Mas esses projetos são necessários?

DE JUNIAC – Em oito anos, vai duplicar o número de passageiros no mundo. Vamos precisar de quase o dobro da capacidade atual. Então estamos pressionando os governos a fazerem as melhores decisões em infraestrutura. Mas a um custo razoável, possível de ser pago.

DINHEIRO – Por outro lado, todas essas dificuldades parecem não existir na Turquia e na China. Os dois países do Oriente construíram recentemente, de forma rápida, aeroportos que prometem ser os maiores do mundo. É um problema Ocidental?

DE JUNIAC – De fato, a Turquia levou quatro anos para fazer um aeroporto gigante, o que foi excepcionalmente rápido. Acabaram de passar as operações do aeroporto internacional Ataturk para o novo de Istambul, que terá capacidade de receber 200 milhões de passageiros por ano e ter seis pistas. Eles decidiram, implementaram e mobilizaram todos os recursos para avançar nesse projeto. E fizeram isso bem.

DINHEIRO – O crescimento do tráfego global tem vindo principalmente do Oriente?

DE JUNIAC – A região possui empresas aéreas muito dinâmicas. O tráfego e a expansão do setor estão se movendo para o Leste. A China, a Índia e o Sudeste da Ásia são os motores. O país de crescimento mais rápido do mundo é a Índia. E a China será a líder mundial em 2023 ou 2024, acima dos EUA. A Indonésia, em 20 anos, será o quinto maior mercado do mundo. Há uma grande demanda nesses países.

DINHEIRO – As operadoras europeias e americanas reclamam dos subsídios governamentais dados às aéreas asiáticas. Há uma preocupação quanto a isso?

DE JUNIAC – Todas essas empresas são membros da IATA e os governos é que devem decidir. Há muitos acordos sendo negociados, entre a Europa e os países do Golfo, entre os EUA e o Golfo. Há novos acordos entre o Catar e os EUA. Entre EUA e a Europa. As coisas estão voltando ao normal.

DINHEIRO – O Brasil assinou um acordo de ares abertos com os EUA. Como vê esse movimento?

DE JUNIAC – Isso é bom. Sempre desenvolve tráfego. Para a indústria, deve ser positivo.

Petrobras e Odebrecht

Lava Jato recupera mais R$ 67 milhões no exterior desviados em contrato


Anúncio sobre saques do FGTS fica para a próxima semana, diz Onyx

renda extra

Anúncio sobre saques do FGTS fica para a próxima semana, diz Onyx

Marinho afirma que economia com reforma será de R$ 933,5 bi em 10 anos

Previdência

Marinho afirma que economia com reforma será de R$ 933,5 bi em 10 anos

Secretário incluiu nesse cálculo o valor que deve ser arrecadado com o CSLL; texto ainda será votado em segundo turno na Câmara antes de ir para o Senado

Boeing reconhecerá custo de US$ 4,9 bi para estimar impacto com 737 MAX

Aviação

Boeing reconhecerá custo de US$ 4,9 bi para estimar impacto com 737 MAX

Preço médio dos imóveis residenciais sobe 0,36% em junho em dez capitais

Mercado imobiliário

Preço médio dos imóveis residenciais sobe 0,36% em junho em dez capitais

Subaru terá que descartar mais de 2.100 veículos após grave problema em lote

Problema na solda

Subaru terá que descartar mais de 2.100 veículos após grave problema em lote

No total, 142 Legacy sedan e 1.965 Outback SUV foram afetados pelo problema de solda. A Subaru oferece opção de troca ou recompra do veículo

Faceapp: aplicativo da moda pode roubar dados que você não imaginava

Privacidade

Faceapp: aplicativo da moda pode roubar dados que você não imaginava

Aplicativo é capaz de coletar diversas informações que vão além das fotos. No Brasil, a lei de proteção de dados entrará em vigor em 2020 para impedir o mal uso das informações

Herdeira da Disney diz que funcionários buscam comida no lixo para sobreviver

Crítica

Herdeira da Disney diz que funcionários buscam comida no lixo para sobreviver

Abigail Disney afirmou que se infiltrou um dos parques temáticos depois de receber uma mensagem via rede social de um dos funcionários do local

Apple, Nintendo e HP deixam a China em meio incertezas com guerra comercial

transferência

Apple, Nintendo e HP deixam a China em meio incertezas com guerra comercial

A guerra comercial já deu sinais de impacto na economia da China. Na última semana, o país divulgou crescimento de 6,2% no Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre de 2019, o mais baixo nos últimos 27 anos


Blog

Ganhos sobre duas rodas. Elétricas!

Por Rosenildo Ferreira

Por Rosenildo Ferreira

Ganhos sobre duas rodas. Elétricas!

Em menos de quatro anos a E-Moving se tornou uma das principais startups do segmento de mobilidade de São Paulo


Finanças


Ibovespa sobe 0,83% com NY e expectativa por liberação de recursos do FGTS

Mercado financeiro

Ibovespa sobe 0,83% com NY e expectativa por liberação de recursos do FGTS

Dólar cai para R$ 3,72 e tem menor valor desde 19 de fevereiro

Câmbio

Dólar cai para R$ 3,72 e tem menor valor desde 19 de fevereiro


Dinheiro e Tecnologia


Instagram deixa de mostrar número de curtidas das postagens

Instagram deixa de mostrar número de curtidas das postagens

Senador dos EUA pede investigação do FBI sobre app FaceApp

roubo de dados

Senador dos EUA pede investigação do FBI sobre app FaceApp


Internacional


Congresso dos EUA bloqueia venda de armas para Arábia Saudita

aliados

Congresso dos EUA bloqueia venda de armas para Arábia Saudita

Incêndio criminoso em estúdio de animação deixa 24 mortos no Japão

suspeito foi preso

suspeito foi preso

Incêndio criminoso em estúdio de animação deixa 24 mortos no Japão

Câmara dos EUA descarta processo de impeachment contra Trump

afastamento

afastamento

Câmara dos EUA descarta processo de impeachment contra Trump

O destino das pedras lunares presenteadas pelos Estados Unidos

50 anos do apollo 11

50 anos do apollo 11

O destino das pedras lunares presenteadas pelos Estados Unidos


Negócios


A revolução Burger King. O primeiro a cuidar de cliente insatisfeito é o CEO

GESTÃO

A revolução Burger King. O primeiro a cuidar de cliente insatisfeito é o CEO

Depois de abrir o capital no fim de 2017 e de manter um crescimento consistente nos últimos meses, a rede de fast food aposta em tecnologia e na gestão do CEO Iuri Miranda para reinar no mercado de alimentação

Gigante da cannabis medicinal chega ao Brasil. 'País está atrasado 40 anos'

Pra não esquecer

Gigante da cannabis medicinal chega ao Brasil. 'País está atrasado 40 anos'

Grandes empresas do setor de cannabis medicinal começam a chegar ao Brasil prontas para investir num mercado que pode se tornar bilionário. Basta as regras do setor ficarem mais claras


Entrevista

'A privatização é mais importante que a Previdência para dar impulso à economia brasileira'

Mark Mobius, sócio e fundador da Mobius Capital Partners

Mark Mobius, sócio e fundador da Mobius Capital Partners

'A privatização é mais importante que a Previdência para dar impulso à economia brasileira'

O gestor de recursos Mark Mobius administra fundo de US$ 200 milhões e diz que as ações brasileiras estão entre as favoritas


Mercado digital


Taboola: plataforma de conteúdo digital já atinge 1,4 bilhão de usuários

Mr. Conteúdo

Taboola: plataforma de conteúdo digital já atinge 1,4 bilhão de usuários

Taboola atinge 1,4 bilhão de pessoas distribuindo notícias e já tem 700 sites parceiros no Brasil

Saiba o que o GPA fez com seu e-commerce, que cresce 85% em 2019

Fórmula omnichannel

Saiba o que o GPA fez com seu e-commerce, que cresce 85% em 2019

Vendas por E-commerce nas redes Extra e Pão de Açúcar crescem 85% e consolidam a estratégia Omnichannel do GPA


Editorial

A reforma possível

por carlos josé marques

por carlos josé marques

A reforma possível

Sem ações adicionais no campo econômico, dificilmente a retomada se dará no ritmo desejado. Existe uma extensa lista de medidas a ser adotada de imediato para a reversão da crise e uma reportagem especial nesta edição trata a fundo o assunto. Quanto ao ânimo em voga no País, é preciso manter o otimismo


Finanças


A XP olha para outras praças

Após sucesso de evento

A XP olha para outras praças

Depois do sucesso de seu seu megaevento para investidores e agentes autônomos em São Paulo, empresa quer levá-lo para todo o Brasil

CVM aumenta fiscalização contra pirâmides financeiras e criptomoedas

Sempre alerta

CVM aumenta fiscalização contra pirâmides financeiras e criptomoedas

CVM intensifica fiscalização sobre pirâmides financeiras, em especial as que envolvem criptomoedas


Economia

O que será do FMI após Lagarde?

Disputa temerosa

Disputa temerosa

O que será do FMI após Lagarde?

Uma temerosa disputa sucessória toma conta do Fundo Monetário Internacional depois que sua diretora-executiva foi nomeada para presidir o Banco Central Europeu


Semana

Cade condena 11 empresas por cartel de trens e metrôs

Resumo dos fatos

Resumo dos fatos

Cade condena 11 empresas por cartel de trens e metrôs

Depois de seis anos de investigação, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) condenou 11 empresas e 42 pessoas por formação de cartel em licitações públicas de trens e metrôs em São Paulo, Distrito Federal, Minas Gerais e Rio Grande do Sul


Estilo


Do MoMA para o seu escritório

Herman Miller

Do MoMA para o seu escritório

Depois de conquistar um espaço permanente no Museu de Arte Moderna de Nova York, a grife de móveis corporativos Herman Miller investe na produção local para ampliar sua exposição no Brasil

A nova onda do chocolate gourmet

Crescimento do setor

A nova onda do chocolate gourmet

Em um movimento similar ao das cervejas artesanais, o segmento bean to bar projeta forte crescimento no Brasil


Colunas


“A reforma tributária vai aumentar a arrecadação”

Moeda Forte

“A reforma tributária vai aumentar a arrecadação”

Serafim de Abreu Júnior, vice-presidente da IBM América Latina

Bill Gates revela o segredo de Steve Jobs: feitiços

Dinheiro em bits

Bill Gates revela o segredo de Steve Jobs: feitiços

Four Seasons adere às experiências de luxo

Cobiça

Four Seasons adere às experiências de luxo

1,2 trilhão de árvores para conter o aquecimento global

Sustentabilidade

1,2 trilhão de árvores para conter o aquecimento global

Petrobras estimula concorrência no mercado de gás natural

Dinheiro em ação

Petrobras estimula concorrência no mercado de gás natural


Artigo

O transporte dos produtos que consumimos é sustentável?

Por Márcio D’Agosto e Cíntia Machado

Por Márcio D’Agosto e Cíntia Machado

O transporte dos produtos que consumimos é sustentável?


Publieditorial XP Investimentos

Descubra a maior cidade da América Latina

São Paulo

Descubra a maior cidade da América Latina

Facilidade de acesso e variedade de opções de transporte complementam os diferenciais do Centro de Convenções

Saiba como chegar ao Transamerica Expo Center

Mobilidade

Saiba como chegar ao Transamerica Expo Center

Facilidade de acesso e variedade de opções de transporte complementam os diferenciais do Centro de Convenções

Dicas de hospedagem, diversão e serviços próximos ao Transamerica Expo Center

Turismo

Dicas de hospedagem, diversão e serviços próximos ao Transamerica Expo Center


Publieditorial

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Digital Agro apresenta:

Digital Agro apresenta:

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Entre 11 e 13 de junho, feira voltada à tecnologia no campo vai discutir integração de soluções para aumento de resultados


Artigo

É hora de dar um gás!

Por Milton Rego, presidente da Abal

Por Milton Rego, presidente da Abal

É hora de dar um gás!

"O setor elétrico brasileiro já foi considerado um dos mais eficientes do mundo. Mas isso ficou no passado. O resultado desse desarranjo é que o preço da energia elétrica responde hoje por mais de 60% do custo da etapa primária de produção do alumínio"

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.