O Brasil em alta

O Brasil em alta

O upgrade de prestígio do Brasil no mercado nos últimos dias foi apenas mais uma das evidências de que o País vem se transformando na grande aposta, melhor investimento, para 2020. As agências de risco estão alerta à tendência. Subiram o “rating” de crédito, recalculando a nota nacional de “BB-” de neutra para positiva. É um passo e tanto rumo à condição de economia em “grau de investimento”, o topo da classificação, que anima investidores a concentrar capital nessas praças privilegiadas, de retorno seguro. O Brasil esteve no clube, ainda nos idos de Lula, mas perdeu a condição quando mergulhou no abismo recessivo por quase uma década. Já não era sem tempo de reiniciar a escalada. O ministro e czar da Economia, Paulo Guedes, está convencido de que até o ano que vem – se o ritmo das reformas for mantido e o crescimento acelerado do PIB se confirme – o chamado grau de investimento sai. Dessa vez Guedes não está sozinho nos prognósticos. Analistas são unânimes em apontar que a retomada do desenvolvimento é líquida e certa. Só não cravam o tamanho do avanço, na espera das futuras votações do Congresso. Estará, decerto, nas mãos dos parlamentares boa parte das chances de a economia voltar ao prumo. É que lá serão concentradas votações estratégicas como a das reformas tributária e administrativa, além de projetos de lei para facilitar o ambiente de negócios. A falta de articulação do Executivo, somada aos ataques que o mandatário tem desferido contra a Casa, não ajudam no entendimento. Moram aí os riscos de a recuperação desandar. Por enquanto, o mercado financeiro é só otimismo com as perspectivas pela frente. No câmbio, o dólar passou a recuar frente ao real, após alta significativa. A bolsa segue como paraíso das apostas, registrando recordes sucessivos. Mesmo a ameaça de contaminação da crise em países vizinhos foi descartada. Os fundamentos internos parecem, aos olhos do mundo, sólidos e isso é o que conta. O Brasil perdeu o “selo de bom pagador” (que assegura a capacidade de o país honrar compromissos) em 2015. Desde lá, amarga desconfiança externa, o que gerou bilhões de dólares em prejuízos no comércio. A virada de posição pode reequilibrar o jogo. Uma incógnita que persiste nessa cruzada é relativa às privatizações. Elas não estão andando no ritmo esperado e tudo indica que podem estagnar. O Congresso já rechaçou, por exemplo, a venda da estatal Eletrobras, que daria o pontapé inicial ao processo. Com as eleições municipais de 2020, o programa deve ficar em banho-maria. Nada, porém, que abale a boa fase em andamento.

 

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”

+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

O Brasil com Biden

Não dá mais para descartar a hipótese, cada vez mais concreta, de um novo governo nos EUA com o qual a bajulação bolsonarista não terá [...]

Hora do sufoco

É do conhecimento até do mundo mineral que as contas e perspectivas econômicas brasileiras não vão nada bem. Pois as novas projeções do [...]

O crescimento em “v”

Vivemos a ilusão de uma rápida, consistente e tranquila retomada econômica, no ritmo que os membros da equipe do ministro Paulo Guedes [...]

A pedalagem do renda cidadã

Foi um truque. Uma tentativa rasa de enganar a turba. O governo não se emenda. Tentou mudar o nome, de novo, do Bolsa Família – que já [...]

Lá vem o buraco fiscal

O primeiro sinal veio em forma de flexibilização da regra do teto, em uma área específica, já no corrente ano. O Congresso Nacional [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.