O Brasil com Biden

O Brasil com Biden

Não dá mais para descartar a hipótese, cada vez mais concreta, de um novo governo nos EUA com o qual a bajulação bolsonarista não terá vez. A decisão sai em dias e Joe Biden está com maiores chances de assumir a Casa Branca, com larga vantagem nas pesquisas e um plano completamente diferente daquele praticado pelo atual titular. O que será do Brasil nesse contexto? O mandatário do Planalto, todos viram, fez o que foi possível para mostrar intimidade com Donald Trump e, nessa sanha sistemática, entregou verdadeiros presentes, como a renúncia da condição especial do País na OMC, liberação de tarifas para o álcool americano e outros penduricalhos que acostumaram mal o parceiro. Na contrapartida, recebeu quase nada. Ou nada. As relações diplomáticas nesse sentido regrediram ao nível do Brasil colônia. Com o agravante de desentendimentos com os demais países, tradicionalmente compradores das mercadorias nacionais. Jair Bolsonaro fez um jogo de “all in” no candidato que, daqui a pouco tempo, pode não estar na cadeira de homem mais poderoso da terra. O daqui para frente certamente será diferente. Há uma tendência natural de Biden promover algum tipo de “castigo” ao governo brasileiro e a arma cogitada nesse sentido não poderia ser outra que não a da retaliação comercial, com sobretaxas, que devem se dar na área de commodities agrícolas. Até as pedras que sustentam o Planalto sabem que Biden não gostou nada do apoio explícito e enfático do capitão bananeiro ao seu arquirrival. Também não são do agrado do democrata as decisões que vêm sendo tomadas aqui na área ambiental – contra as quais ele se manifestou, abertamente, ainda em debate assistido pelo mundo inteiro. Trump também condenava a postura brasileira nesse tocante, mas fechava os olhos à barbaridade do descaso do governo de Messias em nome da boa amizade. Biden não fará assim. Ao contrário. Tem pedido providências e deverá ser enfático em estabelecer princípios mais rígidos de sustentabilidade como uma moeda de troca para firmar contratos. Países governados por extremistas à direita como o Brasil não terão, decerto, no caso da vitoria do opositor, a mesma relação carnal e proteção que vinham recebendo da administração Trump. De todo modo, se serve de alento, é preciso lembrar que Biden sempre foi adepto do multilateralismo de mercado. Em outras palavras, ele enxerga pragmaticamente, e sob a ótica dos resultados dos negócios, cada relação internacional. Ele, certamente, voltará a empenhar os EUA em acordos de comércio, prática que Trump abandonou. Nessa toada, o Brasil tende a se beneficiar, mesmo que de maneira paralela, através do Mercosul. Agora é mudar as peças no tabuleiro porque o jogo deverá ser diferente. Muito diferente.

Carlos José Marques, diretor editorial

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

O dia seguinte às eleições

Já virou tradição no manual da política o governo começar a trabalhar somente depois de passada as eleições e, ao que tudo indica, dessa vez não será diferente. A apatia de medidas, negociações e mobilizações que prevaleceu até aqui não pode ter outra razão que a do temor das consequências nas urnas. Candidatos e seus […]

O isolamento como opção

Se a ideia é acabar de vez com qualquer possibilidade de o Brasil permanecer como um player relevante no tabuleiro das nações,o governo Bolsonaro e seus achegados estão no caminho certo. O rebento zero três, Eduardo Bolsonaro, resolveu por esses dias pregar mais uma estaca no muro que está distanciando o País da boa relação […]

Valentia fora de hora

Como se já não estivessem bem estremecidas as relações do governo brasileiro com organismos multilaterais e a comunidade internacional, [...]

O Brasil na era Biden

Dois cenários concretos estão montados a partir da confirmação de troca de comando na Casa Branca. Dentro do governo brasileiro, a [...]

A casa da mãe Joana

Ninguém se entende mais dentro do poder central e o clima de animosidade vai aumentando à medida que os sinais de crise financeira vão [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.